LEVANTAMENTO DAS ÁREAS DE RISCO DE TRANSMISSÃO DA ESQUISTOSSOMOSE NO MUNICÍPIO DE MANHUMIRIM – MG

Carlos Leandro de Souza Mendes, Eliana da Silva Campos, Helen Gabriela da Silva

Resumo


A esquistossomose é uma doença causada pelo Schistosoma mansoni. O verme é um parasita que necessita de dois hospedeiros (um molusco pertencente ao gênero Biomphalaria e o ser humano). O objetivo desse trabalho foi realizar um levantamento das áreas onde são encontrados caramujos no município de Manhumirim-MG, verificando a existência de contaminação pelo S. mansoni. O trabalho foi desenvolvido no período de
fevereiro de 2011 a abril de 2012. Neste período foram coletados dados em 45 lagoas a procura de caramujos, verificando a possível contaminação através da Técnica de Exposição à Luz. Dos 45 pontos de coleta, em 13 foram encontrados caramujos vivos (4 contaminados), em 4 pontos foram encontrados vestígios de caramujos. Foi possível concluir que Manhumirim apresenta áreas de risco de contaminação da esquistossomose, sendo necessário um trabalho intenso e constante em relação à doença.

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, C.S. Methods For

Malacological Work In Schistomiasis

(Métodos de Diasgnóstico Malacológico).

Rio de Janeiro: Inst. Osvaldo Cruz, 1992.

BARBOSA, C.S., SILVA, C, B.,

BARBOSA, F. S. Esquistossomose:

reprodução e expansão da endemia no

estado de Pernambuco no Brasil. Rev.

Saúde Pública, São Paulo, Vol. 30, no. 6,

BARBOSA, E.T. Área de transmissão da

Esquistossomose ao Longo do rio

Carangola. Monografia de graduação

Universidade Estadual de Minas Gerais,

BORGES, E.A.; LEMOS, J.C.; FERRETE,

J.A. Fauna de moluscos (Biomphalaria)

vetores da esquistossomose nos

cursos d’água do assentamento de

reforma agrária Ezequias dos Reis, no

município de Araguari-MG, 2007.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria

de Vigilância em Saúde. Vigilância e

Controle de Moluscos de Importância

Epidemiológica .2ªed.- Brasília: eiro, Vol.

, Suppl. IV, 311-313, 2008.

FUNASA (Fundação Nacional de Saúde),

Controle da esquistossomose:

diretrizes técnicas. 2 ed. Brasília, 70 p.

Disponível em:

s/cd11_01controle_esquist_diretrizes_tecn

icas_1998.pdf>. Acessado em: 10 de maio

de 2013.

FUNASA (Fundação Nacional de Saúde),

Dados sobre Número de Pessoas

Infectadas pelo Schistosoma mansoni,

por Estado no Brasil. 23 Janeiro 2002

.

GAZZINELLI, M.F., GAZZINELLI, A.;

SANTOS, R.V. & GONÇALVES, L.A.O. A

interdição da doença: uma construção

cultural da esquistossomose em área

endêmica, Minas Gerais, Brasil. Cad.

Saúde Pública, 18(6):1629-1638, nov-dez

Rio de Janeiro, 2002.

HICKMAN, C.P., ROBERTS, L.S.,

LARSON, A. Princípios Integrados de

Zoologia. Rio de Janeiro, 11a ed, cap. 14,

IBGE. Disponível em:

ow> acesso em: Maio de 2013.

KATZ, N. Vacina Polivalente Antihelmintos?

Biotecnologia, Ciência e

Desenvolvimento 1,(2):34-35, 1997.

KATZ, N. & PEIXOTO, S.V. Análise

crítica da estimativa do número de

portadores de esquistossomose

mansoni no Brasil. R. Soc. Bras. Med.

Trop., v.33, p.303-308, Rio de Janeiro,

LAMBERTUCCI, J.R. A

esquistossomose mansoni em Minas

Gerais. R. Soc. Bras. Med. Trop., Rio de

Janeiro, v.20, p.47-52, 1987.

LINHARES S.V. & GEWANDSZNAJDER,

Fundamento da Biologia. Ática, São

Paulo. 448p, 2008.

MORGAN, J.A. et al. Schistosoma

mansoni and Biomphalaria: past

history and future trends. Parasitology,

London, v.123, p.211-228, Suplement,

NEVES, D.P., MELO, A.L., LINARDI,

P.M., VITOR, R.W.A. 2005. Parasitologia

Atheneu.

PARAENSE, W.L. Fauna planorbídica do

Brasil. In: Lacaz, C.S.; Baruzzi, G.R.;

Siqueira J.R.W. Introdução à geografia

médica do Brasil. São Paulo: Edgar

Blücher: Ed. da USP, cap.10, p.213-239,

PARAENSE, W.L. Distribuição dos

caramujos no Brasil. In: Reis, F.A.; Katz,

N. (Org.). Modernos conhecimentos sobre

esquistossomose mansônica. Belo

Horizonte: Biblioteca da Academia Mineira

de Medicina, 1986. (Suplemento dos

Anais de 1983 e 1984 da Academia

Mineira de Medicina, v.14), 1984.

RUIZ, J.M. Índices cercáricos

específicos do Schistosoma mansoni

verificados em Neves e Mariana,

Estado de Minas Gerais. Mem. Inst.

Butantan, São Paulo, v.24, p.63-68, 1952.

SILVA, H.G. Gestão ambiental aplicada

a epidemiologia: investigação sobre as

áreas foco de transmissão da

esquistossomose nos distritos se Vila

Nova e Realeza pertencente ao município

de Manhuaçu-MG. Tcc da Facig, 2009.

SOUZA, C.P. Geographical

distributionof Biomphalaria snails in

the state of Minas Gerais, Brazil. Mem.

Inst. Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, v.96,

p.293-302, 2001.

SOUZA, C.P; GAZZINELLI, G.; Araújo, N.;

Cruz, O.F.R.; Silva, C.R.T. Criação de

Caramujos infectados Para Obtenção

em Massa de Cercárias e

Esquistossômulos. Inst. Oswaldo Cruz,

Rio de Janeiro, Vol. 80 (1): 55-61,

Jan./mar, 1985.

SOUZA, M.A.A.; SOUZA, L.A.; Machado-

Coelho, G.L.L. & Melo, A.L.

Levantamento malacológico e

mapeamento das áreas de risco para

transmissão da esquistossomose

mansoni no Município de Mariana,

Minas Gerais, Brasil. R. Ci. méd. biol.,

Salvador, v. 5, n. 2, p. 132-139, mai./ago,

TELES, H.M.S. Aspectos ecológicos de

Biomphalaria (Preston, 1910)

(Basommatophora, Planorbidae) no

Estado de São Paulo, Brasil. I. Sintopia.

Ciência e Cultura, 40:374-378, 1988.

TELES, H.M.S.; Pereira, P.A.C.; Richinitti,

L.M.Z. Distribuição de Biomphalaria

(Gastropoda, Planorbidae) nos estados

do Rio Grande do Sul e Santa Catarina,

Brasil. R. Saúde Publ., São Paulo, v.25,

p.350- 352, 1991.




DOI: https://doi.org/10.21576/pa.2013v8i1.1090

DOI (PDF): https://doi.org/10.21576/pa.v8i1.1090.g966

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Carlos Leandro de Souza Mendes, Eliana da Silva Campos, Helen Gabriela da Silva

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.