INTERVENÇÃO SOBRE SAÚDE MENTAL REALIZADA COM IDOSOS DE UM CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

Jéssyca Teles Barreto, Vanessa Vieira Nunes, Maria Iolanda Amaral Maia, Anne Kelly do Carmo Santana

Resumo


Introdução: O Centro de Referência de Assistência Social é a principal porta de entrada do Sistema Único de Assistência Social e faz parte da Proteção Social Básica[1]. Nesse centro funcionam diversos serviços e um deles é o Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos, em que são realizados grupos de acordo com o seu ciclo de vida, inclusive idosos[2], e podem ser desenvolvidas atividades em que são levados temas relacionados à saúde por profissionais de saúde. Um dos temas desenvolvidos foi sobre à Saúde Mental. Problemáticas referente a este tema tem acometido parte da população e estão muito associadas à ansiedade, depressão e outros tipos de sofrimentos psíquicos, além discursos que reforçam estigmas acerca disso[3]. O objetivo foi apresentar uma intervenção em Saúde Mental, com foco em ansiedade e depressão, para grupo de idosos de um Centro de Referência de Assistência Social. Metodologia: A intervenção foi organizada por residentes multiprofissionais com o grupo de idosos. Foi dividida em duas etapas: a primeira ocorreu a partir da dinâmica “Passagem de objetos” que consistia na passagem de elementos lúdicos (borboleta, coração e flor) feitos com cartolina e palito de churrasco, os usuários ficaram dispostos em um círculo e foram realizadas 10 perguntas, se a resposta fosse sim o integrante passava um elemento da sua escolha para sua direita, se a resposta fosse não continuava com o elemento; teve como objetivo estimular reflexões sobre diferenças individuais, corresponsabilização das ações individuais e entre pares e preconceito em discursos sobre Saúde Mental. A segunda etapa foi intitulada de “Mitos e Verdades” em que foi entregue aos idosos placas que continham duas faces, uma vermelha e uma verde, a cada afirmativa feita sobre o tema, aqueles que achavam que era verdadeira levantavam a placa o lado verde para frente, já aqueles que acreditavam que era falsa, levantavam a placa com o lado vermelho para frente. Resultados: Durante a experiência foram compartilhadas vivências e questionamentos sobre o tema, o acolhimento das histórias e afetividades ali transversalizadas, o estímulo à reflexão e fortalecimento de vínculos e recursos de enfrentamento. Considerações finais: As ações de educação em saúde com foco em Saúde Mental valorizam as potencialidades do grupo e as relações com a instituição e entre os pares, suscitando o respeito às experiências e o fortalecendo da autonomia para o cuidado em saúde.



Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Orientações Técnicas Centro de Referência de Assistência Social –CRAS. Brasília, 2009. Disponível em:

. Acesso em: 23 jul. 2020.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Perguntas Frequentes: Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV). Brasília, 2017. Disponível em:

http://www.mds.gov.br/webarquivos/publicacao/assistencia_social/perguntas_e_respostas/PerguntasFrequentesSCFV_032017.pdf. Acesso em: 23 jul. 2020.

PRADO, A. L.; BRESSAN, R. A. O estigma da mente: transformando o medo em conhecimento.

Revista Psicopedagogia, v.33, n.100, São Paulo, 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.