SOCIEDADE CIVIL E SOCIEDADE POLÍTICA NA FORMAÇÃO STRICTO SENSU DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA: CORRELAÇÕES DE FORÇAS

Dayse Kelly Barreiros de Oliveira, Fabiana Margarita Gomes Lagar

Resumo


O artigo busca compreender, com base no pensamento de Antonio Gramsci, a relação e as contradições existentes entre sociedade civil e sociedade política no que se refere ao entendimento da pós-graduação stricto sensu como possibilidade de formação continuada de professores da educação básica. Para tanto, foram realizadas pesquisa bibliográfica, para a exploração de conceitos gramscianos que auxiliem na compreensão do objeto, e entrevistas semiestruturadas com representantes de entidades/instituições ligadas à formação de professores e à pós-graduação. Desse modo, observa-se que há conflitos entre os dois polos da superestrutura, pois os mecanismos que representam a sociedade política entendem que a formação continuada no nível stricto sensu precisa caminhar na direção pragmatista e num formato flexível, a distância. Por outro lado, as entidades da sociedade civil, representativas da formação, entendem que tal formação precisa ser estruturada como política, com condições concretas, rigor teórico, científico e metodológico, independente do formato, o que garante a práxis. Tais manifestações permitem concluir que não há unidade entre sociedade civil e sociedade política quanto à formação docente na educação básica, o que provoca políticas públicas fragmentadas e descontínuas.

Palavras-chave


Pós-graduação stricto sensu; formação continuada de professores; concepção ampliada de Estado.

Texto completo:

PDF

Referências


BARREIROS OLIVEIRA, Dayse Kelly. A formação stricto sensu como formação continuada na educação básica: contexto, pressupostos e possibilidades. 2019. 254f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, UnB, Brasília, 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Portaria normativa nº 17, de 28 de dezembro de 2009. Dispõe sobre o mestrado profissional no âmbito da Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES. Diário Oficial da União, Ministério da Educação, n. 248, Seção 1, p. 20. Disponível em: Acesso em: 22 de janeiro de 2020.

_____. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Brasília, 2014.

COUTINHO, Carlos Nelson. Gramsci, um estudo sobre seu pensamento político. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

CURADO SILVA, Kátia Augusta Curado Pinheiro Cordeiro. Epistemologia da práxis na formação de professores: perspectiva crítico-emancipadora. Revista de Ciências Humanas. V.18, n.2, 2017. Disponível em: < http://revistas.fw.uri.br/index.php/revistadech/article/view/2468 > Acesso em 19 jan. 2020.

DORE, Rosemary. Gramsci e o debate sobre a escola pública no Brasil. Cadernos CEDES, Campinas, v.26, n. 70, p. 329 –352, set./dez. 2006. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/ccedes/v26n70/a04v2670.pdf> Acesso em 20 jan 2020.

FRIGOTTO, Galdêncio. A produtividade da escola improdutiva. São Paulo: Cortez, 1986.

______. Educação e a crise do capitalismo real. São Paulo: Cortez, 2010.

GRAMSCI, Antônio. Cadernos do Cárcere. 2. ed. Rio de janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

MAGRONE, Eduardo. Gramsci e a educação: a renovação de uma agenda esquecida. Cadernos CEDES, Campinas, v.26, n. 70, p. 353-372, set./dez. 2006. Disponível em: . Acesso em 20 jan.2020.

MARX, Karl. Manuscritos Econômico-Filosóficos e outros textos escolhidos, Coleção Os Pensadores. In: GIANNOTTI, José Arthur. Editora Abril Cultural, 1978.

MAESTRI, Mário; CANDREVA, Luigi. Antonio Gramsci: vida e obra de um comunista revolucionário. 2. ed. ver. e ampl. São Paulo: 2007.

MONASTA, Attilio. Antonio Gramsci. Tradução: Paolo Nosella. – Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana, 2010. 154 p.: il. – (Coleção Educadores), p. 11-45.

PORTELLI, Hugues. Gramci e o bloco histórico. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

SAUL, Alexandre; VOLTAS, Fernanda. Paulo Freire e Antonio Gramsci: aportes para pensar a formação de professores como contexto de construção de práxis docentes contra-hegemônicas. Revista Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v. 25, n. 2, p. 134-151, Maio./Ago. 2017. Disponível em: https://online.unisc.br/seer/index.php/reflex/article/view/8961 . Acesso em 20 jan. 2020.

SEMERARO, Giovanni. O marxismo de Gramsci. 2000. Disponível em: https://www.acessa.com/gramsci/?page=visualizar&id=289. Acesso em 20 jan. 2020.

SIMIONATTO, Ivete. O social e o político no pensamento de Gramsci, 1997. Disponível em: https://www.acessa.com/gramsci/?id=294&page=visualizar. Acesso em 28 jan 2020.

______. Gramsci: sua teoria, incidência no Brasil, influência no serviço social. 2. ed. Florianópolis: Ed. da UFSC; São Paulo: Cortez, 1999.

SUCUPIRA, Newton. Antecedentes e primórdio da pós-graduação. Fórum educ. Rio de janeiro, 4 (4): 3-18, out./dez. 1980. Disponível em: . Acesso em: 10 jan.2020.

VÁZQUEZ, A. S. Filosofia da práxis. 1. ed. São Paulo: Expressão Popular, Brasil, 2007.




DOI: https://doi.org/10.21576/pa.2020v18i3.1864

DOI (PDF): https://doi.org/10.21576/pa.v18i3.1864.g1508

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Dayse Kelly Barreiros de Oliveira, Fabiana Margarita Gomes Lagar

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.