SUMMAÊ: UM MÉTODO CRIATIVO DE APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA

Andréia Almeida Mendes, Rita de Cássia Martins de Oliveira Ventura, Reginaldo Adriano de Souza, Camila Braga Correa, Fernanda Franklin Seixas Arakaki, Alcymar Aparecida Rosa de Paiva, Rosinete Cavalcante da Costa

Resumo


Apresenta-se um relato de experiência a respeito da aplicação da metodologia do Summaê nas Ligas Acadêmicas de Direito da UNIFACIG. O Summaê é um método idealizado pelo professor Ricardo Fragelli, em 2011,durante suas aulas de Cálculo nos cursos de Engenharia da Universidade de Brasília (UNB), objetivou-se transformar o ambiente de sala de aula em um espaço não só mais interessante como também lúdico, gamificado, criativo, colaborativo, de forma a estimular o engajamento dos estudantes (SUMMAÊ, 2007). Para a realização deste relato, optou-se por desenvolver uma pesquisa, de natureza qualitativa e caráter descritivo, com o objetivo de relatar a aplicação do metodologia do Summaê dentro do projeto Direito em Atividade, no curso de Direito do UNIFACIG; realizou-se, além do registro documental, a aplicação de um questionário simples, de participação voluntária, em ambiente on-line, com o intuito de que os alunos pudessem relatar sua percepção através de depoimentos; considerou-se como critério de inclusão o fato de os alunos pertencerem às turmas de Direito no segundo semestre de 2018, período em que o método foi testado no curso. Através dos depoimentos dos alunos, registrou-se que, enquanto método de ensino, o Summaê desenvolveu aprendizagem mais dinâmica e motivadora engajamento e empoderamento dos estudantes na busca de solucionar seus problemas e criar seus vídeos. Além disso, desenvolveu importantes competências sociais e emocionais, o que em uma aula tradicional não seria trabalhado.


Texto completo:

PDF

Referências


BRACKETT, M. A. et al. Assessing teatcher's beliefs about and emotional learning. Journal of Psychoeducational Assessment, v. 30, n.3, p.219-236, 2012.

COSTA, B. E. P. et al. Reflexões sobre a importância do currículo informal do estudante de medicina. Revista Scientia Medica. Porto Alegre, v.22, n.3, p.162-168, jul./set. 2012.

FRAGELLI, R. R. et al. Summaê: um método diferente para o ensino de integrais. In: INTERNATIONAL SYMPOSIUM ON PROJECT APPROACHES IN ENGINEERING EDUCATION.1., 2012, São Paulo. Proceedings..., São Paulo: PUC-SP, 2012, p.109-114.

FRAGELLI, R. R.; FRAGELLI, T. B. O. Summaê: um espaço criativo para aprendizagem. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v.17, n.52, p. 409-430, abr./jun. 2017. Disponível em: https://periodicos.pucpr.br/index.php/dialogoeducacional/article/download/.../12374. Acesso em: 15 fev. 2019.

HAMARI, J. Challenging games help students learn: an empirical study on engagement, flow and immersion in game-based learning. Computers in Humam Behavior, n.54, p. 170-179, 2016.

HOFSTEIN, A.; ROSENFELD, S. Bridging the gap between formal and informal science learning. Studies in Science Education, v. 28, n.1, p.87-112, 1996.

LEITE, L. H. A. Pedagogia de projetos: intervenção no presente. Revista Presença Pedagógica. v.2, n. 8, mar./abr, 1996.

LIGA ACADÊMICA DE CIÊNCIAS CRIMINAIS DA UNIRIO. Manifesto Ligante: as Ligas Acadêmicas no Direito, 2015. Disponível em: https://emporiododireito.com.br/leitura/liga-academica-de-ciencias-criminais-da-unirio-laccrim-propoe-o-fomento-de-aprofundados-debates-acerca-da-tematica-criminal-aos-estudantes-de-graduacao-em-direito. Disponível em: 16.fev 2019.

MORAES, M.C. Pensamento ecossistêmico: educação, aprendizagem e cidadania no século XXI. Petrópolis: Vozes, 2004.

LIMA, A. O. Uso de metodologia de projetos visando uma aprendizagem significativa de física. Um estudo contextualizado das propriedades do solo. 69 f. Dissertação (Mestrado em Ciências). Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Seropédica. Rio de Janeiro. 2010.

SANTANNA, A. Ligas acadêmicas estudantis: o mérito e a realidade. Revista Medicina Ribeirão Preto, Ribeirão Preto, v.45, n.1, p. 96-98, 2012. Disponível em:

revista.fmrp.usp.br/2012/vol45n1/PV_Ligas%20Acadêmicas%20Estudantis.pdf. Acesso em: 16 fev.2019.

SILVA, B. B. V. da; SÜSSEKIND, E. C.; PACCA, G. P. F.P. Ligas Acadêmicas como produtoras de conhecimento jurídico. Empório do Direito, 2017. Disponível em:

https://emporiododireito.com.br/.../ligas-academicas-como-produtoras-de-conhecimento-juridico.pdf. Acesso em: 15 fev.2019.

SUMMAÊ. Breve história do Summaê. Disponível em: http://www.summaeh.com/ Disponível em: 15 fev. 2018.

TORRES, A, R. et al. Academic Leagues and medical formation: contributions and challenges. Interface. Comunicação, Saúde e Educação, Botucatu, v.4, 2008.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. Manual Ligas Acadêmicas. Pró-Reitoria de Extensão. São Cristóvão/SE: UFS, 2018.




DOI: https://doi.org/10.21576/rpa.2019v17i2.1012

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Andréia Almeida Mendes, Rita de Cássia Martins de Oliveira Ventura, Reginaldo Adriano de Souza, Camila Braga Correa, Fernanda Franklin Seixas Arakaki, Alcymar Aparecida Rosa de Paiva, Rosinete Cavalcante da Costa

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.