CANTIGA DE TRABALHO: FORÇA E RESISTÊNCIA CONTRA A SEVERIDADE DO SISTEMA ESCRAVISTA NO BRASIL COLÔNIA

Luiz Antônio Coutinho

Resumo


Este artigo tem como objetivo mostrar a trajetória dos negros africanos, enquanto escravos no Brasil. de maneira a demonstrar que, mesmo trabalhando nos engenhos, nas minas ou mesmo nas cidades e sofrendo com a opressão imposta por seus senhores, estes resistiram de diversas formas: fugas, rebeliões, sabotagens, e principalmente, através de seus cantos de trabalho que, em certas ocasiões, serviam de protesto contra o brutal sistema escravista.

Texto completo:

PDF

Referências


BERNARDO. Teresinha. Negras, mulheres e mãe: lembranças de Olga de Alaketu Teresinha Bernardo. São Paulo: EDUC; Rio de Janeiro: Palias, 2003.

GOMES, Flávio dos Santos. org. REIS, João José. Liberdade por um fio: História dos quilombos no Brasil. São Paulo. Cia das Letras 1996.

MARTINS, Tarcísio José. Quilombo do Campo Grande — A história de Minas que devolve ao povo, MG: Ed Santa Clara, 2008.

MATTOSO. Kátia de Queirós. Na África: ser vendido como escravo. In: Ser escravo no Brasil. SP .: Brasiliense, 2003.

INHORÃO, José Ramos. Os sons dos negros no Brasil: cantos, danças e folguedos. Origens. São Paulo: Ed 34, 2008.

THORNTON, John Kelly. A África e os africanos na formação do mundo Atlântico: 1400-1800: tradução Marisa Rocha Mota — RJ, Elsevier, 2004




DOI: https://doi.org/10.21576/rpa.2011v5i2.1112

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Luiz Antônio Coutinho

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.