MOTIVAÇÃO, ESFORÇO E RECOMPENSA: ASPECTOS RELACIONADOS À EQUIPE DE TRABALHO EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE TRADICIONAL

Mayra Cristina de Campos Prado Hyppolito, Manoelito Ferreira Silva Junior, Maria da Luz Rosário de Sousa

Resumo


Objetivo: Realizar um diagnóstico situacional das motivações e necessidades para maior motivação, (des)equilíbrio entre esforço/recompensa e (super)comprometimento entre profissionais envolvidos direta ou indiretamente na assistência de uma Unidade Básica de Saúde de modelo tradicional. Método: O estudo transversal foi realizado com trabalhadores (n=50) de uma Unidade Básica de Saúde tradicional de Piracicaba-SP, Brasil. Houve aplicação de questionário sobre motivações e necessidades para maior motivação com o trabalho e o modelo Desequilíbrio Esforço-Recompensa. Os funcionários foram agrupados entre os que faziam (n=31) e não faziam (n=19) atendimento ambulatorial. Os dados foram analisados por análise descritiva e teste qui-quadrado (p<0,05). Resultados: Os dois grupos de profissionais estão com suas necessidades fisiológicas satisfeitas e apresentaram potencial de motivação com o trabalho se houver um estímulo positivo às necessidades sociais e de estima. Porém, algumas necessidades podem ser supridas de maneira diferente para cada grupo, como promover o bom relacionamento profissional no grupo que faz ambulatório e apoio do gestor entre quem não faz ambulatório. Conclusão: Os grupos estão em equilíbrio com seus esforços e recompensas.


Palavras-chave


Saúde coletiva. Motivação. Stress. Pessoal de Saúde. Engajamento no Trabalho.

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, A. E. H. B. Gestão de pessoas. Política e Gestão Pública em Saúde. São Paulo: Hucitec Editora; 2011. p 553-73.

BADUY, R. S.; FEUERWERKER, L. C. M.; ZUCOLI, M.; BORIAN, J. T. A regulação assistencial e a produção do cuidado: um arranjo potente para qualificar a atenção. Caderno de Saúde Pública, v.27, n.2, p.295-304, 2011.

BARBOSA, S. L. S.; COSTA, G. F.; CORDEIRO, L. J. L.; ALCHIERI, J. C. Gestão participativa dos trabalhadores na área da saúde: revisão integrativa de literatura. Revista de Enfermagem UFPE Online, v.5, n.8, p.2031-2037, 2011.

BARROS, R. S.; BOTAZZO, C. Subjetividade e clínica na atenção básica. Narrativas, histórias de vida e realidade social. Ciência e Saúde Coletiva, v.16, n.11, p.4337-4348, 2011.

BATISTA, A. A. V.; VIEIRA, M. J.; CARDOSO, N. C. S.; CARVALHO, G. R. P. Fatores de motivação e insatisfação no trabalho do enfermeiro. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v.39, n.1, p.85-91. 2005;

BENSON, S. G.; DUNDIS, S. P. Understanding and motivating health care employees: integrating Maslow's hierarchy of needs, training and technology. Journal of Nursing Management, v.11, n.5, p.315-320, 2003.

BRANT, L. C.; DIAS, E. C. Trabalho e sofrimento em gestores de uma empresa pública em reestruturação. Cadernos de Saúde Pública, v.20, n.4, p.942-949, 2004.

BRASIL. Ministério da Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Humaniza SUS: Política Nacional de Humanização: a humanização como eixo norteador das práticas de atenção e gestão em todas as instâncias do SUS. 2004.

BRASIL. Política Nacional de Humanização: Documento Base. 4. ed. Brasília, 2008.

CECÍLIO, L. C. O.; REZENDE, M. F. B.; MAGALHÃES, M. G.; PINTO, A. S. O pagamento de incentivo financeiro para os funcionários como parte da política de qualificação da assistência de um hospital público, Volta Redonda, Rio de Janeiro, Brasil. Caderno de Saúde Pública, v.18, n.6, 1655-1663, 2002.

CHOR, D.; WERNECK, G. L.; FAERSTEIN, E.; ALVES, M. G. M.; ROTENBERG, L. The Brazilian version of the effort-reward imbalance questionnaire to assess job stress. Cadernos de Saúde Pública, v. 24, n.1, p.219-224, 2008.

COLARES, L. G. T.; FREITAS, C. M. Processo de trabalho e saúde de trabalhadores de uma unidade de alimentação e nutrição: entre a prescrição e o real do trabalho. Caderno de Saúde Pública, v. 23, n.12, p.3011-3020, 2007.

FOGAÇA, M. C.; CARVALHO, W. B.; CÍTERO, V. A.; NOGUEIRA-MARTINS, L. A. Estudo preliminar sobre o estresse ocupacional de médicos e enfermeiros em UTI pediátrica e neonatal: o equilíbrio entre esforço e recompensa. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v.18, n.1, p.67-72, 2010.

GRIEP, R. H.; ROTENBERG, L.; LANDSBERGIS, P.; VASCONCELLOS-SILVA, P. R. Uso combinado de modelos de estresse no trabalho e a saúde auto-referida na enfermagem. Revista de Saúde Pública, v.45, n.1, p.145-152. 2011;

HOGA, L. A. K. A dimensão subjetiva do profissional na humanização da assistência à saúde: uma reflexão Revista da Escola de Enfermagem da USP, v.38, n.1, p.13-20, 2004.

OLINSKY, S. R.; LACERDA, M. R. Cuidando do cuidador no ambiente de trabalho: uma proposta de ação. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 59, n.1, p.100-104, 2006.

OLIVEIRA, E. B.; SOUZA, N. V. M.; CHAGAS, S. C. S.; LIMA, L. S. V.; CORREA, R. A. Esforço e recompensa no trabalho do enfermeiro residente em unidades especializadas. Revista Enfermagem UERJ, v.21, n.2, p.173-178, 2013.

REGIS, L. F. L. V.; PORTO, I. S. A equipe de enfermagem e Maslow: (in)satisfações no trabalho. Revista Brasileira de Enfermagem, v.59, n.4, p.565-568, 2006.

REGIS, L. F. L. V.; PORTO, I. S. Necessidades humanas básicas dos profissionais de enfermagem: situações de (in)satisfação no trabalho. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v.45, n.2, p.334-341, 2011.

RIOS, I. C. Humanização e ambiente de trabalho na visão de profissionais da saúde. Saúde e Sociedade, v.17, n.4, p.151-160, 2008.

RISSI, M. R. R.; FIGUEIREDO, M. A. C.; MACHADO, A. A. M. Health care workers and AIDS: a differential study of beliefs and affects associated with accidental exposure to blood. Cadernos de Saúde Pública, v.21, n.1, p.283-291. 2005;

SANTOS, S. B.; BARROS, M. E. B.; GOMES, R. S. A Política Nacional de Humanização como política que se faz no processo de trabalho em saúde. Interface (Botucatu), v.13, supl.1, p.603-613, 2009.

SCHOLZE, A. S.; DUARTE-JUNIOR, C. F.; SILVA, Y. F. Trabalho em saúde e a implantação do acolhimento na atenção primária à saúde: afeto, empatia ou alteridade? Interface – Comunicação, Saúde e Educação, v.13, n.31, p.303-314, 2009.

SIEGREST, J.; STARKE, D.; CHANDOLA, T.; GODIN, I.; MARMOT, M.; NIEDHAMMER, I.; PETER, R. The measurement of effort–reward imbalance at work: European comparisons. Social Science of Medicine, v.58, n.8, p.1483-1499, 2004.

SILVA, A. A.; ROTENBERG, L.; FISCHER, F. M. Jornadas de trabalho de enfermagem: entre necessidades individuais e condições de trabalho. Revista de Saúde Pública, v.45, n.6, p.1117-1126, 2011.

SILVA, J. M. B.; OLIVEIRA, L. M. R. S.; MAMEDE, J. A. N.; WANDERLEY, T. P. S. P.; SILVA, S. M. M.; BARROS, J. M. Level of satisfaction: factor generator of quality of life at work. Revista Online de Pesquisa Cuidado é Fundamental, v.10, n.2, p.343-350, 2018.

TRAVERSO-YÉPEZ, M. A. Dilemas na promoção da saúde no Brasil: reflexões em torno da política nacional. Interface (Botucatu) v.11, n.22, p.223-238, 2007.

VASCONCELOS, E. F.; GUIMARÃES, L. A. M. Esforço e recompensa no trabalho de uma amostra de profissionais de enfermagem. Psicólogo Informação (Online), v.13, n.13, p.11-36, 2009.




DOI: https://doi.org/10.21576/pa.2021v19i1.1784

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Mayra Cristina de Campos Prado Hyppolito, Manoelito Ferreira Silva Junior, Maria da Luz Rosário de Sousa

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.