AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS NO ATERRO SANITÁRIO DE MANHUAÇU

Juliana Regina Coelho Cabral, Patrícia da Mata Huebra, Vitor Vargas, Lázaro Adão, Lívia Paula de Almeida Lamas, Érica Dutra Albuquerque

Resumo


O município de Manhuaçu é localizado em uma região produtora de café, com intenso comércio e possui um dos maiores índices do PIB do estado de Minas Gerais. No entanto, apesar do notável crescimento econômico, o município não possui políticas sustentáveis para a qualidade de vida de seus habitantes, como a disposição adequada dos seus resíduos sólidos. Assim, esse trabalho objetivou avaliar os impactos ambientais provocados pelo aterro sanitário de Manhuaçu e a disposição inadequada dos seus resíduos. Nos anos de 2011 e 2012 a pesquisa analisou o aterro sanitário desta cidade com o intuito de encontrar irregularidades na disposição final dos resíduos sólidos e verificar eventuais impactos no meio ambiente. Para a coleta de dados foi utilizada a pesquisa documental, juntamente com técnicas de observação. Foram encontradas várias irregularidades no aterro sanitário, causadas pelo descaso do gerenciamento por parte da administração pública. Observou-se que o local de disposição final dos resíduos sólidos de Manhuaçu possui características de aterro controlado e não de um aterro sanitário. O principal motivo está ligado à simplicidade estrutural do aterro controlado, entretanto, ele pode apresentar maior risco ao meio ambiente e à saúde humana e por isso deve ser monitorado. Conclui-se que o aterro sanitário de Manhuaçu está irregular e que a situação da disposição final dos resíduos sólidos causa degradações ao meio ambiente em que está inserido.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBERTE, E. P. V.; CARNEIRO, A. P.; KAN, L. Recuperação de áreas degradadas por disposição de resíduos sólidos urbanos. Diálogos & Ciência –Revista Eletrônica da Faculdade de Tecnologia e Ciências de Feira de Santana. Ano III, n. 5, jun. 2005.

BITAR, O.Y & ORTEGA, R. D. Gestão Ambiental. In: OLIVEIRA, A. M. S. & BRITO, S. N. A. (Eds.). Geologia de Engenharia: Associação Brasileira de Geologia de Engenharia (ABGE). São Paulo, cap. 32, p.499-508, 1998.

CONAMA: Conselho nacional do meio ambiente, resolução nº 303, de 20 de março de 2002. Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente. Disponível em: Acesso em: 04 de jul. de 2011.

IBGE. Carta Topográfica do Brasil, Diretoria de Geodésia e Cartografia. Superintendência de Cartografia. FOLHAS SF-23-X-B-III-4, Manhuaçu e SF-23-X-B III-4, Simonésia. Primeira edição, 1979.

EMBRAPA (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária). Monitoramento Ambiental. Disponível em: < http://www.embrapa.br/ Acesso em: 9 mai. 2011.

GARIGLIO, L. P.; MELO, G. C. B. de. Metodologia racional para monitoramento ambiental de aterros de resíduos sólidos urbanos. Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental. Saneamento Ambiental: Ética e Responsabilidade Social, Joinville, p.1-18, 2003.

GOOGLE, Programa Google Earth, 2006.

KOHN, L. G.; NÓBREGA, M. R. R.; MILANI, I. C. B. Caracterização microbiológica do chorume de um aterro controlado em Pelotas/RS. Pelotas-RS, 2007.

LEITE, C. M. B.; BERNARDES, R. S.; OLIVEIRA, S. A. Método Walkley-Black, na determinação da matéria orgânica em solos contaminados por chorume. Brasília-DF, 2003.

LIMA, J. S. Avaliação da contaminação do lençol freático do lixão municipal de São Pedro da Aldeia - RJ. São Pedro da Aldeia - RJ, 2003.

MANO, E. B.; PACHECO, E. B. A. V.; BONELLI, C. M. C. Meio Ambiente, Poluição e Reciclagem: Gerenciamento dos Refugos Urbanos. 1° Edição. São Paulo: Ed. Edgard Blucher, 2005.

TINOCO NETO, J. P. Gerenciamento do lixo urbano: aspectos técnicos e operacionais. Viçosa: Editora UFV, 2007.

SISINNO, C. L. S.; MOREIRA, J. C. Avaliação da contaminação e poluição ambiental na área de influência do aterro controlado do Morro do Céu, Niterói, Brasil. Niterói-RJ, 1996.

RIBEIRO, D. V.; MORELLI, M. R. Resíduos sólidos, problemas ou oportunidades? Rio de Janeiro-RJ: Editora Interciência, 2009.

SANTOS, J. B. Impacto ambiental do aterro controlado da cidade de Manaus, sobre os recursos hídricos da sua área de influência direta. Manaus-AM, 2001.

Secretaria de Planejamento da Presidência da República-IBGE: Diretoria de Geodésia e Cartografia. Superintendência de Cartografia. Carta do Brasil- ESC. 1:50.000.

SISINNO, C. L. S. Disposição em aterros controlados de resíduos sólidos industriais não-inertes: avaliação dos componentes tóxicos e implicações para o ambiente e para a saúde humana. Rio de Janeiro-RJ, 2003.

Revista da Faculdade de Ciências Gerenciais de Manhuaçu – Facig (ISSN 1808-6136). Pensar Acadêmico, Manhuaçu, MG, v. 6, n. 1, p. 20-38, Janeiro - Junho, 2012.Cabral et al. (2012).




DOI: https://doi.org/10.21576/pa.2012v6i1.1075

DOI (PDF): https://doi.org/10.21576/pa.v6i1.1075.g952

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Juliana Regina Coelho Cabral, Patrícia da Mata Huebra, Vitor Vargas, Lázaro Adão, Lívia Paula de Almeida Lamas, Érica Dutra Albuquerque

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.