COMPARAÇÃO DE NÍVEIS DE BURNOUT ENTRE ENFERMEIROS DA ATENÇÃO BÁSICA NO MUNICÍPIO DE PIRACICABA, SÃO PAULO, BRASIL

Jucilene Casati Lodi, Clarice Santana Milagres, Eveline Costa Cainelli, Tereza Mitsue Horibe

Resumo


O estudo apresenta os resultados obtidos em uma investigação sobre a Síndrome de Burnout em enfermeiros atuantes na Atenção Básica (Unidades Básicas de Saúde e Unidades de Saúde da Família) no município de Piracicaba-SP. Trata-se de um estudo de caráter transversal com abordagem quantitativa que objetivou identificar o nível de Burnout de acordo com as subescalas: Esgotamento Emocional (EE), Despersonalização (DE) e Realização Profissional (RP) no trabalho. A população de estudo foi composta por 36 enfermeiros, sendo 83,3% (15) atuantes nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs) e 75%  (21) nas Unidades de Saúde da Família (USFs). Como instrumento da pesquisa, utilizou o questionário de Maslach Burnout Inventory (MBI) adaptado, que além de questões referentes para a classificação da Síndrome, continha perguntas de caráter sócio-demográfico e de valores pessoais relacionados ao trabalho. Os resultados obtidos mostram domínio nas duas Instituições do sexo feminino, casadas com idade superior a 30 anos. Verificou-se que 60% dos profissionais da UBS´s tinham mais de 20 anos de formação acadêmica, enquanto que, nas USF´s, 52,2% tinham de6 a10 anos de formação. Para todas as subescalas, obteve-se índice alto nas UBSs e nas USFs para toda as subescalas identificou índice moderado. Entretanto, a Síndrome pode estar sendo encobertada pelo alto e moderado sentimento de realização profissional desses enfermeiros.


Texto completo:

PDF

Referências


ALENCAR, M.N.; COIMBRA, L.C.; MORAIS, A.P.P.; SILVA, A.A.M.; PINHEIRO, S.R.A; QUEIROZ, R.C.S. Avaliação do enfoque familiar e orientação para a comunidade na Estratégia Saúde da Família. Ciência & Saúde Coletiva, v.19, n. 2, p. 353-364, 2014.

ALBURQUERQUE, F.J.B; MELO, C.F; NETO, J.L.A. Avaliação da Síndrome de Burnout em Profissionais da Estratégia Saúde da Família da capital paraibana. Psicologia: Reflexão e Crítica, v.25, n.3, p. 542-54, 2012.

BRASIL. Decreto nº 3.048, de 06 de maio de 1999. Aprova o regulamento da Previdência Social, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília-DF, 7 maio 1999. Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2015.

CARLOTTO, M.S; CÂMARA, S.G. Análise da produção científica sobre a Síndrome de Burnout no Brasil. PSICO, Porto Alegre, PUCRS, v. 39, n. 2, pp. 152-158, abr./jun. 2008.

FERREIRA, N.N.; LUCCA, S.R. Síndrome de burnout em técnicos de enfermagem de um hospital público do Estado de São Paulo. Rev. bras epidemiol, v. 18, n. 1, p. 68-79, 2015.

GALINDO, R.H; FELICIANO, R.H; FELICIANO, K.V.O; LIMA, R.A.S; SOUZA, A.I. Síndrome de Burnout entre enfermeiros de um hospital geral da cidade de Recife. Rev Esc Enferm USP, v.46, n.2, p.420-427, 2012.

GIL-MONTE PR. Influencia del género sobre el proceso de desarrollo del síndrome de quemarse por el trabajo (burnout) en profesionales de enfermeira. Psicologia em Estudo, Maringá, v.7, n. 1, p. 3-10, 2002.

GUIDO, L.A; GOULART C.T; SILVA, R.M.; LOPES, F.D.; FERREIRA, E.M. Estresse e Burnout entre residentes multiprofissionais. Rev. Latino-Am. Enfermagem [online], v.20, n.6, p. 1064-1071, 2012.

LAUTERT, L. O desgaste profissional do enfermeiro. (Tese) Universidad Pontificia de Salamanca. 1995. Espanha.

MAIA, L.D.G.; SILVA, ND.; MENDES, P. H.C. Síndrome de Burnout em agentes comunitários de saúde: aspectos de sua formação e prática. Rev. bras. Saúde ocup., São Paulo, v. 36, n. 123, p. 93-102, 2011.

MASLACH, C.; SCHAUFELI, W.B.; LEITER, M.P. Job Burnout. Ann Rev Psychol, v.52, n.1, p. 397-422, 2001.

MASLASCH, C.; LEITER, M.P.; tradução de: MARTINS MS. Trabalho: Fonte de Prazer ou desgaste? Guia para vencer o estresse na empresa. Campinas, S.P: Ed. Papirus, 1999.

Mendes R. Patologia do Trabalho: atualizada e ampliada. vol. 2 .2.ed. São Paulo: Ed. Atheneu, 2003.

MOTA, C. M.; DOSEA, G.S.; MOTA, P.S.N. Avaliação da presença da Síndrome de Burnout em Agentes Comunitários de Saúde no município de Aracaju, Sergipe, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 19, n. 12, p.4719-4726, 2014.

PANUNTO, M.R, GUIRARDELLO, E.B. Ambiente da prática profissional e exaustão emocional entre enfermeiros de terapia intensiva. Rev. Latino-Am. Enfermagem [internet], maio-jun, v. 21, n. 3, p. 2013;21(3):[08 telas], 2013.

MOREIRA, D.S.; MAGNAGO, R.F.; SAKAE, T.M.; MAGAJEWSKI F.R.L. Prevalência da síndrome de Burnout em trabalhadores de enfermagem de um hospital de grande porte da Região Sul do Brasil. Cad. Saúde Pública, v. 25, n. 7, p. 1559-1568, 2009.

RIBEIRO, M.F.M.; PORTO, C.C.; VANDENBERGHE, L. Parental stress in families of children with cerebral palsy: an integrative review. Ciência & Saúde Coletiva, v. 18, n. 6, p. 1705-1715, 2013.

SANTOS, P.G; PASSOS, J.P. A síndrome de Burnout e seus fatores desencadeantes em enfermeiros de atenção básica. Rev. de Pesq.: cuidado é fundamental [Online], v. 1, n. 2, p. 235-241 235, 2009.

SCHMIDT, D.R.C.; PALADINI, M.; BIATO, C.; PAIS, J.D.; OLIVEIRA, A.R. Qualidade de vida no trabalho e burnout em trabalhadores de enfermagem de Unidade de Terapia Intensiva. Rev. Bras Enferm, Brasilia, v. 66, n. 1, p. 13-7, 2013.

TRINDADE, L.L.; LAUTERT L.; BECK C.L.C.; AMESTOY, S.C.; PIRES, D.E.P. Estresse e síndrome de burnout entre trabalhadores da equipe de Saúde da Família. Acta Paul Enferm, p. 23, n. 5, p. 684-9, 2010.

TRINDADE LL, LAUTERT L. Síndrome de Burnout entre os trabalhadores da Estratégia de Saúde da Família. Rev Esc Enferm USP, v.44, n. 2, p. 274-279, 2010.




DOI: https://doi.org/10.21576/rpa.2016v14i1.1

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Jucilene Casati Lodi, Clarice Santana Milagres, Eveline Costa Cainelli, Tereza Mitsue Horibe

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.