DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO JACUÍ , JOÃO MONLEVADE, MG

Carlos Alberto de Paula, Jussara Aparecida de Oliveira Cotta, Jeane de Fátima Cunha Brandão, Huita do Couto Matozo

Resumo


O trabalho teve como objetivo realizar um diagnóstico ambiental da qualidade das águas de um córrego que percorre a zona urbana do município de João Monlevade, MG. Foram selecionados três pontos para realização da amostragem, sendo o primeiro ponto na nascente do bairro Santo Hipólito (P1), e dois no curso d’água que percorre os bairros Campos Elíseos (P2) e Cruzeiro Celeste (P3), ambos recebem lançamento de esgoto. Em cada ponto, foram coletadas seis amostras em campanha única, realizada em 22 de outubro de 2018. Para cada amostra, realizaram-se a determinação do pH, oxigênio dissolvido (OD), demanda bioquímica de oxigênio (DBO), demanda química de oxigênio (DQO), nitrogênio Kjeldahl total (NKT), fósforo total, sólidos sedimentáveis, sólidos totais e turbidez . As médias dos parâmetros foram comparados por meio de Análise de Variância (ANOVA), utilizando-se o teste F e posteriormente o teste Tukey, ao nível de 5% de significância. Os valores dos parâmetros também foram comparados com a legislação vigente. Ao término, verificaram-se os seguintes valores médios para os parâmetros avaliados: OD: P1- 9,07 mg.L-1 , P2- 7,47 mg.L-1 e P3- 6,13 mg.L-1; DBO: P1- 26,67 mg O2.L-1 , P2- 80,0 mg O2.L-1 e P3- 186,67 mg O2.L-1 ; DQO: P1- 27,50 mg O2.L-1, P2- 117,5 mg O2.L-1 e P3- 287,50 mg O2.L-1; NKT: P1- 22,32 mg N.L-1, P2- 197,76 mg N.L-1 e P3- 562,28 mg N.L-1; fósforo total: P1- 0,0161 mg P.L-1, P2- 0,1836 mg P.L-1 e P3- 0,7596 mg P.L-1. Embasados pelos resultados dos parâmetros, notou-se que o curso d’água vem passando por um processo de degradação devido ao assoreamento da nascente e ao grande lançamento de esgoto sanitário, sem tratamento em sua extensão. A maior parte dos parâmetros estão em desacordo com a legislação. Os dados levantados poderão alertar os órgãos públicos quanto aos possíveis problemas e riscos à saúde pública, bem como auxiliar na adoção de medidas para o controle da poluição.


Palavras-chave


Água; Degradação ambiental; Saneamento urbano

Texto completo:

PDF

Referências


ARROIO JUNIOR, P. P. Avaliação da produção e transporte de sedimentos na bacia hidrográfica do Rio Itaqueri, municípios de Itirapina e Brotas - SP. 2013. Dissertação (mestrado em Ciências da Engenharia Ambiental), Universidade de São Paulo, São Carlos, 2013.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 10561 - Águas: Determinação de resíduos sedimentáveis (sólidos sedimentáveis) – Método do cone Imhoff. Rio de Janeiro: ABNT, 1988. Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2020.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 10357 - Águas: Determinação da demanda química de oxigênio (DQO): Métodos do refluxo aberto, refluxo fechado-titulométrico e refluxo fechado - colorimétrico, Rio de Janeiro: ABNT, 1989. Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2020.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 10664 – Águas: Determinação de Resíduos (Soídos) - Método Gravimétrico. Rio de Janeiro: ABNT, 14, 1992. Disponível em:. Acesso em: 26 fev. 2020.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 12614 - Águas: Determinação da demanda bioquímica de oxigênio (DBO): método de incubação (20° C, cinco dias). Rio de Janeiro: ABNT, 1992. Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2020.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 9648 - Estudo de concepção de sistemas de esgoto sanitário. Rio de Janeiro: ABNT, 1986. Disponível em < http://www.ebah.com.br/content/ABAAAgxkoAK/nbr-9648-estudos-concepcao-sistemas-esgoto-sanitario-1>. Acesso em: 26 fev. 2020.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Portaria 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 1981. Disponível em . Acesso em: 26 fev. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria 2914/11. Dispõe sobre os procedimentos de controle e de vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade. Brasília: Ministério da Saúde, 2011. Disponível em . Acesso em: 26 fev. 2020.

BRITO, L. D. L. et al. Influência das atividades antrópicas na qualidade das águas da bacia hidrográfica do rio Salitre. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v.9, n.4, p.596-602, 2005.

CARVALHO, N. O. Hidrossedimentologia prática. Rio de Janeiro: Interciências, 2008.

COMPAHIA DE SANEAMENTO BÁSICO DO ESTADO DE SÃO PAULO (SABESP). Norma Técnica Interna SABESP NTS 008 - Turbidez: Método de Ensaio. São Paulo: SABESP, 1999. Disponível em . Acesso em: 26 fev. 2020.

COPAM/CERH-MG. Deliberação Normativa Conjunta COPAM/CERH-MG nº 01, de 05 de maio de 2008. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências. Belo Horizonte: COPAM/CERH-MG, 2008. Disponível em:. Acesso em: 26 fev. 2020.

COMPANHIA DE TECNOLOGIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL (CETESB). Qualidade das águas doces no Estado de São Paulo: Significado ambiental e sanitário das variáveis de qualidade das águas e dos sedimentos e metodologias analíticas e de amostragem. São Paulo: CETESB, 2016. Disponível em Acesso em: 26 fev. 2020.

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE (CONAMA). Resolução nº 357, de 17 de março de 2005. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências. Brasília: CONAMA, 2005. Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2020.

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE (CONAMA). Resolução n. º 430, de 13 de maio de 2011. Dispõe sobre as condições e padrões de lançamento de efluentes, complementa e altera a Resolução n. º 357, de 17 de março de 2005, do Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA. Brasília: CONAMA, 2011. Disponível em:. Acesso em: 26 fev. 2020.

FIORUCCI, A. R; BENEDETTI FILHO, E. A importância do oxigênio dissolvido em ecossistemas aquáticos. Química Nova na Escola, n.22, p.10-16, 2005.

KIMURA, S. P. R. Determinação química e biológica de carga poluente em lagoa do município de Parintins no Estado do Amazonas. 2014. Tese (Doutorado em Engenharia Química), Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2014.

KINDLER, A. F. Avaliação da citogenotoxicidade das águas do arroio Araçá (Canoas–RS–Brasil) através do sistema Allium cepa. 2016. Dissertação (Mestrado em Avaliação de Impactos Ambientais), UNILASALLE, Canoas, 2016.

LEITE, A. E. D. B. Simulação do lançamento de esgotos domésticos em rios usando um modelo de qualidade d'água, SisBahia. 2004. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública), Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2004.

LOPES, T. R. Caracterização do esgoto sanitário e lodo proveniente de reator anaeróbio e de lagoas de estabilização para avaliação da eficiência na remoção de contaminantes. 2015. Dissertação (Mestrado em Tecnologias Ambientais), Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Medianeira, 2015.

MEYBECK, M.; HELMER, R. An introduction water quality. Cambridge: University Press, 1992.

OLIVEIRA, A. D. S. Tratamento de esgoto pelo sistema de lodos ativados no município de Ribeirão Preto, SP: avaliação da remoção de metais pesados. 2006. Dissertação (Mestrado em Enfermagem em Saúde Pública). Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2006.

PEREIRA, A. A. S. et al. Avaliação da qualidade da água do Ribeirão São João, em Campo Belo Minas Gerais, sob interferência do efluente tratado do abate de bovinos e suínos. Natureza Online, v.13, n.3, p.101-105, 2015.

PEREIRA, S. V. et al. Análise da qualidade da água do rio Arroio Fundo - RJ após a construção de uma estação de tratamento de água de rio. In: ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO EMPRESARIAL E MEIO AMBIENTE, XIX, 2017, São Paulo. Anais eletrônicos do Encontro Internacional sobre Gestão Empresarial e Meio Ambiente. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2017. Disponível em: . Acesso em: 26 fev. 2020.

SIMÕES, I. S. Avaliação do índice de qualidade das águas superficiais do rio Forquilhas. 2017. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Ambiental e Sanitária), Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, 2017.

STATSOFT. Statistica data analysis software system. Version 10. Tulsa, 2011.

TUCCI, C. E.; MENDES, C. A. Ministério do Meio Ambiente. Avaliação ambiental integrada de bacia hidrográfica. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2006.

VON SPERLING, M. Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de esgotos. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014a.

VON SPERLING, M. Estudos e modelagem da qualidade da água de rios. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014b.

SAMUEL, P. R. S. Alternativas sustentáveis de tratamento de esgoto sanitários urbanos, através de sistema descentralizados, para municípios de pequeno porte. 2011. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil), Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.




DOI: https://doi.org/10.21576/pa.2021v19i1.1862

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 CARLOS ALBERTO DE PAULA, JUSSARA APARECIDA DE OLIVEIRA COTTA, JEANE DE FÁTIMA CUNHA JEANE DE FÁTIMA CUNHA BRANDÃO, HUITA DO COUTO MATOZO

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.