A EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL: UMA ANÁLISE DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA FRENTE AO ENSINO FINLANDÊS

Cristina Nunes Rocha, Kátia Elaine Santos Avelar

Resumo


O presente estudo tem por objetivo contribuir para uma melhoria da educação básica, por meio de um estudo sobre os indicadores da Educação Brasileira e suas políticas, comparadas ao ensino da Finlândia, que tem a educação como um dos principais agentes para o desenvolvimento local. O método de ensino Finlandês é destaque em todo o mundo, por conta dos seus resultados acadêmicos excelentes no exame do PISA (Programa Internacional de Avaliação de Alunos), sendo considerado um país inovador em metodologias ativas de ensino. O estudo aborda também, as exigências da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) no âmbito educacional frente à realidade da Educação Brasileira, cujo desempenho tem sido medido pelo IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica). Para atingir tal propósito, será utilizada uma metodologia descritiva, de caráter exploratório. Partiu-se de uma revisão literária embasada em pesquisas e indicadores publicados, além de publicações de autores do âmbito da educação. Observou-se na de revisão literária que o Brasil realizou inúmeras reformas educacionais ao longo do tempo, propondo melhorias, todavia sem muito sucesso na prática. As consequências vêm sendo refletidas nos exames que visam medir a qualidade da educação de modo interno e externo. O Brasil possui muitas escolas, porém algumas delas estão em situação precária. Para alcançar o êxito no âmbito educacional é preciso repensar as políticas para a educação que vem sendo adotadas pelo país.

Palavras-chave


Finlândia, Educação básica, Decreto n. 13.005/2014.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAHÃO, Jorge et al. Financiamento e gasto público da educação básica no Brasil e comparações com alguns países da OCDE e América Latina. Educação & Sociedade, 2005.

AMARAL, Roberto. O constitucionalismo da Era Vargas. Id/496895, 2004.

ARANTES, Hannderson; SEABRA, Rodrigo. TME: Aplicativo M-Learning para o Estudo de Conceitos Matemáticos com Ênfase no ENEM. In: Brazilian Symposium on Computers in Education (Simpósio Brasileiro de Informática na Educação-SBIE). 2016. p. 1.

BARBOSA, Andreza. Salários docentes, financiamento e qualidade da educação no Brasil. Educação & Realidade, v. 39, n. 2, p. 511-532, 2014.

BASTOS, REMO MOREIRA BRITO. O surpreendente êxito do sistema educacional finlandês em um cenário global de educação mercantilizada. Revista Brasileira de Educação, v. 22, n. 70, p. 802-825, 2017.

BITTAR, Marisa; BITTAR, Mariluce. História da Educação no Brasil: a escola pública no processo de democratização da sociedade. Acta Scientiarum. Education, v. 34, n. 2, p. 157-168, 2012.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é educação. São Paulo: Editora Brasiliense, coleção primeiros passos, 2007.

BRASIL. Decreto n. 9393, de 19 de dezembro de 1996. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 20 de dezembro de 1996.

_______. Ministério da Educação. Decreto n. 13.005, de 25 de junho de 2014. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 25 de junho de 2014.

_______. Congresso Nacional. Medida Provisória 126992. Disponível em: Acesso em: 24 nov. de 2019.

_______. Ministério da Educação. Portal do MEC. REUNI. Disponível em: . Acesso em: 21 nov. de 2019.

_______. Ministério da Educação. Portal do MEC. PISA. Disponível em: . Acesso em: 18 jan. de 2020.

_______. Ministério da Fazenda. OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico). Disponível em: . Acesso em: 22 nov. 2019.

_______. Ministério da Educação. PNE. Plano Nacional de Educação. Disponível em: . Acesso em: 21 nov. 2019.

BRITTO, Tatiana F. O que é que a Finlândia tem? Notas sobre um sistema educacional de alto desempenho. Textos para Discussão, n. 129, 2013.

BRITTO, Tatiana Feitosa de. O que distingue o sistema educacional de alto desempenho da Finlândia? 2015.

CANALI, Heloisa Helena Barbosa. A trajetória da educação profissional no Brasil e os desafios da construção de um ensino médio integrado à educação profissional. In: V Simpósio Sobre Trabalho e Educação, Belém, Pará, 2009.

CARNOY, Martin et al. A educação brasileira está melhorando? Evidências do Pisa e do Saeb. Cadernos de Pesquisa, v. 45, n. 157, p. 450-485, 2015.

CASTRO, M.H.G. Entrevista: Maria Helena Guimarães: “Há um tédio generalizado entre os alunos do ensino médio”. Texto de Beatriz Morrone e edição de Flávia Yuri Oshima. Época, 10 ago. 2016. Disponível em: . Acesso em: 14 nov. 2019.

COWEN, Robert; KAZAMIAS, Andreas; ULTERHALTER, Elaine. Educação comparada: panorama internacional e perspectivas. Brasília, DF: Unesco: Capes, 2012.

CUNHA, Raquel. Alunos Brasileiros não chegam ao fim da prova em avaliação mundial. Folha de São Paulo, São Paulo, 18 de jun. 2018. Disponível em: . Acesso em: 22 nov. 2019.

DAROS JR, Armando. A presença da OCDE no Brasil no contexto da avaliação Educacional. Jornal de Políticas Educacionais, v. 7, n. 13, 2013.

DIAS, Lucimar Rosa. Quantos passos já foram dados? A questão de raça nas leis educacionais: da LDB de 1961 à Lei 10.639. Revista Espaço Acadêmico, v. 38, p. 1-16, 2004.

FERNANDES, Reynaldo. Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) : Metas intermediárias para a sua trajetória no Brasil, Estados e Municípios e Escolas. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), s.d. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2020.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. São Paulo: Editora Paz e Terra, nº 1405, 1967.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1¹ ed. [recurso eletrônico] 2014.

GARCEZ, Edna Sheron da Costa et al. O Lúdico em Ensino de Química: um estudo do estado da arte. 2014.

GATTI, Bernardete A. Formação de professores: condições e problemas atuais. Revista Internacional de Formação de Professores, v. 1, n. 2, p. 161-171, 2016.

GIOLO, Jaime. Educação a distância: tensões entre o público e o privado. Educação & Sociedade, v. 31, n. 113, p. 1271-1298, 2010.

GONÇALVES, Nadia G. Doutrina de Segurança Nacional e Desenvolvimento na ditadura civil-militar: estratégias e a educação. XXVI Simpósio Nacional de História, p. 1-17, 2011.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Disponível em: . Acesso em: 21 nov. 2019.

_____. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2020.

_____. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2020.

_____. (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira). Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2020.

JUNIOR, Roberto Catelli. Políticas de certificação por meio de exames nacionais para a Educação de Jovens e Adultos: um estudo comparado entre Brasil, Chile e México. 2016. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.

LOUZANO, Paula et al. Quem quer ser professor? Atratividade, seleção e formação do docente no Brasil. Estudos em Avaliação Educacional, v. 21, n. 47, p. 543-568, 2010.

MARQUES, Maria da Conceição da Costa. Aplicação dos princípios da governança corporativa ao sector público. Revista de Administração Contemporânea, v. 11, n. 2, p. 11-26, 2007.

MENDES, Alessandra Dias; AZEVÊDO, Paulo Henrique. Políticas públicas de esporte e lazer & políticas públicas educacionais: promoção da educação física dentro e fora da escola ou dois pesos e duas medidas? Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 32, n. 1, 2010.

MESQUIDA, Peri. Catequizadores de índios, educadores de colonos, Soldados de Cristo: formação de professores e ação pedagógica dos jesuítas no Brasil, de 1549 a 1759, à luz do Ratio Studiorum. Educar em Revista, n. 48, p. 235-249, 2013.

LIMA, Telma Cristiane Sasso de; MIOTO, Regina Célia Tamaso. Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: a pesquisa bibliográfica. Revista Katálysis, v. 10, n. SPE, p. 37-45, 2007.

MEDEIROS, Marcelo; BARBOSA, Rogério, J.; CARVALHAES, Flavio. Educação, desigualdade e redução da pobreza no Brasil. Texto para Discussão, 2447, Rio de Janeiro: IPEA, 2019.

MORAES, Carmen Sylvia Vidigal. O ensino médio e as comparações internacionais: Brasil, Inglaterra e Finlândia. Educação & Sociedade, v. 38, n. 139, p. 405-429, 2017.

OCDE. Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Relatório Econômico OCDE: Brasil 2018. Disponível em: Acesso em: 19 de jan. 2020.

______. Education at a Glance 2015: OECD Indicators, OECD Publishing, Paris, Disponível em: . Acesso em: 22 nov. 2019.

OLIVEIRA JÚNIOR, Manoel Carlos de; MINORI, Américo Matsuo; FROTA, Marcelo Souza. Recursos destinados à educação e resultados alcançados no Ideb de uma capital brasileira. Cadernos EBAPE. BR, v. 17, n. 3, p. 523-538, 2019.

SAVIANI, Dermeval. Escola e democracia. Rio de Janeiro: Editora Autores Associados, 2018.

SOARES, José Francisco; CANDIAN, Juliana Frizzoni. O efeito da escola básica brasileira: as evidências do PISA e do SAEB. Revista Contemporânea de Educação, v. 2, n. 4, p. 163-181, 2007.

VELOSO, José Rodrigo Paprotzki; RODRIGUES, Marta M. Assumpção. Sistemas internacionais de aprendizagem profissional: uma análise comparativa em alguns países desenvolvidos e emergentes. Boletim Técnico do Senac, v. 42, n. 1, p. 6-29, jan.-abr. 2016.

YOUNG, Michael F. D. Por que o conhecimento é importante para as escolas do século XXI? Cadernos de Pesquisa, v. 46, n. 159, p. 18-37, 2016.




DOI: https://doi.org/10.21576/pa.2020v18i3.1879

DOI (PDF): https://doi.org/10.21576/pa.v18i3.1879.g1511

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Cristina Nunes Rocha

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.