ABORTO DECORRENTE DE HIDROPSIA FETAL EM PRIMIGESTA: RELATO DE CASO

Laíssa Gava Altoé, Eliza Moreira de Mattos Tinoco

Resumo


Hidropsia fetal é um sinal patológico obstétrico raro que acomete cerca de 1/4.000 partos, cuja etiologia pode ser decorrente de mais de 100 tipos de doenças. Trata-se de um distúrbio hídrico que cursa com o acometimento de dois ou mais tecidos moles ou cavidades serosas do feto Em geral o diagnóstico se dá por meio da ultrassonografia pélvica de rotina. O prognóstico dessa patologia é bastante lôbrego, já que boa parte das crianças são natimortas ou desfrutam de poucas horas de vida após o nascimento. Contudo, embora raro, é possível observar sobreviventes sem anormalidades; mas para isso é necessário um diagnóstico precoce - visando o conhecimento da etiologia –, que determinará o tratamento e condutas adequadas. O presente estudo visa relatar um caso de hidropsia fetal, provavelmente decorrente de causa não imune, que evoluiu em aborto espontâneo na 19ª semana de gestação.  O caso relatado traz à luz a discussão da etiologia, diagnósticos e condutas acerca da hidropsia fetal, patologia que embora tenha recebido atenções pré-natais significativas, não têm demostrado boas mudanças de paradigma.

Palavras-chave


Aborto; Condutas; Diagnóstico; Distúrbio hídrico, Hidropsia Fetal.

Texto completo:

PDF

Referências


AFONSO, A. et. al. Hidropsia Fetal e Colestase Neonatal: Caso Clínico. Nascer e Crescer – Revista do Hospital de Crianças Maria Pia, Porto, Portugal, v.19, n. 3, 2010.

BARREIRA, A. R. M. A. Hidropsia Fetal Imune. 2011. 38 f. Dissertação (Mestrado em Medicina) – Universidade do Porto, Portugal, 2011.

CÁLIX, M. J. et. al. Hidropsia Fetal Patologia do Passado, Presente e... Futuro? Estudo Retrospectivo. Nascer e Crescer – Revista do Hospital de Crianças Maria Pia, Porto, Portugal, v. 18, n. 4, 2009.

FRITSCHI, A. et. al. Hidropsia Fetal Não Imune: experiência de duas décadas num hospital universitário. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, Rio de Janeiro, v. 34, n. 7, 2012.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Ed Atlas, 2010.

HIDROPSIA Fetal Não Imune. USB – Clínica de Ultrassonofrafia – Ipanema e USB - Clínica de Ultrassonofrafia – Icaraí, Rio de Janeiro, p. 85-88, 2013.

MONTENEGRO, C. A. B.; PRITSIVELIS, C.; RESENDE FILHO, J. Hidropsia Fetal Não Imune. Revista FEMINA, Rio de Janeiro, v. 42, n. 6, 2014.

REZENDE, J. G; MARGOTTO, P. HIDROPSIA FETAL. Disponível em: www.paulomargotto.com.br/documentos/HIDROPSIA%20FETAL.doc. Acesso em: 09 de jan. 2019.

SILVA, T. M. et. al. Diagnóstico ultrassonográfico de Hidropsia Fetal Intrauterino – Relato de Caso. Revista de Educação Continuada em Medicina Veterinária e Zootecnia do CRMV- SP, São Paulo, v. 10, n. 1, p. 26-31, 2012.

SPEER, M. E. Postnatal care of hydrops fetalis. UpToDate, Basow DS (Ed): UpToDate, Whaltaman - Massachusetts. 2009.

ZUGAIB, M. Obstetrícia. Barueri: Ed Manole, 3ª ed, 2016.




DOI: https://doi.org/10.21576/pa.2021v19i1.1907

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Laíssa Gava Gava Altoé

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.