FATORES ASSOCIADOS A ALTERAÇÕES DA MICROBIOTA NO TRATO GENITAL FEMININO INFERIOR

Jennefer Aparecida Gonçalves Oliveira

Resumo


A vagina é colonizada por diversos microrganismos vivendo em equilíbrio e é conhecida por microbiota, ela é composta por: fungos, peptococcos e bactérias aeróbicas e anaeróbicas facultativas comensais, com predominância de lactobacilos. A microbiota desempenha um papel fundamental na manutenção e preservação da saúde, sua composição varia durante a vida da mulher por diversos fatores como a idade, hormônios, e período do ciclo menstrual.  Entretanto diversos fatores são associados a alterações da microbiota e ocasional patologia. O presente trabalho visa avaliar quais os fatores extrínsecos são associados a alterações da microbiota vaginal. Este estudo é uma revisão de literatura integrativa, método apontado por Cooper, onde resultados primários de pesquisas são reunidos a fim de explicar um fenômeno mais abrangente e interconectar elementos isolados Concluímos que fatores como relações frequentes, gestações, medicamentos, sabonetes vaginais e DIU afetam a frequência e a gravidade das alterações da microbiota vaginal. Verificamos também a necessidade de atenção redobrada na saúde pública para com mulheres imunussupremidas, submetidas à quimioterapia, gestantes e mulheres menopausadas. Pois foi encontrado associação entre medicamentos e alterações hormonais com o aumento de alterações de microbiota.  Outro fator associação mudanças da microbiota é o uso de DIU e vaginose bacteriana com alterações de microbiota vaginal, essa informação é relevante para decisões médicas de saúde e para avaliação do seguimento das mulheres em uso de DIU e que medidas de saúde coletivas devem ser tomadas, a fim de minimizar a acompanhar mulheres com alterações de flora ou com algum fator que possa ocasionar as alterações de microbiota.


Palavras-chave


Citologia; Microbiota; Ttrato genital feminino

Texto completo:

PDF

Referências


CHIUCHETTA, Giselle Itália Ruggeri; RUGGERI, Léo Sérgio; Piva, Sérgio. Estudo das Inflamações e Infecções Cérvico-Vaginais diagnosticadas pela citologia. Ciência Saúde da UNIPAR, Maringá, volume 6, n.2, 2002.

FEITOSA, Sandra do Nascimento. Avaliação das células de defesa do conteúdo vaginal de mulheres com e sem Vulvovaginites. São Paulo, 2003, 94 f. Dissertação de Mestrado (Programa de Pós-graduação) -Faculdade de ciências médicas da Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, 2003.

JUNQUEIRA, L.C. Histologia básica. edição 13ª, capítulo 22, p 431-451, 2017.

GIRALDO, Paulo César; AMARAL, Rose Luce Gomes do; GONCALVES, Ana Katherine; VICENTINI, Regina; MARTINS, Carlos Henrique; GIRALDO, Helena; FACHINI, Ana Maria. Influence of frequency of vaginal intercourses and the use of

doushing on vaginal microbiota. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetricia, São Paulo, volume 27, n.5, 2005.

LUPPI, Carla Gianna; OLIVEIRA, Rute Loreto Sampaio; VERAS, Maria Amélia. Diagnóstico precoce e os fatores associados às infecções sexualmente transmissíveis em mulheres atendidas na atenção primária. Revista Brasileira de Epidemiologia, volume 14, n.3, São Paulo, 2011.

NETO, Jacinto da Costa Silva. Citologia Clínica do Trato Genital Feminino. Editora Revinter, Edição 1, Capítulo 6, p 45-66,2012.

NETO, Pedro Agnel Dias Miranda; Burgos, Valdelice Oliveira. Microbiological monitoring of the cervicovaginal epithelium in cellular atypias. Revista Brasileira de Análises Clínicas volume 48. Piauí, 2014.

SILVA, Sandro P; MOTA, Rinaldo A; FARIA, Eduardo B. F; CASSEB, Alexandre R.; DIAS, Hilma L.T. Y. Pesquisa Veterinária Brasileira, Rio de Janeiro, volume 33, n. 4, 2013.

SILVA, Alana Almeida. Câncer do colo do útero: A importância do exame citológico na sua prevenção. 2017. 28 páginas. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Enfermagem) – União Metropolitana de Educação e Cultura, Lauro de Freitas, 2017.

SOUZA, Chiara Musso Ribeiro de Oliveira. Infecção vaginal: determinantes, microbiota, inflamação e sintomas, estudo descritivo com autocoleta diária ao longo do ciclo menstrual. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, Rio de Janeiro, volume 31, n. 7, páginas 180-185, 2009.

SOARES, Ricardo; BAPTISTA, Pedro Vieira; TAVARES, Sara. Cytolytic vaginosis: an underdiagnosed pathology that mimics vulvovaginal candidiasis. Acta Obstetrícia Ginecológica. Portugal, Volume 11, n. 2, páginas 106-112, 2017.

SLOMSKI, Larissa; LIMA, Ana Paula Weinfurter; SOUZA, Alinne Guimarães de. Avaliação da presença de microrganismos ou seus efeitos citopáticos em esfregaços cervicais de prostitutas. UNIBRASIL, Curitiba, volume 2, n 4, páginas 127-137, 2011.

VASCONCELOS, S; MARTINS, L. Correlação entre as alterações microbiológicas e o conhecimento das alterações presentes no laudo do exame colpocitológico pelas mulheres do município de Douradina em 2004. Arquivo de Ciências da Saúde da UNIPAR. V.9, n.3, p. 167-173, 2005.

WEBER Ângelo Viana; BACKES, Luana Taís Hartmenn. Análise retrospectiva de inflamações cérvico vaginais causadas por agentes microbiológicos no sul do Brasil. Saúde Integrativa, volume 9, n.17, páginas 28-40, São Paulo, 2016.




DOI: https://doi.org/10.21576/pa.2020v18i2.1707

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Jennefer Aparecida Gonçalves Oliveira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.