AS MULHERES BRANCAS E NEGRAS SOB O OLHAR DOS VIAJANTES: ALGUNS APONTAMENTOS HISTORIOGRÁFICOS

Amanda Dutra Hot

Resumo


O século XIX foi marcado pela presença de vários viajantes que passaram pelo Brasil. Grande parte destes viajantes deixou relatos de como era a vida, o cotidiano, o trabalho e as mulheres no Brasil oitocentista. O presente texto terá como principal objetivo perceber os olhares lançados por viajantes europeus sobre a cultura, os costumes e o cotidiano das mulheres brancas e negras, no Rio de Janeiro e em Minas Gerais, ao longo do século XIX.

Texto completo:

PDF

Referências


FREYRE, Gilberto. A influência do

escravo negro na vida e família do

brasileiro. In.: ______. Casa-Grande &

Senzala. 6ª edição. Rio de Janeiro: José

Olímpio Editora, 1950.

LEITE, Ilka Boaventura. Antropologia da

viagem: escravos e libertos em Minas

gerais no século XIX. Belo Horizonte:

UFMG, 1996.

LEITE, Miriam Moreira. A condição

feminina no Rio de Janeiro do século

XIX. São Paulo: Hucitec; Brasília: INL,

QUINTANEIRO, Tania. Retratos de

mulher. O cotidiano feminino no Brasil

sob o olhar de viageiros do século XIX.

Petrópolis: Vozes, 1995.

RIBEYROLLES, Charles. Viagem

pitoresca ao Brasil. Tradução Gastão

Penalva. Belo Horizonte: Itatiaia, 1980.

SAINT-HILAIRE, Auguste. Viagem pelas

províncias do Rio de Janeiro e Minas

Gerais. 1779 – 1853. Tradução Vivaldi

Moreira. Belo Horizonte: Editora Itatiaia,

SLENES, Robert. Na senzala, uma flor:

esperanças e recordações na formação

da família escrava – Brasil Sudeste,

século XIX. Rio de Janeiro: Nova

Fronteira, s/d.




DOI: https://doi.org/10.21576/rpa.2012v7i2.1083

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Amanda Dutra Hot

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.