ANÁLISE DA FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA E INDEPENDÊNCIA FUNCIONAL DE IDOSOS PRATICANTES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS DO PROJETO VIDA ATIVA-UNATI

Fernanda Cardoso Silva, Ítalo Gabriel Ferreira Germano, Felipe Augusto Bernardo de Andrade, Carolina Kosour

Resumo


Introdução: Diversas alterações ocorrem no organismo durante o envelhecimento. Dentre essas alterações destaca-se a perda de massa muscular com fraqueza generalizada acometendo o sistema locomotor e respiratório[1]. A fraqueza da musculatura respiratória é comum em idosos, devido as disfunções comuns da senilidade, e pode ser agravada pelo sedentarismo. A prática de exercícios físico minimiza essas perdas gerando impacto positivo para o idoso[2]. Com isso, esse estudo tem o objetivo de avaliar a força muscular respiratória e independência funcional de idosos ativos participantes do Projeto de Extensão Vida Ativa – UNATI. Metodologia: Foram avaliados 9 idosos praticantes de exercícios físicos orientados, com idade média de 70±6 anos. A força muscular foi mensurada usando manovacuomêtro e a independência funcional pela Medida de Independência Funcional. Estudo aprovado pelo Comitê de Ética CAAE 52111515.2.0000.514. Resultados e discussão: Os idosos participantes obtiveram média 122,66 m na Medida de Independência Funcional indicando boa independência funcional, quanto a força muscular respiratória 72±14 cmH2O para PEmáx, e -64± 17cmH2O para PImáx. A média prevista para amostra coletada é de 70,42cmH2O para PEmáx e de 78,62 cmH2O para PImáx.[3]. Em Estudos anteriores[4] também foram observados redução da nas pressões respiratórias comparando a equação de Neder (1999). Conclusão: Os indicadores de independência funcional demonstram total independência dos idosos para amostra coletada. Os idosos participantes do projeto apresentam valores para PImáx e PEmáx próximos ao valor predito, ou seja, a força muscular está preservada, demonstrando que os idosos tem habilidades para realizar tarefas da vida diária. Portanto a prática de exercícios fisioterapêuticos orientados foi benéfica para manutenção da força muscular e independência funcional dos idosos.

Texto completo:

PDF

Referências


PEGORARI, Maycon S.; RUAS, Gualberto; PATRIZZI, Lislei J. Relationship between frailty and respiratory function in the community-dwelling elderly. Braz. J. Phys. Ther. São Carlos, v. 17, n. 1,

p. 09-16, Fev. 2013 . Disponível em . Acesso em 27 maio 2020. https://doi.org/10.1590/S1413-35552012005000065.

LANGHAMMER, Birgitta; BERGLAND, Astrid; RYDWIK, Elisabeth. The Importance of Physical Activity Exercise among Older People. Biomed Research International, [s.l.], v. 2018, p. 1-3, 5 dez. 2018. Hindawi Limited. http://dx.doi.org/10.1155/2018/7856823. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6304477/. Acesso em: 16 jun. 2020.

NEDER, J.A. et al . Reference values for lung function tests: II. Maximal respiratory pressures and voluntary ventilation. Braz J Med Biol Res, Ribeirão Preto , v. 32, n. 6, p. 719-727, June 1999

. Available from . access on 21 July 2020.

https://doi.org/10.1590/S0100-879X1999000600007.

PASCOTINI, Fernanda dos Santos et al . Força muscular respiratória, função pulmonar e expansibilidade toracoabdominal em idosos e sua relação com o estado nutricional. Fisioter. Pesqui., São Paulo , v. 23, n. 4, p. 416-422, Dec. 2016 . Available from

. access on 21 July 2020. https://doi.org/10.1590/1809- 2950/16843223042016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.