USO ABUSIVO DE ETANOL: UM COMPARATIVO ENTRE DADOS DA LITERATURA E A REALIDADE DA ZONA DA MATA MINEIRA

Anita S. Rodrigues, Larissa de M. Vita, Juber P. de Souza

Resumo


O uso excessivo e indiscriminado de bebidas alcoólicas pode causar dependência química e severos danos ao organismo humano. O consumo de bebidas alcoólicas abrange mais de 2 bilhões de pessoas em todo mundo e é responsável por 3,2% das mortes no Brasil. Não obstante, bebidas constituídas de álcool etílico podem causar dependência química em
indivíduos hipersensíveis. Este trabalho tem por objetivo avaliar que tipo de danos fisiológicos e sociais causados pelo uso abusivo do etanol estão relatados na literatura e relacioná-los com a realidade dos dependentes químicos pertencentes ao grupo dos Alcoólicos Anônimos de uma cidade da Zona da Mata mineira.

Texto completo:

PDF

Referências


AA. Alcoólicos Anônimos. Disponível

em:

Acesso : 15 de abril de 2011.

ÁLVAREZ, A.M.A. Fatores de risco que

favorecem a recaída no alcoolismo.

Cuba: J. Bras. Psiquiatr, v. 56, p, 188-193,

BATLOUNI, M. Álcool e Sistema

Cardiovascular. São Paulo: Arq. Méd.

ABC, Supl. 2, p. 14-16, 2006.

FILHO, G.B. Bogliolo Patologia. Rio de

Janeiro: Guanabara Koogan, 7ª ed, p.

-791, 2006.

BRASIL. I Levantamento Nacional sobre

os Padrões de Consumo de Álcool na

População Brasileira - Gabinete de

Segurança Institucional. Brasília:

Secretaria Nacional Antidrogas, 2007.

CAMPOS, E.A. As representações

sobre o alcoolismo em uma associação

de ex-bebedores: os Alcoólicos

Anônimos. Rio de Janeiro: Cad. Saúde

Pública, 2004.

___. Contágio, doença e evitação em

uma associação de ex-bebedores: o

caso dos Alcoólicos Anônimos. São

Paulo: Revista de Antropologia, v. 48, nº

, 2005.

___. Por que os alcoólicos são

anônimos? Anonimato e identidade no

tratamento do alcoolismo. São Paulo:

Interface- Comunicação Saúde Educ,

v.13, n 28, p.19-30, jan-mar, 2009.

DRULHE, M. Mémoire et socialisations.

Femmes alcooliques et associations d’

anciens buveurs. Cah. Int. Sociol, v. 85,

p. 313-324, 1988.

FORERO, J.A.R.; LOPES, M.B.;

PORSANI, D.F. Alcoolismo e Anestesia.

Rev. Bras. Anestesiol, v. 44, nº 4, p. 271-

, 1994.

LIMA, C.T.S.; CARVALHO, F. M.;

QUADROS, C.A.; GONÇALVES, H.R.;

JUNIOR, J.A.S.S.; PERES, M.F.T.;

BONFIM, M.S. Hipertensão arterial e

alcoolismo em trabalhadores de uma

refinaria de petróleo. Rev Panam Salud

Publica, vol.6 n.3, Washington, 1999.

MACIEIRA, M.S.; SILVA, E.A.; ALMEIDA,

W.G.; NAKAMURA, P.E.M.; VASQUEZ,

E.C. Efeitos da Administração Crônica

do Álcool sobre os Mecanismos

Neurais de Regulação da Pressão

Arterial. Arq. Bras. Cardiol, v. 68, p. 149-

, 1997.

MINCIS, M.; MINCIS, R. Doença

Hepática Alcoólica: Diagnóstico e

Tratamento. Prática Hospitalar, Ano VIII,

nº 48, 2006.

OGA, S.; CAMARGO, M.M.A.;

BATISTUZZO, J.A.O. Fundamentos de

Toxicologia. 3ª ed. São Paulo: Atheneu,

PECHANSKY, F.; SZOBOT, C.M.;

SCIVOLETTO, S. Uso de Álcool entre

Adolescentes: Conceitos, Características

Epidemiológicas e Fatores

Etiopatogênicos. Rev. Bras. Psiquiatria,

PINHEIRO, S.N.; LAPREGA, M.R.;

FURTADO, E.F. Morbidade psiquiátrica

e uso de álcool em gestantes usuárias

do Sistema Único de Saúde. Rev. Saúde

Pública, p. 593-598, 2005.

PIVETTA, L.A. Efeitos Tóxicos do etanol

e sua relação com o estresse oxidativo.

[Dissertação de Mestrado]. Santa Maria,

RS: UFSM, 2005.

SILVA, V.A. Ambiente e

Desenvolvimento: Efeitos do Álcool

Etílico e da Desnutrição. Mundo & Vida,

v. 2, p.21-27, 2000.

ZALESKI, M. et al. Diretrizes da

Associação Brasileira de Estudos do

Álcool e outras Drogas (ABEAD) para o

diagnóstico e tratamento de

comorbidades psiquiátricas e

dependência de álcool e outras

substâncias. Rev. Bras. Psiquiatria, v. 28,

p. 142-148, 2006.




DOI: https://doi.org/10.21576/rpa.2013v9i2.1102

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Anita S. Rodrigues, Larissa de M. Vita, Juber P. de Souza

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.