POLÍTICAS PÚBLICAS DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS NO BRASIL: SUA HISTÓRIA NO SISTEMA DE SAÚDE

Fabricia Villefort Borges, Maria Diana Cerqueira Sales

Resumo


A promoção ao conhecimento das plantas medicinais brasileiras e seu correto emprego na recuperação e manutenção da saúde tem sido amplamente discutida no cenário atual devido à adoção da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no Sistema Único de Saúde. Ocasionando uma oportunidade de união do saber popular com o saber técnico. O presente artigo tem como objetivos compreender conceitos importantes sobre o tema, identificar as condições históricas do surgimento e construção das políticas públicas de plantas medicinais e fitoterápicas no Brasil, assim como descrever as mudanças ocorridas na saúde pública e no Sistema único de Saúde (SUS) após a implementação dessas políticas. O trabalho trata-se de um estudo descritivo com abordagem qualitativa, realizado através de levantamento bibliográfico de artigos de acesso livre indexados nas bases de dados Bio- Med, Bireme, PubMed e SciELO com utilização dos descritores: Política Pública, Plantas Medicinais, Fitoterapia, Sistema Único de Saúde (SUS). Observou-se que nas últimas décadas, alguns estados e municípios brasileiros vêm realizando a implantação de Programas de Fitoterapia na atenção primária à saúde, com o objetivo de suprir carências medicamentosas de suas comunidades e melhorar a qualidade de vida destas.


Texto completo:

PDF

Referências


Souza RC, Batista FEB. In: VII Congresso Norte e Nordeste de Pesquisa e Inovação. Política Pública de Saúde no Brasil: História e Perspectivas do Sistema Único de Saúde SUS. Palmas. Tocantins, 2012.

Brasil. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS - PNPIC-SUS. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

Brasil. A Fitoterapia no SUS e o Programa de Pesquisas de Plantas Medicinais da Central de Medicamentos. Secretaria de Ciência, Tecnológica e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

Brasileiro BG, Pizziolo VR, Matos DS, Germano AM, Jamal CM. Plantas medicinais utilizadas pela população atendida no “Programa de Saúde da Família”, Governador Valadares, Brasil. Brazilian Journal of Pharmaceutical Sciences. 44(4): 2008.

Nicoletti MA. et al. Principais interações no uso de medicamentos fitoterápicos. Infarma, v.19, n.1, p.32-50, 2007.

Carvalho ACB, Bino EE, MacieL A, Perfeito JPS. Situação do Registro de Medicamentos Fitoterápicos no Brasil. Paraíba, Brasil Revista Brasileira de Farmacognosia. (18)2: 314-319. 2008.

Santos KS. O mercado de plantas medicinais. Cesubra Scientia, 1(1):9-14. 2004.

Alves RRN, Silva AAG, Souto WMS, Barboza RRD. Utilização e comércio de plantas medicinais em Campina Grande, PB, Brasil. Revista Eletrônica de Farmácia, 4(2): 175-98. 2007. Disponível em: . Acesso em: 10 julh. 2015.

Folha de São Paulo. Mercado Aberto: Farmacêuticas investem R$ 332 mil em fitoterápicos. 2015 Maio 20. Disponível em: http://www.abifisa.org.br/noticia/23-07-2015-mercado-aberto-farmaceuticas-investem-r-332-mi-em-fitoterapicos.

Brasil. Portaria no. 971, de 03 de maio de 2006. Aprova a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde, Diário Oficial da União, Brasília, DF, 4 de maio de 2006.

Brasil. Presidência da República; Decreto no. 5813 de 22 de junho de 2006. Aprova a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicas e dá outras providências, Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 de junho de 2006.

Zuanazzi JAS, Mayorga P. Fitoprodutos e desenvolvimento econômico Quim. Nova, 33(6): 1421-1428. 2010.

OAB - Ordem dos Advogados do Brasil. Auriflama. 2008. Disponível em.: . Acessado em: 14 de maio de 2015.

CNS - Conselho Nacional de Saúde. Disponível em.: . Ministério da Saúde, Brasília. Acessado em 25 de fevereiro de 2015.

Brandão A. Fitoterápica, com certeza. Pharmacia Brasileira. 81(2):1-28, abril/maio 2011. Disponível em: http://www.cff.org.br/sistemas/geral/revista/pdf/131/022a028_fitoterapia.pdf>. Acessado em 01 de maio de 2015.

Cunha, AP. Aspectos históricos sobre plantas medicinais, seus constituintes activos e fitoterapia, 2005. Disponível em: http://www.esalq.usp.br/siesalq/pm/aspectos_historicos.pdf Acessado em: 07 de abril de 2015.

Brasil. Decreto nº 5.813, de 22 de junho de 2006. Aprova a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, Seção 1, p. 2. 23 jun. 2006.

Ministério da Saúde. Práticas integrativas e complementares: plantas medicinais e fitoterapia na Atenção Básica/Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Série A. Normas e manuais técnicos. Cadernos de atenção Básica. 2012.

Ministério da Saúde. Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos / Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. – Brasília: Ministério da Saúde, 136 p. il. – (Série C. Projetos, Programas e Relatórios). 2009.

Ministério da Saúde. Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Brasília: Ministério da Saúde, 60 p. – (Série B. Textos Básicos de Saúde). 2006.

Santos RL, Guimaraes GP, Nobre MSC, Portela AS. Análise sobre a fitoterapia como prática integrativa no Sistema Único de Saúde. Rev. bras. plantas med. 13(4):486-491. 2011.

Bruning MCR, Mosegui GBG, Vianna CMM. A utilização da fitoterapia e de plantas medicinais em unidades básicas de saúde nos municípios de Cascavel e Foz do Iguaçu - Paraná: a visão dos profissionais de saúde. Ciênc. saúde coletiva. 17(10): 2675-2685. 2012.

Tomazzoni MI, Negrelle RRB, Centa ML. Fitoterapia popular: a busca instrumental enquanto prática terapêutica. Texto Contexto Enferm. 15(1):115-121; 2006.

Brasil. Portal da Saúde. Ministério da Saúde, 2014. Disponível em: . Acessado em 27 de abril de 2015.

Brasil. Relação Nacional de Medicamentos Essenciais: RENAME 2014. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. – 9. ed. rev. e atual– Brasília: Ministério da Saúde, 230 p. 2015.

CFF - Conselho Federal de Farmácia. 2011. Disponível em.: . Pharmacia Brasileira 81, 2011. Acessado em 01 de maio de 2015.

Espírito Santo. Secretaria Municipal de Saúde. Programa de Fitoterapia. Disponível em.: . Acesso em: 19 maio 2015.

Negrelle RRB, Tomazzoni MI, Ceccon MF, Valente TP. Estudo etnobotânico junto à Unidade Saúde da Família Nossa Senhora dos Navegantes: subsídios para o estabelecimento de programa de fitoterápicos na Rede Básica de Saúde do Município de Cascavel (Paraná). Rev. Bras. Pl. Med. 2007; 9(3): 6-22.

Curitiba. Secretaria Municipal de Saúde. Programa de fitoterapia 2003. Disponível em: www. plantasmedicinais.org/saúde/arquivo000013.htm. Acesso em: 19 maio 2015.

Yunes RA, Pedrosa RC, Cechinel FV. Fármacos e fitoterápicos: a necessidade do desenvolvimento da indústria de fitoterápicos e fitofármacos no Brasil. Química Nova; 24(1):147-152. 2001.

Rempel C, Strohschoen AAG, Hoerlle JL, Sartori MAB, Busch GC, Périco E, Pozzobon A, Carreno I, Dal Bosco SM, Agostini C, Benini EB. Perfil dos usuários de Unidades Básicas de Saúde do Vale do Taquari: fatores de risco de diabetes e utilização de fitoterápicos. ComScientiae Saúde; 9(1):17-24. 2010.

Vitória: Fitoterapia nas Unidades Básicas de Saúde. Revista Brasileira Saúde da Família. 50-53. 2008.

Dutra MG. Plantas Medicinais, Fitoterápicos e saúde pública: um diagnóstico situacional em Anápolis, Goiás. [dissertação]. Anápolis: UniEvangélica; 2009.

Araújo CRF, Silva AB, Tavares EC, Costa EP, Mariz SR. Perfil e prevalência de uso de plantas medicinais em uma unidade básica de saúde da família em Campina Grande, Paraíba, Brasil. Rev Ciênc Farm Básica. 35(2): 233-238. 2014.

Silva MIG, Gondim APS, Nunes IFS, Sousa FCF. Utilização de fitoterápicos nas unidades básicas de atenção à saúde da família no município de Maracanaú (CE). Brazilian Journal of Pharmacognosy. 16(4): 455-462. 2006.




DOI: https://doi.org/10.21576/rpa.2018v16i1.18

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Fabricia Villefort Borges

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.