DESASTRE EM MINERAÇÃO: EXPRESSÃO DA SOCIEDADE DE RISCO?

Tânia Maria Silveira

Resumo


Os desastres tecnológicos em mineração são cada vez mais recorrentes, com maior intensidade e abrangência. Alguns autores consideram que riscos, ameaças, desastres e catástrofes são consequências dos avanços tecnocientíficos próprios da sociedade atual pós-industrial. Destas constatações, decorrem o interesse por verificar se desastre tecnológico em mineração é uma expressão da Sociedade de Risco. O objetivo do estudo aqui apresentado foi verificar a pertinência da teoria de Aurich Beck (2011) enquanto arcabouço teórico para compreender os aspectos político-econômico e institucional do  rompimento de barrangens de rejeitos de mineração tendo por refernência empírica o desastre de Mariana (MG). Embora os desastres sejam um fenômeno antigo, desastre em mineração é um tema recente na pesquisa em ciências sociais. Por esse motivo, atualmente existe uma busca por abordagens teóricas que sirvam ao aprimoramento da compreensão desse fenômeno social. Este artigo é uma revisão de literatura para análise de estudo empírico na qual, além da obra de referência, foram utilizados artigos científicos disponíveis em sites especializados, notícias de jornais, relatórios e outros documentos institucionais encontrados na internet.


Texto completo:

PDF

Referências


ALCANTARA, Paulo Augusto Franco de; SAMPAIO, Romulo Silveira da Rocha. O rompimento da Barragem de Fundão: um desastre “tecnológico”. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rce/article/download/65891/63578. Conjuntura Econômica 2016 p.52-53. Acesso em: 22Julho2019.

BECK, Ulrich. Sociedade de Risco: Rumo a uma outra modernidade. 2. Ed. São Paulo: 34, 2011.

BECK, Ulrich. Incertezas Fabricadas. Entrevista publicada em 22 de maio de 2006. Disponível em: http://www.ihuonline.unisinos.br/media/pdf/IHUOnlineEdicao181.pdf Acesso em 27 Dezembro 2019.

BECK, Ulrich, A reinvenção da política: rumo a uma teoria da modernização reflexiva. in. BECK, Ulrich, GIDDENS Anthony, LASH, Scott. Modernização Reflexiva: Política, Tradição e Estética na Ordem Social Moderna. 1ª edição. Portugal: Celta Editora. 2000.

BUSSINGER, Elda Coelho de Azevedo; SILVA, Marta Zorzal. Tensões e conflitos sociais no sistema de reparação e compensação do desastre da barragem de rejeitos de minério da Samarco S/A. Disponível em: file:///C:/Users/TANIA/Downloads/25239-72321-1-PB%20(1).pdf. Acesso em 15Julho2019.

FUNDAÇÃO RENOVA. Manejo de Rejeito. Disponível em: https://www.fundacaorenova.org/manejo-de-rejeito/ Acesso em 07Dezembro2018.

ICMBIO. Nota Técnica nº 23/2017 TAMAR-Vitória-ES/ICMBio. Disponível em http://www.icmbio.gov.br/portal/publicacoes?id=7862:documentos-rio-doce Acesso em 26Junho2019.

GUIVANT, Julia Silva. O legado de Ulrich Beck. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-753X2016000100013&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Acesso em 11Outubro2019.

HARVEY, David.(1993). A condição pós Moderna .São Paulo: Loyola.

LOPES, Raphaela de Araujo Lima (Justiça Global). Caso do desastre socioambiental da Samarco: Os desafios para a responsabilização de empresas por violações de direitos humanos. Milanez, 2016.

LOSEKANN, Cristiana; MILANEZ, Bruno (org). Desastre no Vale do Rio Doce: Antecedentes, impactos e ações sobre a destruição. Rio de Janeiro. Folio Digital. Letra e Imagem, 2016.

MARCHEZINI, Victor. As ciências sociais nos desastres: um campo de pesquisa em construção. BIB, São Paulo, n. 83, 1/2017 (publicada em fevereiro de 2018), pp. 43-72. Disponível em: https://anpocs.com/index.php/bib-pt/bib-83/11095-as-ciencias-sociais-nos-desastres-um-campo-de-pesquisa-em-construcao/file. Acesso em 22Novembro2019.

MATTEDI, Marcos. Dilemas e perspectivas da abordagem sociológica dos desastres naturais. Tempo Social, revista de sociologia da USP, v. 29, n. 3. 2017. DOI: 10.11606/0103-2070. ts.2017.111685. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/ts/v29n3/1809-4554-ts-29-03-0261.pdf. Acesso em 05Dezembro2019.

MILANEZ, B. et al. Desastres ambientais e barragens de mineração – O que não se aprendeu com a tragédia no Rio Doce. Le Monde Diplomatique, Edição 116, 08Agosto2017. Disponível em: https://diplomatique.org.br/%E2%80%A8o-que-nao-se-aprendeu-com-a-tragedia-no-rio-doce. Acesso em 20Dembro2018.

MPF. Ministério Público questiona acordo entre União, Estados de MG e ES, Samarco, Vale e BHB Billiton. Site Oficial da Procuradoria da República no Espírito Santo, 02 de março de 2016. Disponível em: http://www.mpf.mp.br/es/sala-de-imprensa/noticias-es/nota-a-imprensa-2013-ministerio-publico-questiona-acordo-entre-uniao-estados-de-mg-e-es-samarco-vale-e-bhb-billiton Acesso em: 04 junho 2018.

MPF. Grandes Casos – o desastre. Disponível em: http://www.mpf.mp.br/grandes-casos/caso-rio-doce/o-desastre. Acesso em 04 junho 2018. Acesso em 20Dembro2018.

MOTTA, Renata. Risco e modernidade uma nova teoria social?. Rev. bras. Ci. Soc., São Paulo , v. 29, n. 86, p. 15-27, Oct. 2014 .

NAÇÕES UNIDAS BRASIL. Estudo de caso de Defesa Civil do Brasil, em parceria com o PNUD, será apresentado durante conferência da ONU em Sendai. Disponível em: https://nacoesunidas.org/estudo-de-caso-de-defesa-civil-do-brasil-em-parceria-com-o-pnud-sera-apresentado-durante-conferencia-da-onu-em-sendai/ Acesso em 26Novembro2019.

ONU. Marco de Sendai para a Redução do Risco de Desastres 2015- 2030. Disponível em: http://www.ceped.pr.gov.br/arquivos/File/Publicacoes/MarcodeSendaiPortugues.pdf. Acesso em 27Novembro2018.

O TEMPO. Minas já sofreu com outros rompimentos de barragens. Disponível em: https://www.otempo.com.br/cidades/minas-j%C3%A1-sofreu-com-outros-rompimentos-de-barragens-1.1159501 Acesso em 07Julho2019.

PINHEIRO, Tarcísio Márcio Magalhães. Et. Al (org). Mar de lama da Samarco na bacia do rio Doce: em busca de respostas. Belo Horizonte: Instituto Guaicuy; 2019. Disponível em: https://site.medicina.ufmg.br/osat/wp-content/uploads/sites/72/2019/03/Mar-de-Lama-da-Samarco-na-Bacia-do-Rio-Doce-Em-Busca-de-Respostas-26-03-2019.pdf?fbclid=IwAR3b19aeJH55HszlDoTDiG5Tq1zEr1J4mges8CLHx6s0NV2F5Cd57RUq8GA Acesso em 07Julho2019.

QUARANTELLI Enrico Louis. Uma agenda de pesquisa do século 21 em ciências sociais para os desastres: questões teóricas, metodológicas e empíricas, e suas implementações no campo profissional. O Social em Questão - Ano XVIII - nº 33 – 2015, p. 25-56. Disponível em: http://osocialemquestao.ser.puc-rio.br/media/OSQ_33_0_Quarantelli.pdf Acesso em 03Dezembro2019.

RAMBOLL. Avaliação do programa de reparação integral da Bacia do Rio Doce. 2018. Disponível em http://www.mpf.mp.br/para-o-cidadao/caso-mariana Acesso em 06Julho2019.

RESO-Soluções ambientais. Mineração e seus diversos tipos de resíduos. Disponível em: http://resoambiental.com/2015/02/mineracao-e-seus-diversos-tipos-de-residuos/. Acesso em 17Março2019.

SORIANO, Érico e VALENCIO, Norma. Riscos e incertezas e desastres associados a barragens: os riscos e incertezas associados à Itaipu Binacional. In. VALENCIO, Norma; SIENA, Mariana; MARCHEZINI, Victor e COSTA, Juliano Gonçalves (org.). Sociologia dos desastres construção, interfaces e perspectivas no Brasil. Volume II. São Carlos: RiMa Editora, 2009. ISBN – 978-85-7656-165-1 (PDF). Disponível em: Disponível em: http://www.crpsp.org.br/portal/comunicacao/diversos/mini_cd_oficinas/pdfs/Livro-Sociologia-Dos-Desastres.pdf Acesso em 03Janeiro2019.

VALENCIO, Norma; SIENA, Mariana; MARCHEZINI, Victor e COSTA, Juliano Gonçalves (org.). Sociologia dos desastres construção, interfaces e perspectivas no Brasil. Volume II. São Carlos: RiMa Editora, 2009. ISBN – 978-85-7656-165-1 (PDF). Disponível em: http://www.crpsp.org.br/portal/comunicacao/diversos/mini_cd_oficinas/pdfs/Livro-Sociologia-Dos-Desastres.pdf. Acesso em 03Janeiro2019.

WANDERLEY, Luiz Jardim. Por trás dos desastres e conflitos da mineração. Publicada em 26Junho2019. Disponiviel em: http://cienciahoje.org.br/artigo/por-tras-dos-desastres-e-conflitos-da-mineracao/ Acesso em 03Jan2019




DOI: https://doi.org/10.21576/pa.2020v18i2.1900

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Tânia Maria Silveira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.