INSUFICIÊNCIA CARDÍACA COM FRAÇÃO DE EJEÇÃO PRESERVADA NO IDOSO: COMO CONDUZIR?

Giovanna dos Santos Flora, Ian Spala Ataíde Aguiar, José Renato de Oliveira Campos Paiva, Lucas Carvalho Neiva

Resumo


Introdução: A insuficiência cardíaca com fração de ejeção preservada (ICFEP) é uma síndrome multifatorial que tem aumentado a sua prevalência na população geriátrica.¹ A ICFEP representa cerca de 50% das insuficiências cardíacas e, apesar da introdução das medidas farmacológicas, a sobrevida dos pacientes permanecem em cerca de 5 anos.² A ICFEP é uma patologia que é frequentemente considerada uma causa de hospitalização e de consumo de recursos significativos, principalmente para idosos, apresentando baixa qualidade de vida e redução da aptidão física, logo, necessitando do controle efetivo dos sinais e sintomas.³ O presente artigo tem como objetivo realizar uma revisão na literatura, destacando as condutas terapêuticas necessárias em relação à ICFEP em idosos que possam aumentar a qualidade de vida e o prognóstico. Metodologia: Foi realizada uma revisão bibliográfica com bases de dados do PubMed, LILACS e Scielo. Os termos usados na busca foram baseados nos descritores em Ciência da Saúde (DECS): insuficiência cardíaca no idoso; fração de ejeção preservada. Foram selecionados  estudos  científicos  nos  idiomas português e inglês nos períodos de 2016 a 2020, somando-se 12 artigos. Resultados e discussão: A ICFEP é definida pela falência da função do miocárdio sem alterar a fração que é ejetada para a circulação sistêmica, ou seja, é uma disfunção diastólica secundária ao comprometimento do relaxamento do ventrículo caracterizada pela remodelagem concêntrica, causando um declínio funcional e a redução da qualidade de vida nos pacientes, classificando a ICFEP como uma nova síndrome geriátrica.4 Atualmente, ainda não existem evidências e estudos que especificam a identificação de tratamentos que melhorem diretamente o prognóstico da ICFEP, uma vez que se trata de uma doença com alta relevância clínica e epidemiológica, sendo a melhor conduta adotada na prática clínica o uso de medicamentos que diminuem a sintomatologia presente, por meio de diuréticos, antagonistas dos mineralocorticoides e beta-bloqueadores, além das modificações no estilo de vida, como a perda de peso e atividades físicas regulares. Outras estratégias que são relatadas baseiam-se no controle da pressão arterial sistêmica para previnir descompensações e hipertrofia ventricular, e na manutenção da frequência cardíaca afim de evitar a redução do tempo diastólico, ademais, o controle do ritmo sinusal é indicado também, uma vez que a disfunção diastólica ao longo dos anos pode levar ao remodelamento atrial e, consequentemente, à fibrilação atrial.5 É recomendado que nos pacientes geriátricos a conduta seja cautelosa, iniciando com uma classe de drogas e, posteriormente, adicionando outras classes se necessário, ademais, não há evidências de benefícios em atingir a dose alvo de cada classe.6 Notoriamente, as múltiplas comorbidades e fatores precipitantes relacionados à ICFEP devem ser controladas, como a pressão arterial sistêmica e fibrilações atriais, afim de alcançar melhores resultados. Ademais, devido aos diversos mecanismos relatados que podem ser considerados como

causadores da ICFEP, o tratamento é empírico, individualizado e multifatorial.7  Conclusão: Conclui-se que a ICFEP tem estado cada vez mais presente na população geriátrica, diminuindo a qualidade de vida e a capacidade funcional dos pacientes. Além disso, a conduta atualmente se baseia em aliviar a sintomatologia congestiva e controlar as outras comorbidades presentes, uma vez que ainda não exista uma terapia que tenha grandes efeitos no prognóstico.



Texto completo:

PDF

Referências


PFEFFER, Marc A.; SHAH, Amil M.; BORLAUG, Barry A. Heart failure with preserved ejection fraction in perspective. Circulation research, v. 124, n. 11, p. 1598-1617, 2019.

RIBEIRO, Fernando. É hora de Incluir o Treinamento de Equilíbrio nos Programas de Reabilitação Cardíaca em Pacientes com Insuficiência Cardíaca com Fração de Ejeção Preservada. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 114, n. 4, p. 708-710, 2020.

REEVES, Gordon R. et al. Comparison of frequency of frailty and severely impaired physical function in patients≥ 60 years hospitalized with acute decompensated heart failure versus chronic stable heart failure with reduced and preserved left ventricular ejection fraction. The American journal of cardiology, v. 117, n. 12, p. 1953-1958, 2016.

MARTINS, Inês Sofia Pereira Aparício. Insuficiência cardíaca com fração de ejeção preservada – nova síndrome geriátrica?. 2019. Tese de Doutorado. Universidade de Coimbra.

BORLAUG, Barry A. Evaluation and management of heart failure with preserved ejection fraction.

Nature Reviews Cardiology, p. 1-15, 2020.

LAM, Carolyn SP et al. Heart failure with preserved ejection fraction: from mechanisms to therapies. European heart journal, v. 39, n. 30, p. 2780-2792, 2018.

SHEAR, Fayez. Novel paradigms in the therapeutic management of heart failure with preserved ejection fraction: clinical perspectives. American journal of cardiovascular disease, v. 9, n. 5, p. 91, 2019.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.