UM RECORTE SOBRE A DEPRECIAÇÃO DO CAPITAL INTELECTUAL

José Carlos de Souza, Rosane Aparecida Moreira, Rock Kleyber Silva Brandão

Resumo


O presente artigo aborda aspectos ligados à depreciação do capital intelectual, um recorte da proposta de gestão do conhecimento. O seu objetivo é descrever e analisar como os gestores, embora interessados em potencializar o valor agregado dos ativos intangíveis, correm o risco de
“depreciá-lo”, pois parece que a gestão das pessoas como ativos quantificáveis remete a uma visão reducionista dos indivíduos. É que na busca de codificação dos conhecimentos, sem o necessário cuidado e sem fugir à espiral do modelo tradicional, é possível que as pessoas se
percam em meio aos indicadores de retorno dos investimentos, confundidas com aqueles ativos tangíveis. Foi feita uma abordagem exploratória em literatura alusiva ao modelo, buscando analisar o discurso da contabilização do capital humano, identificando riscos de sua depreciação.

Texto completo:

PDF

Referências


ARGYRIS, C. Ensinando pessoas

inteligentes a aprender. In: Harvard

Business Review. Aprendizagem

Organizacional: os melhores artigos da

Harvard Business Review. São Paulo:

Campus, 2006.

BARROSO, A.C.O.; GOMES, E.B.P.

Tentando entender a gestão do

conhecimento. Revista de Administração

Pública. Vol. 33, nº. 2, mar./abr. 1999, p. 147-

BRITO, M.J.; BRITO, V.G. Gestão

Estratégica de Recursos Humanos. Lavras,

UFLA/FAERPE, 2000.

CAMUS, A. O mito de sisifo (1942). Rio de

Janeiro, Recorde, 2004.

CHIAVENATO, I. Administração dos

Recursos Humanos. 3ª Edição. São Paulo,

Editora Atlas, 1994.

CÔRTES, A.L.C. Discurso sobre Proteção

Social. Belo Horizonte, Literatura, 2001.

D’ MASI, D. O Ócio Criativo. Rio de janeiro.

Editora Sextante, 2000.

GOLEMAN, D. Inteligência Emocional. Rio

de Janeiro, Editora Objetiva, 1995.

MORBIS, S.C. O Capital Intelectual como

fator de competitividade das empresas.

Joinvile: UNIVILE, 2000.

NOGAS, C.; PALADINI, E.P. A gestão do

conhecimento como fator competitivo para

empresas brasileiras exportadoras: um

diferencial estratégico em tempos de crise.

Santa Cruz – RS, Revista das Faculdades

Santa Cruz, v. 8, n. 1, jan / jun, 2010.

NONAKA, I.. A empresa criadora do

conhecimento. In: Harvard Business Review.

Aprendizagem Organizacional: Os melhores

artigos da Harvard Business Review. São

Paulo: Campus, 2006.

PASCALE, R. The paradox of “corporate

culture”: reconciling ourselves to

socialization. Califórnia Management Review,

v. 2, Winter, 1985, p. 26-41.

RIBEIRO, O.M. Contabilidade básica. São

Paulo: Saraiva, 1999.

STRAIOTO, D.M.G.T. A contabilidade e os

ativos que agregam vantagens superiores

e sustentáveis de competitividade: o capital

intelectual. Revista Brasileira de

Contabilidade, ano XXIX, n. 124, Santa

Catarina, 2000.

TOFFLER, A. A Terceira Onda. Rio de

Janeiro, Campus, 1980.

VAN MAANEM, J. Processando as

pessoas: estratégias de socialização

organizacional. In: FLEURY, M.T.L.,

FISCHER, R.M. Cultura e poder nas

organizações. São Paulo, Atlas, 1989.




DOI: https://doi.org/10.21576/pa.2013v9i2.1100

DOI (PDF): https://doi.org/10.21576/pa.v9i2.1100.g975

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 José Carlos de Souza, Rosane Aparecida Moreira, Rock Kleyber Silva Brandão

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.