UM OLHAR SOBRE O ENSINO DE HISTÓRIA ESCOLAR NO CONTEXTO DA “ERA VARGAS” (1930-1945)

Leonardo de Carvalho Alves, Maria Carlota de Rezende Coelho

Resumo


Tendo em vista possíveis contribuições para o desenvolvimento de novas temáticas do campo do ensino de História e, principalmente, para o aprofundamento do conhecimento sobre a “história do ensino de História” no Brasil, bem como sobre as reformas educacionais nacionais da primeira metade do século XX, pesquisa-se, aqui, sobre o ensino de História escolar durante o contexto histórico brasileiro da “Era Vargas” (1930-1945), visando, com isso, analisar os efeitos das reformas educacionais nacionais instauradas ao longo do governo Vargas sobre a educação escolar brasileira, identificando as configurações e as finalidades assumidas pelo ensino de História no contexto em questão. Diante do exposto, verifica-se que o ensino de História escolar ofertado durante a “Era Vargas” (1930-1945), os programas e matérias didáticos de História, fundamentavam-se num padrão historiográfico tradicional branco, eurocêntrico e cristão, perpetuando uma História ensinada elitista e excludente, pautada na narrativa dos “grandes fatos” e “heróis” que marcaram o processo de formação da identidade e sentimento nacionais, sobre os quais se consolidou uma ideia de “unidade nacional” legitimadora do Estado varguista. Constata-se, por este estudo, que o ensino de História, durante a “Era Vargas”, foi reconhecido pelas elites dominantes e pelos governantes como um instrumento de formação para a “cidadania política” e de consolidação do “sentimento de brasilidade”, necessários, por sua vez, para o fortalecimento do Estado Nacional.


Palavras-chave


Ensino de História; Brasil; Era Vargas; Reforma Francisco Campos; Reforma Capanema

Texto completo:

PDF

Referências


ABUD, Katia Maria. “A guardiã das tradições: a História e o seu código curricular”. In: Educar em Revista, Curitiba, n. 42, p. 163-171, Dec. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/er/n42/a11n42.pdf. Acesso em: 13 de fevereiro de 2019.

______. “A história nossa de cada dia: saber escolar e saber acadêmico na sala de aula”. In: MONTEIRO, Ana Maria; GASPARELLO, Arlette Medeiros; MAGALHÃES, Marcelo de Souza. (Org.). Ensino de história: sujeitos, saberes e práticas. 1ªed.Rio de Janeiro: MAUAD X: FAPERJ, 2007, v. 01, p. 107-117.

______. “Currículo de História e políticas públicas”. In: BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes (Org.). O saber histórico na sala de aula. São Paulo: Contexto, 2017.

______. “Formação da Alma e do Caráter Nacional: Ensino de História na Era Vargas”. In: Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 18, n. 36, 1998. Disponível em: . Acesso em: 20 de Fevereiro de 2019.

______. Propostas para o ensino de História: a construção de um saber escolar. Fronteiras, [S.l.], v. 18, n. 31, p. 296-304, jul. 2016. ISSN 2175-0742. Disponível em: . Acesso em: 02 jun. 2019.

BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Ensino de história: fundamentos e métodos. 5ª ed. São Paulo: Cortez, 2018.

BRASIL. “Decreto-Lei nº 4.244, de 9 de abril de 1942”. Lei orgânica do ensino secundário. Rio de Janeiro, 1942. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/1937-1946/Del4244.htm. Acesso em: 19 de Fevereiro de 2019.

______. “LEI Nº 1.359, DE 25 DE ABRIL DE 1951”. Modifica a seriação de disciplinas do curso secundário estabelecida no Decreto-lei nº 4.244, de 1942. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/1950-1969/L1359.htm#art1. Acesso em: 21 de Fevereiro de 2019.

______. Governo Provisório da República dos Estados Unidos do Brasil. Decreto nº 19.890, de 18 de abril de 1931. Dispõe sobre a organização do ensino secundário. Rio de Janeiro, 1931. Disponível on-line em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1930-1949/d19890impressao.htm. Acesso em 24 de Fevereiro de 2019.

CHAUÏ, Marilena de Souza. "Ideologia e educação". In Educação e Sociedade. São Paulo, nº 05, 1980, p. 24-40.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 5ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2017.

HOLLANDA, Guy. Um quarto de século de programas e compêndios de História para o ensino secundário brasileiro. 1931-1956. Rio de Janeiro: Inep/MEC, 1957.

LE GOFF, Jacques. História e Memória. Trad. Bernardo Leitão. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 1990.

NADAI, Elza. “O ensino de História no Brasil: trajetória e perspectiva”. In: Revista Brasileira de História, nº 25/6. São Paulo, ANPUH, 1992/1993, p. 143-162.

______. A ideologia do progresso e o ensino superior brasileiro. São Paulo: Loyola, 1988.

RIBEIRO, Paulo Rennes Marçal. “História da educação escolar no Brasil: notas para uma reflexão”. Paidéia (Ribeirão Preto), Ribeirão Preto , n. 4, p. 15-30, July 1993 . Disponível em: . Acesso em: 04 de junho de 2019.

SCHWARTZMAN, Simon. Gustavo Capanema e a Educação Brasileira. [Online] 2000. Disponível em: . Acesso em: 04 de junho de 2019.

ZOTTI, Solange Aparecida. “O ensino secundário nas reformas Francisco Campos e Gustavo Capanema: um olhar sobre a organização do currículo escolar”. In: IV Congresso Brasileiro de História da Educação - CBHE, 2006, Goiânia. IV Congresso Brasileiro de História da Educação - CBHE ANAIS - A educação e seus sujeitos na história. Goiânia: Ed. da UCG, 2006. v. 4. p. CD-ROM.




DOI: https://doi.org/10.21576/rpa.2019v17i2.1130

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Leonardo de Carvalho Alves

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.