DERMATOMIOSITE COMO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DE DEPRESSÃO MAIOR: RELATO DE CASO

Natália Tomich de Paiva Miranda, Luciane de Andrade Rocha, Maíra de Paula Barbosa, Vinícius Schammas Penatti

Resumo


A dermatomiosite (DM) é uma doença que acomete o tecido conjuntivo cuja etiologia é de origem desconhecida, podendo ser subaguda, aguda e crônica. A doença tem início insidioso com evolução lenta, apresentando edema de membros superiores e inferiores seguido de dermatite e acometimento muscular. Os principais sintomas são fraqueza muscular proximal, principalmente do tríceps e quadríceps, ocorrendo de forma simétrica, além de exantemas cutâneas característicos. As principais complicações da DM são perda dos reflexos tendinosos profundos, atrofia muscular, disfonia, disfagia e elevado risco para doença pulmonar intersticial. A principal forma de diagnóstico é através do exame clinico, devendo observar as pápulas de Gottron, as quais são consideradas sinais patognomônicos, também deve-se aplicar critérios diagnósticos específicos, podendo ser complementado por exames laboratoriais e de imagem, os quais se destacam a dosagem de creatinocinase e a eletromiografia. O tratamento é realizado com glicocorticoide, possibilitando bom prognóstico e controle da doença. O caso relatado e análise de publicações levantadas trazem à luz a discussão da importância de se fazer um diagnóstico precoce para definição de uma adequada terapêutica para dermatomiosite, com o intuito de evitar a evolução para complicações, as quais podem se tornar irreversíveis, bem como utilizar o caso clínico para corroborar com as informações disponíveis pela literatura, tanto em termos de diagnóstico como de terapêutica. As informações foram levantadas com base na entrevista com a paciente e sua acompanhante, revisão do prontuário, revisão sistemática de artigos e literaturas específicas, as quais envolveram livros, cartilhas e protocolos específicos para a patologia abordada.

Palavras-chave


Dermatomiosite; Epidemiologia; Miopatias inflamatórias

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério da Saúde. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas Dermatomiosite e Polimiosite. Relatório de Recomendação. Brasília: Ministério da Saúde, 2016.

GIACOMO, C. G. et. al. Atualização em dermatomiosite. Revista Sociedade Brasileira Clínica Médica. São Paulo. Vol. 8, n.5, PP 434-439, set./out. 2010.

IMBODEN. J. B. et. al. Current Reumatologia: Diagnóstico e tratamento. Porto Alegre: AMGH. 2 ed, 2011.

NETO, N. S. R. et. al. Dermatomiosite juvenil: revisão e atualização em patogênese e tratamento. Revista Brasileira de Reumatologia, São Paulo. Vol.50, n.3, PP 299-312, Jun 2010. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0482-50042010000300010&lng=en&nrm=iso > Acesso em: 19 de Jan. 2018.

ORTIGOSA, L. C. M. et. al. Dermatomiosite. Revista de Associação Brasileira de Dermatologia. Rio de Janeiro. Vol. 83, n. 3, PP 247-259, Jun 2008.

PEREIRA, F. C. et al. Dermatopolimiosite juvenil: relato de caso. Rev. Med. Res. 2011; 13 (2) 122-126.

VILAS, A. P. et. al. Um caso de dermatomiosite numa mulher jovem. Revista Medicina Interna. Vol. 6, n.3, PP 164-167, 2009.




DOI: https://doi.org/10.21576/pa.2020v18i3.1863

DOI (PDF): https://doi.org/10.21576/pa.v18i3.1863.g1515

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Natália Tomich de Paiva Miranda, LUCIANE DE ANDRADE ROCHA, MAÍRA DE PAULA BARBOSA, VINÍCIUS SCHAMMASS PENATTI

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.