FATORES ASSOCIADOS A QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS

Daniela Laignier Faria, Maria Carolina Rodrigues Lopes, Maria Fernanda Campos Alves, Maria Manuella Vasconcellos Miranda Guzella

Resumo


Introdução: A população brasileira vem passando por uma transição demográfica em que há o aumento significativo de idosos devido, principalmente, ao avanço da medicina o qual propicia o aumento da expectativa de vida, entretanto a longevidade e a qualidade de vida nem sempre se correlacionam.1,2 Durante o processo de envelhecimento existem mudanças fisiológicas, psíquicas e até mesmo sociais, porém ressalta-se a existência da individualidade das alterações em  cada indivíduo devido a heterogeneidade desse grupo, dessa forma, torna-se de extrema importância o conhecimento de alguns fatores que possibilitem a promoção da qualidade de vida dos idosos.3,4,1 O presente estudo tem como objetivo reunir as informações obtidos pela literatura sobre os fatores que interferem na qualidade de vida dos idosos, com a finalidade de informar soluções para a problemática. Metodologia: A compilação das informações foi realizada por meio de uma revisão da literatura, em uma busca nos bancos de dados LILACS, PubMed e SciELO, utilizando os descritores: Qualidade de Vida, Idosos e Envelhecimento Saudável. Os artigos encontrados foram selecionados segundo título e resumo, de acordo com a relevância e correlação com o presente estudo. Resultados e Discussão: Existem fatores os quais influenciam na qualidade de vida dos idosos, sendo eles físicos, sociais, psicológicos,  ambientais  e  econômicos. 3,1 Dentre estes, os físicos correspondem a capacidade funcional e realização de atividades físicas, os quais permitem o aumento da força muscular associado a perda de gordura levando ao aumento da velocidade da marcha, independência funcional, melhora na autoestima, na motivação de uma participação ativa na sociedade e na sensação de leveza e alegria.3,2,5,6 Outro fator de extrema influência na qualidade de vida é o social o qual se refere as relações interpessoais e a inserção do idoso na sociedade, visto que a sensação de pertencimento a um grupo leva ao bem-estar. 3,5 Essa interação deve ser valorizada, visto que a convivência com indivíduos de fora do seu âmbito familiar contribui para o compartilhamento do conhecimento e de novas experiências, além disso, o relacionamento e suporte familiar auxilia, também, para uma melhor qualidade de vida.3,5 As crenças pessoais, religiosidade, espiritualidade, percepção de imagem corporal e autoestima são fatores psicológicos que contribuem de forma significativa para a saúde tanto mental quanto física e social, sendo ferramentas fundamentais para lidar com o envelhecimento de forma saudável.3 , 1 O elemento ambiental se caracteriza de acordo com as circunstâncias do ambiente em que o idoso está inserido, este, quando não é adequado pode exercer uma influência negativa para execução dos demais fatores, podendo levar ao isolamento social e a distúrbios psicológicos. ( 0 ) Já no contexto econômico, a situação financeira pode influenciar de forma direta nos cuidados com a saúde, no estilo de vida ofertado e consequentemente na qualidade de vida.1 Conclusão: Ao analisar os âmbitos de todos os fatores apresentados é notório que eles estão intimamente associados, podendo interferir indiretamente  entre si. Observa-se que para que haja a melhora da qualidade de vida dos idosos são necessárias ações que englobem os fatores apresentados, como a implementação de atividades de socialização e programas de promoção de saúde dos idosos com terapias alternativas. Além disso, deve-se investir em preparos para todos os profissionais de saúde para que se possa atender de forma mais adequada e holística os idosos. Também é importante projetos de conscientização da população e da família  para que haja a inserção real do idoso na comunidade e o maior apoio familiar.


Texto completo:

PDF

Referências


MOLINA, Nayara, et al. Religiosidade, espiritualidade e qualidade de vida de idosos segundo a modelagem de equação estrutural. Texto e Contexto Enfermagem , 29, p e20180468, 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104- 07072020000100323&tlng=en. Acesso em: 18/07/2020.

RAIOL, Ianny, et al. Capoterapia como prática comunitária para o envelhecimento saudável. Rev. Enferm. UFPE on line, 14, p. e243178, 2020. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/243178. Acesso em: 19/07/2020.

SILVA, José, et al. Qualidade de vida na terceira idade: prevalência de fatores intervenientes. Rev. Soc. Bras. Clin. Med., 15, 3, p. 146-9, jul-set, 2017. Disponível em: https://www.scielosp.org/article/rbepid/2005.v8n3/246-252/pt/. Acesso em:18/07/2020.

LOPES, Maria, et al. O envelhecimento e a qualidade de vida: influência das experiências individuais. Rev. Kairós Gerontologia , São Paulo, 19, 2, p. 181-199, abril-junho, 2016. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/kairos/article/view/32155. Acesso em: 18/07/2020

MIRA, Bruna, et al. Determinantes socioeconômicos e comportamentais que permeiam o envelhecimento ativo dos idosos de um centro comunitário de convivência. Rev. Fund. Care. Online, 11, 5, p. 1122-1128, out-dez, 2019. Disponível em: http://seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/6794. Acesso em: 19/07/2020

COSTA, Fábio, et al. Idosos e exercícios físicos: motivações e contribuições para saúde e o lazer.

Licere, Belo Horizonte, 20, 4, p 212-37, dez, 2017. Disponível em: http://repositorio.pucrs.br/dspace/bitstream/10923/14375/2/Idosos_e_exercicios_fisicos_motivacoes_e_contribuicoes_para_saude.pdf. Acesso em: 19/07/2020.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.