PÓS-MODERNISMO: UMA RUPTURA OU CONTINUIDADE DO MODERNISMO?

Reginaldo Adriano de Souza, Mônica Oliveira Costa, Rita de Cássia Martins de Oliveira Ventura

Resumo


Este artigo buscou informações sobre as teorias administrativas, bem como uma leve apresentação de suas evoluções no passar dos anos. Frente às grandes mudanças da atualidade buscou-se compreender as idéias modernistas e também entender do que se trata o modernismo. Dentro do modernismo localizou-se a Escola Clássica como sendo o principal foco do momento, onde houve uma racionalização, especialização e normatização nas formas de trabalho. Os autores pós modernos criticam essa postura exagerada de desvalorização do ser humano, que era considerado como uma continuação da máquina. No entanto, verificou-se a grande dificuldade de se entender o pós-modernismo, alguns autores consideram uma ruptura do modernismo, enquanto outros consideram uma evolução apenas. Outra dificuldade está em se projetar as características dessa nova época, uma vez que ainda se encontra em construção. Existe ainda uma fragmentação da figura humana em decorrência da diversidade, da flexibilidade e da relatividade em que se encontra o mundo atual.


Texto completo:

PDF

Referências


CHEVITARESE, L. (2001): “As ‘Razões’ da Pós-modernidade”. In: Analógos. Anais da I SAF-PUC. RJ: Disponível em http://www.saude.inf.br/artigos/posmodernidade.pdf. Acesso: 20/08/2011.

COOPER, Robert; BURRELL, Gibson. Modernismo, pós-modernismo e análise organizacional: uma introdução. RAE, Rio de Janeiro: FGV, v. 46, n. 1, p. 87-101, jan./mar. 2006.

DiMAGGIO, P. J.; POWELL, W. W. A gaiola de ferro revisitada: isomorfismo institucional e racionalidade coletiva nos campos organizacionais. Revista de Administração de Empresas, v. 45, n. 2, p. 72-89, 2005.

FREITAS, M. E. Cultura Organizacional: Evolução e Crítica. São Paulo: Thomson, 2007.

GREY, C. O fetiche da mudança. RAE, Rio de Janeiro: FGV, v. 44, n. 1, jan./mar. 2004. Disponível em: http://rae.fgv.br/sites/rae.fgv.br/files/artigos/10.1590_S0034-75902004000100002.pdf. Acesso: 19/08/2011.

GUIMARAES, Magali Costa. Controle no trabalho: uma reflexão sobre antigas e novas formas de controle e suas conseqüências sobre os trabalhadores. REGE-USP [online]. 2006, vol.13, n.1, pp. 1-10. Disponível em http://www.revistasusp.sibi.usp.br/pdf/rege/v13n1/v13n1a1.pdf. Acesso 15/08/2011.

MOTTA, P. R. Transformação organizacional: a teoria e a prática de inovar – Rio de Janeiro: Qualitymark Ed., 6ª reimpressão, 2007.

SACOMANO NETO, M. e TRUZZI, O.M.S. Perspectivas Contemporâneas em análise organizacional. São Paulo, UFSCAR: Gestão & Produção v.9, n.1, p.32-44, abr. 2002.

SOUSA, Paulo Daniel Batista de. Posmodernismo e a Teoria Organizacional Contemporânea in III Seminário do Centro de Ciências Sociais Aplicadas. UFPR: Cascavel – 18 a 22 de Outubro de 2004.

TAYLOR, W. T. Princípios de administração científica. Tradução Arlindo Vieira Ramos. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2011

TURETA, Cesar at al. Da teoria sistêmica ao conceito de redes interorganizacionais: um estudo exploratório da teoria das organizações. II Seminário de gestão de negócios, FAE: Curitiba, 2005.

VIEIRA, M. M. F.; CALDAS. M. P. Teoria crítica e pós-modernismo: principais alternativas à hegemonia funcionalista. RAE, Rio de Janeiro: FGV, v. 46, n. 1, p. 59-70, jan./mar. 2006

WOOD JR, Thomaz. Fordismo, Toyotismo e Volvismo. Os caminhos da indústria em busca do tempo perdido. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 32, n.4, set./out. 1992, p.6-18.




DOI: https://doi.org/10.21576/rpa.2014v10i1.1025

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Reginaldo Adriano de Souza, Mônica Oliveira Costa, Rita de Cássia Martins de Oliveira Ventura

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.