GENOGRAMA MANUAL VERSUS VIRTUAL: COMPARABILIDADE DA APLICABILIDADE DOS MÉTODOS

Taís Ivastcheschen, Rulliane Aparecida dos Santos, Thayne da Rosa Sicorra, Manoelito Ferreira Silva Junior

Resumo


Objetivo: descrever a aplicabilidade do genograma como ferramenta para gestão da clínica e comparar a aplicação em modo manual e virtual. Método: estudo qualitativo, descritivo, do tipo relato de experiência, realizado por acadêmicas de enfermagem, no período de maio a junho de 2019. Dados coletados por meio de entrevista semi-estruturada com a paciente em visita domiciliar e após elaboração do genograma de maneira manual e na versão virtual. Resultados: observou-se na construção teórica do trabalho que poucos profissionais da saúde sabem como usar esta ferramenta e como ela pode agregar a prática diária. Verificou-se a importância do genograma na aproximação do profissional com o paciente, organização do processo de trabalho e leitura rápida e abrangente da organização familiar.  Com o genograma manual foi necessário consulta dos símbolos e seus significados em materiais de apoio, para a versão virtual foi necessário um cadastro, leitura breve do manual de instruções e então preenchimento dos campos de informação no site. No geral o genograma permite combinar informações de determinada família, compreender o individuo no seu contexto, localizar o problema de saúde, explorar e aconselhar situações problema, possui não só valor diagnóstico, mas também terapêutico.  Conclusão: a aplicação do genograma foi uma experiência enriquecedora na prática acadêmica, demonstrou que esta ferramenta acrescentada à gestão da clinica, enriquece o processo de trabalho de profissionais da saúde, proporciona melhorias no atendimento aos usuários e facilita a organização de ações, entre o genograma manual e o virtual, observou-se a melhor desenvoltura da versão online por ser mais rápida e padronizada, no entanto, depende de computador e internet.


Palavras-chave


Atenção Primária de Saúde; Avaliação em Saúde; Educação em Enfermagem; Experiências; Genograma.

Texto completo:

PDF

Referências


BORGES, C. D.; COSTA, M. M.; FARIA, J. G. Genogram and primary health care: in search of integrality. Rev Psicol Saúde, v.7, n.2, p.133-41, 2015. Disponível em: . Acesso em: 24 ago. 2019

COSTA, R. P. Graphical representation of families using Genopro (r): (re) discover the family genogram in the context of qualitative research. Indagatio Didactica, v.5, n.2, p.723-33, 2013. Disponível em: . Acesso em: 24 ago. 2019

KRÜGER, L.L.; WERLANG, B. S. G. Genogramm as a resource in the therapeutic conversational space. Aval Psicol, v.7, n.3, p.415-26, 2008. Disponível em: . Acesso em: 24 ago. 2019

LEONCIO, E.T.; SOUZA, S. R. P.; MACHADO, J. L. M. Degradation of parental bonding and violence against children: the use of family genogram in the pediatric clinic. Rev Paul Pediatr, v.35, n.2, p.185-90, 2017. Disponível em: . Acesso em: 24 ago. 2019

MALTA, D. C. et al. Family Health Strategy (FHS) in Brazil, according to the National Health Survey, 2013. Ciencia Saude Colet, v.21, n.2, p.327-38, 2016. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232016000200327&lng=pt&nrm=iso&tlng=en>. Acesso em: 24 ago. 2019

MCGOLDRICK, M.; GERSON, R.; PETRY, S. Genogramas: avaliação e intervenção familiar. Porto Alegre: Artmed, 2012.

NASCIMENTO, L. C. et al. Genogram and ecomap: brazilian nursing contributions. Texto Contexto Enferm, v.21, n.1, p.211-20, 2014. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-07072014000100211&script=sci_arttext&tlng=pt>. Acesso em: 24 ago. 2019

NOGUEIRA, A. P. F. et al. The importance of using genograms for understanding of family dynamics. Rev Enferm UFPE on line, v.11, n.12, p.5110-5, 2017. Disponível em: < https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/viewFile/23522/25355>. Acesso em: 24 ago. 2019

REBELO L. Genograma familiar o bisturi do médico da família. Rev Port Clin Geral, v.23, n.3, p.302-17, 2007. Disponível em: . Acesso em: 24 ago. 2019

SANTOS, M. J. Z.; GOMES, I. C. The use of the genogram as an expressive resource and object mediator in group of children and adolescents. Semin, Ciênc Soc Hum, v.39, n.2, p.197-212, 2018. Disponível em: < http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?pid=S1676-54432018000200007&script=sci_abstract&tlng=en>. Acesso em: 24 ago. 2019

SCHLEGEL RD. Genograma digital na atenção primária - a experiência de Chapada do Norte/MG. 2011. Monografia - Universidade Federal de Minas Gerais, Araçui, 2011.

SITNIK-WARCHULSKA K, IZYDORCZYK B. Family patterns and suicidal and violent behavior among adolescent girls - genogram analysis. Int J Environ Res Public Health, v.15, n.10:e2067, 2018. Disponível em: . Acesso em: 24 ago. 2019

Young V, Mehl-Madrona L, Mainguy B. A Patient-Centered Approach to a Rural General Practice in Distress and the Search for a Solution. Perm J, v.22, p.17-099, 2018. Disponível em: . Acesso em: 24 ago. 2019




DOI: https://doi.org/10.21576/pa.2020v18i1.1170

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Taís Ivastcheschen, Rulliane Aparecida dos Santos, Thayne da Rosa Sicorra, Manoelito Ferreira Silva Junior

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.