ASSISTÊNCIA MULTIPROFISSIONAL: À SAÚDE DO HOMEM: UM DESAFIO PARA A ATENÇÃO PRIMÁRIA

Daniela de Lima Venâncio, Diana Alves Prates Simões, Kênia do Carmo Marinho Borges, Valquíria dos Santos Bretas

Resumo


A assistência multiprofissional à saúde do homem é um desafio para atenção primária, uma vez que os homens são mais vulneráveis às doenças crônicas. E um dos motivos relacionados a essa disparidade é a pouca procura pelos serviços de saúde disponíveis quando comparados ao das  mulheres. Trata-se de um estudo que contempla ações preventivas voltadas para esse público diferenciado, sendo realizado por meio da busca ativa em uma empresa privada na área de abrangência da Unidade Básica Saúde Família - Jardim Petrópolis. O objetivo foi identificar os prováveis riscos que podem predispô-los a patologias coronarianas. Assim, mesmo sendo considerado um desafio, intervenções voltadas à saúde do homem são necessárias para aproximá-los do serviço de saúde. Sendo que a estratégia de intervenção permita modificações no programa de saúde da família a fim de contemplar integralmente este público diferenciado.


Texto completo:

PDF

Referências


ABESO. Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e Síndrome Metabólica. Diretrizes Brasileitas de Obesidade. Disponível em: < http://www.abeso.org.br/pdf

/diretrizes_brasileiras_obesidade_2009_2010_1.pdf>. Acesso em: 04 maio 2013.

ARAÚJO, M.B.S & ROCHA, P.M. Trabalho em equipe: um desafio para a consolidação da estratégia de saúde da família. In Ciência & Saúde Coletiva. 2007. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/%0D/csc/v12n2/a22v12n2.pdf> Acesso em: 22 maio 2013.

BATISTA, Luís Eduardo. Entre o Biológico e o Social: homens, masculinidade e saúde reprodutiva. In GOLDENBERG, P.; MARSIGLIA, RMG and GOMES, MHA, orgs. O Clássico e o Novo: tendências, objetos e abordagens em ciências sócias e saúde. Rio de Janeiro. Ed. Fiocruz, 2003. Disponível em: Acesso em: 25 mar. 2013.

BETIM. Secretaria Municipal de Saúde. Protocolo de Assistência em Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus de Betim (2006).

Brasil. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Assistência de Média e Alta Complexidade no SUS. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. – Brasília: CONASS, 2007.

BRASIL. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Atenção Primária e promoção da saúde.Conselho Nacional de Secretários de Saúde. – Brasília: CONASS, 2007.

BRASIL. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Sistema Único de Saúde. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Brasília: Conass, 2007. 1ª ed. pág.35.

BRASIL. Ministério da Saúde. Cadernos de Atenção Básica. Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS) e Diabetes Mellitus (DM) Protocolo (2001). Disponível em:< http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cd05_06.pdf>. Acesso em: 20 mar. 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Hipertensão Arterial Sistêmica. Brasília. Secretaria de Atenção à Saúde. 2006. Disponível em:

publicacoes/caderno_atencao_basica15.pdf>. Acesso em: 04 maio 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Lei n°8080 – Lei Orgânica da Sáude. . Acesso em: 23 mar. 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem – princípios de diretrizes. Brasília. Secretaria de Atenção à Saúde. 2008. Disponível em: Acesso em: 20 mar. 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília. Secretaria de Atenção à Saúde. 2006. Disponível em:

/bvs/publicacoes/politica_nacional_atencao_basica_2006.pdf>. Acesso em: 02 abr. 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Pratique saúde. Disponível em:

.gov.br/pratique_saude/dicas.htm>. Acesso em: 02 abr. 2013.

BRASIL. Ministério da saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – Brasília : Ministério da Saúde, 2012. Disponível em:

CARNEIRO, Gláucia ett all. Influência da distribuição da gordura corporal sobre a prevalência da hipertensão arterial e outros fatores de risco cardiovascular em indivíduos obesos. In Ver. Assoc. Med. Bras 2003; pg: 306-11. Disponível em:

> Acesso em: 02 maio 2013.

DINIZ, C. A. P. M.et al. Os efeitos do tabagismo como fator de risco para doenças cardiovasculares. In Revista Eletrônica Saúde em Foco. 2011. Acesso em: 15 de maio de 2013. Disponivel em:

revistas/saude_foco/artigos/ano2011/tabagismo.pdf> Acesso em: 15 maio 2013

GIORGI, Dante Marcelo Artigas.Tabagismo, hipertensão arterial e doença renal. In: Revista Hipertensão, v. 13, n. 04, p. 256 – 259, 2010. Disponível em:

< http://www.sbh.org.br/pdf/revista_hipetensao_4_2010.pdf. Acesso em 04 maio 2013.

ISHITANI, Lenice Harumi; FRANCO, Glaura da Conceição; PERPÉTUO, Ignez Helena Oliva. FRANÇA, Elisabeth. Desigualdade social e mortalidade precoce por doenças cardiovasculares no Brasil. In. Rev Saúde Pública 2006; pg.684-91. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/rsp/v40n4/19.pdf >.Acesso em: 02 maio 2013.

JULIANO, Neiva Cabral. As metodologias Educacionais na concepção holística de ensino aprendizagem. Disponível em:

educere2004/anaisEvento/Documentos/CI/TC-CI0080.pdf>. Acesso em: 13 maio 2013.

KAISER, Sérgio Emanuel. Estratificação de risco cardiovascular e metas de

terapia anti-hipertensiva. Disponível em: http://departamentos.cardiol.br/dha/

revista/17-3/08-estratificacao.pdf. Acesso em 04 maio 2013.

NOLASCO, Sócrates. De Tarzan a Homer Simpson: banalização e violência masculina em sociedades contemporâneas. Ed. Rocco. Rio de Janeiro, 2001.

PRADO, Ceres. Complicações associadas ao diabetes. Disponível em: http://www.portaldiabetes.com.br/conteudocompleto.asp?idconteudo=10001801. Acesso em: 04 maio 2013.

RIBEIRÃO PRETO. Santa Casa de Misericórdia. Tabela de Risco Coronariano da “American Heart Association”. Disponível em: . Acesso em: 20 mar. 2013.

SBC. Sociedade Brasileira de Cardiologia. Teste seu coração. Disponível em: . Acesso em: 20 mar. 2013.

SCHRAIBER, Lília Blima; GOMES, Romeu; COUTO, Márcia Thereza. Homens e saúde na pauta da saúde coletiva. In Ciência & Saúde Coletiva, 10 (1): 7-17, 2005. Disponível em:. Acesso em: 20 mar. 2013.

VANDERLEI, M. I. G. & ALMEIDA, M. C. P. A concepção e prática dos gestores e gerentes da estratégia de saúde da família. In Ciência & Saúde Coletiva. 2007. Disponível em . Acesso em: 22 maio 2013.




DOI: https://doi.org/10.21576/pa.2014v11i2.1015

DOI (PDF): https://doi.org/10.21576/pa.v11i2.1015.g902

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Daniela de Lima Venâncio, Diana Alves Prates Simões, Kênia do Carmo Marinho Borges, Valquíria dos Santos Bretas

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.