AÇÕES EDUCATIVAS AOS IDOSOS FRENTE A PANDEMIA DE SARS-COV-2: ESTUDO DE REVISÃO

Maria Antônia Morais de Melo, Bruna Souza Carvalho, Fernanda Marins Assis Palma, Rodrigo Ramos

Resumo


INTRODUÇÃO

 

A nova doença causada por coronavírus, teve seus primeiros casos na em Wuhan, China, em dezembro de 2019, registrando várias mortes no em 2020, e atualmente surto pandêmico. Os principais fatores de risco relacionados ao SARS-CoV-2 são os maus prognósticos aos idosos com comorbidades e principalmente, chamados de imunossuprimidos1. Sabendo então que os idosos estão inclusos no grupo de risco durante a pandemia, o objetivo desse trabalho é realizar um revisão de literatura sobre ações educativas aos idosos frente a pandemia de SARS-CoV-2.

 

METODOLOGIA

Foi realizado um estudo de revisão de literatura através de análises de artigos buscado nas bases de dados Scielo, Pubmed e Google Acadêmico. As palavras-chave utilizadas foram: idosos, COVID-19, isolamento social, atividade física, smartfhones.

RESULTADO E DISCUSSÃO

O resultado segundo a literatura, os estudos relatam que o isolamento social é principal recomendação de segurança para evitar o contágio do vírus. Outro fator para prevenção é a higienização constante das mãos com água e sabão, uso de álcool em gel com frequência principalmente ao tocar algum objeto, máscaras ao sair de casa ou quando for encontrar alguém, cuidados com a saúde mental e manter distância de 2 metros de qualquer pessoa quando sair de casa. Importante ressaltar que muitas famílias não concordam com isolamento social, principalmente de idosos, por sentir-se abandonados2. Segundo a literatura, os familiares devem buscar apoiar os idosos nas atividades práticas diárias, como por exemplo os jogos de tabuleiro, palavras cruzadas, atividades artesanais, filmes, entre outros.

 

Sabe-se que o impacto do distanciamento social pode ser tão danoso quanto aos fatores de risco. Tais considerações apontam que comorbidades (hipertensão arterial, tabagismo e obesidade) pode facilitar o processo de infecção do novo coronavírus3. Outro aspecto fundamental, são os idosos que residem sozinhos e que não estão mantendo contato com amigos e familiares, as redes sociais e os aplicativos de smartphones são de extrema importância para amenizar esse cenário solitário4. Há também o uso de aplicativos como o FaceTime e o Skype que permitem conexão fácil com qualquer pessoa, possibilitando a aproximação entre elas5. Nessa abordagem, percebe-se com a utilização desses aplicativos, os idosos ficaram mais ocupados devido interação com vários programas que os aplicativos oferecem.

Outro aspecto de suma importância é a realização de atividade física (AF) regularmente praticadas pelos idosos que não possuem nenhuma doença. É importante lembrar que a AF contribui para a redução dos riscos cardiovasculares, reduzindo a pressão arterial e remodelando a hipertrofia ventricular esquerda6. No entanto, o sedentarismo pode apresentar maior risco à doença7. Desse modo, essas pessoas, devem ser estimulados pelos familiares, realizando exercícios que possam ser feitos dentro de casa e que não tragam nenhum risco a vida. Importante destacar, que o exercício físico é capaz de evitar a sarcopenia, perda de massa muscular e retardar incapacidades8. Em razão dessa realidade, a atividade física aos idosos, torna-se indispensável à vida para prevenir consequências que o sedentarismo pode trazer. Ademais, a prática provou ser benéfica na melhoria das condições clínicas mais frequentemente associadas ao SARS-CoV-29.

 

CONCLUSÃO

Conclui-se a importância da atividade física para os idosos durante o período de isolamento social, assim como assistir filmes, participar de encontro online com família, ações educativas como fazer costura criativa, principalmente confecção de máscaras. Sugere-se para os idosos que tem dificuldade em utilizar as tecnologias (notebook e celulares), a família deve ensinar para que o idoso permanece em casa, mantendo o isolamento social.


Texto completo:

PDF

Referências


Sahu KK, Mishra AK, Martin K, Chastain I. COVID-19 and restrictive lung disease: A deadly combo to trip off the fine balance. Monaldi Arch Chest Dis. 2020;90(2):10.4081/monaldi.2020.1346. Published 2020 Jun 29. doi:10.4081/monaldi.2020.1346

Disponível em: http://docs.bvsalud.org/biblioref/2020/04/1095404/72849-288133-1-pb.pdf>Acesso em : 21 jul 2020.

FAISCA, Letícia Raquel et al . Solidão e sintomatologia depressiva na velhice. Aná. Psicológica, Lisboa , v. 37, n. 2, p. 209-222, jun. 2019 . Disponível em . acessos em 17 jul. 2020. http://dx.doi.org/10.14417/ap.1549.

Banskota S, Healy M, Goldberg EM. 15 Smartphone Apps for Older Adults to Use While in Isolation During the COVID-19 Pandemic. West J Emerg Med. 2020;21(3):514-525. Published 2020 Apr 14. doi:10.5811/westjem.2020.4.47372


Apontamentos

  • Não há apontamentos.