EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO FERRAMENTA PARA A CONSERVAÇÃO DA MATA ATLÂNTICA DA ZONA DA MATA DE MINAS GERAIS

Lídia Alvim Lopes, Michel Barros Faria

Resumo


O Brasil é o país que possui a maior diversidade biológica do planeta, porém essa diversidade está ameaçada pelas inúmeras espécies em risco de extinção. Um dos maiores colaboradores para essa ameaça é a degradação ambiental causada pelo homem, através da exploração desordenada dos recursos naturais, que a cada ano vem aumentando gradativamente, principalmente na Mata Atlântica. Para reverter a exploração desordenada dos ambientes naturais, a Educação Ambiental é uma eficiente ferramenta, pois enfoca a necessidade de conservar e preservar o ecossistema em um campo amplo. O objetivo do estudo foi trabalhar através da educação ambiental problemas sobre o meio ambiente referentes à fauna e flora enfrentados na região rural do município de Alto Jequitibá, MG. Para isso, as atividades executadas foram focadas nos alunos da educação infantil e do ensino fundamental da Escola Municipal Clarice Rodrigues Faria, inserida no município de Alto Jequitibá. A escolha das escolas se deu devido à localização próxima a ambientes naturais e preservados de Mata Atlântica e, principalmente, porque grande parte dos alunos mora próximo a esse ecossistema. As metodologias utilizadas foram atividades interativas, como palestras educativas, dinâmicas, vídeos e recreações, visando a repassar informações relacionadas ao meio ambiente, de forma com que os alunos se sentissem parte dele e pudessem preservar e conservar o meio em que vivem. Conclui-se que as atividades foram de suma importância para o aprendizado dos alunos, uma vez que todos tiveram uma efetiva participação e compreenderam as atividades e a seriedade dos temas mencionados.


Texto completo:

PDF

Referências


ARROIO, Agnaldo; GIORDAN Marcelo. O Vídeo Educativo: Aspectos da Organização do Ensino. Química Nova na Escola, nº24, Novembro de 2006.

BRASIL. Constituição Federal de 05 de outubro de 1988. Da nova redação ao art. 225 da Constituição Federal, alterando e inserindo parágrafos. São Paulo, 2005.

GIULIETTI, A. M., Harley, R.M., Queiroz, L. P., Wanderley, M. G., & Van den Berg, C.2005. Biodiversidade e conservação das plantas no Brasil. Megadiversidade1: 52-61.

IBAMA. (Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis). Campanha Nacional de Combate ao Tráfico de Animais Silvestres: "Proteger e conservar: obrigação de todos" 2012. Disponível em: . Acesso em 22 de ago 2014.

JACOBI, C. M. Percepção ambiental em unidades de conservação: experiência com diferentes grupos etários no Parque Estadual da Serra do Rola Moça, MG. In: 7º Encontro de Extensão da UFMG, 2004. Anais... Belo Horizonte- MG.

LEI n.0 9.795, de 27 de abril de 1999 - Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providencias.

LEWINSOHN, T.M. e P.I. PRADO. Quantas espécies há no Brasil?Megadiversidade, v. 1 p. 36-42, 2005.

MEFFE, G. K. (ed.). 1997. Principles of Conservation Biology. Sunderland:

Sinauer Associates.

MITTERMEIER, R. A., Robles Gil, P. &Mittermeier, C. G. 1997. Megadiversity: earth’s biologically wealthiest nations. Cidade do México: CEMEX, ConservationInternational e AgrupaciónSierra Madre.

SOUSA, Maurício de. Um Plano Para Salvar o Planeta. Disponível em: < http:// https://www.youtube.com/watch?v=zjqcwkEX-ao>. Acesso em: 10 jun 2014.




DOI: https://doi.org/10.21576/rpa.2014v10i1.1024

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Lídia Alvim Lopes, Michel Barros Faria

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.