EDUCAÇAO E NOVOS SABERES: A NECESSIDADE DE UMA NOVA VISÃO SOBRE A ÁFRICA E OS AFRICANOS

Amanda Dutra Hot, Germano Moreira Campos

Resumo


Nos últimos anos, toda a comunidade acadêmica e a sociedade brasileira tem se deparado com a exigência estabelecida pelo Governo Federal, através da Lei 10.63912003, de se trabalhar com o ensino da cultura afro-brasileira e africana em diferentes níveis educacionais. Tal determinação torna-se muito válida na busca de um ensino mais humanista e humanitário, que compreenda as diversidades e valorize a questão da multiculturalidade. Por outro lado, deparamo nos com sérias barreiras estabelecidas por uma visão essencialmente eurocêntrica a respeito dos africanos, visão esta que contaminou excessivamente os materiais didáticos e mesmo pesquisas acadêmicas concernentes aos africanos. Diante desta situação, o presente artigo objetiva relacionar as possibilidades de se estudar, entender e também de se fazer uma história da África de forma menos enviesada e que tenha os africanos como atores, e não apenas como expectadores ou vitimas do processo colonizador europeu. Tal proposta se torna pertinente. uma vez destacada a atualidade e a importância do assunto em nosso cotidiano e sua necessidade cada vez maior nos currículos acadêmicos e escolares.

Texto completo:

PDF

Referências


ANTONIL, André João. Cultura e opulência do Brasil: por suas drogas e minas. São Paulo: Ed. USP/Itatiaia. 1982.

BASTIDE, Roger. Sociologia do folclore brasileiro. São Paulo. Editora Anhembi, 1959.

. Estudos afro-brasileiros.

São Paulo: Ed. Perspectiva, 1973.

BHABHA, H. K. O local da cultura. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1998.

CARNEIRO. Edison. Religiões Negras: notas de Etnografia Religiosa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1991.

DEL PRIORE. Mary & VENÂNCIO, Renato Pinto. Ancestrais: uma introdução história da África atlântica. 5' ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

DIAS, Maria Odila Leite da Silva. Quotidiano e poder em São Paulo no século XIX. 2" Edição. São Paulo: Brasiliense, 1995.

FIGUEIREDO. Luciano. O avesso da memória: cotidiano e trabalho da mulher em Minas Gerais no século XVIII. Rio de Janeiro: José Olímpio. 1993.

FREIRE, Gilberto. Casa Grande e senzala. 18 ed. Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 1977.

. Sobrados e Mucambos. 8' ed. Rio de Janeiro: Editora Record, 1990.

KI-ZERBO, J. História da África Negra. Viseu: Publicações Europa-América, s/d.

NETO, Margarida Sobral. O papel da mulher na sociedade portuguesa setecentista. In: FURTADO, Júnia Ferreira (org.). Diálogos Oceânicos: Minas Gerais e as novas abordagens para uma história do Império Ultramarino Português. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2001.

PANTOJA, Selma. A dimensão atlântica das quitandeiras. In: FURTADO, Júnia Ferreira (org.). Diálogos Oceânicos: Minas Gerais e as novas abordagens para uma história do Império Ultramarino Português. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2001.

RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro: formação e o sentido do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

SILVA. Alberto da Costa e. Um rio chamado Atlântico: a África no Brasil e o Brasil na África. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 2003.

A manilha e o libambo: a

Africa e a escravidão, de 1500 a 1700. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 2002.

A enxada e a lança: a

África antes dos portugueses. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1992.

SLENES, Robert. Na senzala, uma flor: esperanças e recordações na formação da família escrava. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

SOARES, Carlos Eugênio Líbano.

Comércio, Nação e Gênero: as negras minas quitandeiras no Rio de Janeiro (1835- 1900). In: SILVA, Francisco Carlos Teixeira da; MATTOS, Hebe Maria & FRAGOSO, João (orgs.). Escritos sobre história e educação. Homenagem a Maria Yedda leite Linhares. Rio de Janeiro: Maud/FAPERJ, 2001.

SOUZA, Marina de Mello e. Reis negros no Brasil escravista. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.

THORNTON, John. A África e os africanos na formação do mundo atlântico, 1400-1800. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.




DOI: https://doi.org/10.21576/rpa.2011v5i2.1110

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Amanda Dutra Hot, Germano Moreira Campos

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.