SÍNDROME DE BURNOUT: AVALIAÇÃO DE FATORES OCUPACIONAIS EM TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL DO SUDOESTE BAIANO

Vanessa Dias da Silva, Sirley Santos Rocha de Matos, Ezequiel Brito Prado, Suéli Luz Silva, Hudson Costa dos Santos, Milena De Jesus Viana, Rodrigo Leite Rangel, Lucas Brito dos Santos, Renato Novaes Chaves

Resumo


O objetivo da pesquisa foi identificar os fatores ocupacionais que podem desenvolver a Síndrome de Burnout em Técnicos de Enfermagem de um hospital do Sudoeste Baiano. Trata-se de uma pesquisa quantitativa, descritiva, levantamento de campo e corte transversal, realizada na cidade de Vitória da Conquista – Ba, em uma Unidade Hospitalar de médio porte, tendo como participantes os técnicos de enfermagem em efetivo exercício de suas atividades selecionados por critérios de elegibilidade. Para coleta de dados, foi utilizado um questionário para descrever o perfil sociodemográfico dos participantes e o Maslach Burnout Inventory (MBI) ara avaliar a exaustão emocional, despersonalização e realização profissional. Para a análise e interpretações dos dados pretende-se usar o programa estatístico Statistical Package For Social Science (SPSS), versão 20.0. Os resultados demonstraram a prevalência do sexo feminino (63,6%), com idade entre 20 e 40 anos (72,7%), solteira, divorciada, separada ou viúva (54,5%), com renda de um a três salários mínimos (50%) e corresidentes com mais quatro ou acima de quatro pessoas (63,6%). Sobre as condições de saúde, o estado geral foi considerado razoável (40,9%). Quanto as condições de trabalho, 50% trabalham 40 horas semanais, 40,9% trabalham como técnico de enfermagem entre 6 a 10 anos, 45,5% trabalha entre 6 a 10 anos no hospital, 63,6% nunca recebeu capacitação sobre saúde mental e 31,8% afirmam que estão muito satisfeitos com relação ao trabalho. E em relação a classificação da síndrome de Burnout, 50% dos entrevistados tem a possibilidade de desenvolver a doença, 36,4% estão na fase inicial, 4,5% dos participantes já apresenta o Burnout instalado e 9,1% não apresenta nenhum índice de Burnout. Ao término deste estudo, verificou-se que grande parte dos participantes do estudo tem a possibilidade de desenvolver a SB, o que pode apresentar um impacto negativo em sua vida.


Palavras-chave


Estresse Ocupacional; Profissionais de Enfermagem; Síndrome de Burnout.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, M. R.; SANTOS, J.; VASCONCELOS, T. C. Burnout em Técnicos de Enfermagem em Centro de Especialidades Médicas. Temas em Saúde. v. 1, n. 1, p. 111- 131, 2019. Disponível em: http://temasemsaude.com/wp-content/uploads/2019/03/fippsi06.pdf. Acesso 22/11/2019

BATISTA, J. B. V. et al. Síndrome de Burnout: Confronto entre o Conhecimento Médico e a Realidade das Fichas Médicas. Psicologia em Estudo. v. 16, n. 3, p. 429-435, 2011 Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pe/v16n3/v16n3a10.pdf Acesso em 15/12/2018

CARLOTTO, M. S. Prevenção Da síndrome de Burnout em Professores: um relato de experiência. Psicologia da Saúde. v. 22, v. 1, p. 31-39, 2014. Disponível em: https://scholar.google.com.br/scholar?lookup=0&q=Prevenção+Da+síndrome+de+Bu rnout+em+Professores:+um+relato+de+experiência.&hl=pt- BR&as_sdt=0,5&as_vis=1#d=gs_qabs&p=&u=%23p%3DteDEmz9WufMJ. Acesso em 15/12/2018.

CHAVES, R. N. SÍNDROME DE BURNOUT COMO AMEAÇA A SAÚDE DO PROFESSOR: identificação dos fatores de risco em docentes de uma Escola Primária Municipal de Vitória da Conquista – BA. Revista Eletrônica da Fainor. v. 6, n. 1, p. 160-171, 2013. Disponível em: http://docplayer.com.br/11762528-Renato-novaes-chaves.html. Acessado 05/12/2019.

DOMINGUES, J. G. Prevalência de Doenças Crônicas não Transmissíveis em Profissionais de Enfermagem Hospitalar no Sul do Brasil. 83 f. Dissertação (mestrado) – Universidade Católica de Pelotas, Mestrado Profissional em Saúde da Mulher, Criança e adolescente. 2017. Disponível em: http://pos.ucpel.edu.br/mpsmca/wp-content/uploads/sites/2/2018/03/Disserta%C3%A7%C3%A3o-Jaqueline-Domingues.pdf. Acessado em 22/11/2019

GARCIA, A. B., et. al. Estratégias utilizadas por técnicos de enfermagem para enfrentar o sofrimento ocupacional em pronto socorro. Rev. Rene. v. 17, n. 2, 2016. Disponível: http://periodicos.ufc.br/rene/article/view/3019. Acesso 15/12/2018.

JODAS, D. A.; HADDAD, M.C. L. Síndrome de Burnout em Trabalhadores de Enfermagem de um Pronto Socorro de Hospital Universitário. Acta Paul Enferm. v. 22, n. 2, p. 192-7, 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ape/v22n2/a12v22n2.pdf. Acessado em 22/11/2019.

JUNQUEIRA, M. A. B. et al. Uso de Álcool e Comportamento de Saúde Entre Profissionais da Enfermagem. Rev Esc Enferm USP. v. 1, n. 1, p. 1-8, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v51/0080-6234-reeusp-S1980-220X2016046103265.pdf Acessado 22/11/2019

LIMA, A. S. Prevalência e fatores associados a síndrome de Burnout nos profissionais da saúde da Atenção Primária de Juiz de Fora. Dissertação de Mestrado da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Juiz de Fora. 2016. Disponível em: https://repositorio.ufjf.br/jspui/handle/ufjf/5695. Acesso 15/12/2018.

LIMA, J. S. et al. Precarização do Trabalho da Enfermagem: uma reflexão do cenário atual. Theme: Good practices of nursing representations. In the construction of society, 2017. Disponível em: https://eventos.set.edu.br/index.php/cie/article/view/5633/2414 Acesso 15/12/2018.

MACHADO, M.H. et al. Características gerais da enfermagem: o perfil sócio

demográfico. Revista Enfermagem em foco.v. 1, n. 6, p.11-17, 2015a. Disponível em: http://revista.cofen.gov.br/index.php/enfermagem/article/view/686/296. Acesso em: 15/12/2019.

MACHADO, M. H. et al. Condições de Trabalho da Enfermagem. Enferm. Foco. v. 6, n. 4, p. 79-90, 2015b. Disponível em: http://biblioteca.cofen.gov.br/wp-content/uploads/2016/07/Condi%C3%A7%C3%B5es-de-trabalho-da-enfermagem.pdf. Acessado em 22/11/2019

MASLACH, C. Entendendo o Burnout. orgsStress e qualidade de vida no trabalho. São Paulo: Atlas, 2005.

MENEGOL, A. A síndrome de burnout como doença ocupacional e a concessão do benefício (b91) pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Revista Jus Navigandi. 2017. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/59240/a-sindrome-de-burnout-como-doenca-ocupacional-e-a-concessao-do-beneficio-b91-pelo-instituto-nacional-do-seguro-social-inss. Acesso em: 15/12/2019.

MERCEDES, M.C. et al. Síndrome de Burnout em enfermeiras da atenção básica à saúde: uma revisão integrativa. Rev Epidemiol Control Infect. v. 5, n. 2, p. 100-104, 2015. Disponível em: https://pdfs.semanticscholar.org/af07/ee9a47b23f97fc59a02b6d1ad71b01f48a52.pdf. Acesso em 15/12/18

MORAES FILHO, I. M.; ALMEIDA, R.J. Estresse Ocupacional No Trabalho Em Enfermagem No Brasil: Uma Revisão Integrativa. Rev Bras Promoç Saúde. v. 29, n. 3, p. 447-454, 2016. Disponível em: http://periodicos.unifor.br/RBPS/article/view/4645. Acesso em 15/12/2018.

MUNDSTOCK, E. et al. Introdução à análise estatística utilizando o SPSS 13.0. Porto Alegre, 2006.

OLIVEIRA, A. P. T.; LOPES, I. L. P, FRAZÃO, F. L. Estresse e sua relação com o cortisol: uma abordagem fisiopatológica nos profissionais de enfermagem. Trabalho de Conclusão de Curso, Faculdade de Ciências da Saúde de Barbacena–FASAB curso de graduação em enfermagem, 2014. Disponível em:

https://www.unipac.br/site/bb/tcc/tcc-eb12dafe6617e6340e122bdd2bf98593.pdf

RENNER, J. S. et al. Qualidade de Vida e Satisfação no Trabalho: A Percepção dos Técnicos de Enfermagem que Atuam em Ambiente Hospitalar. Rev Min Enferm. v. 18, n. 2, p. 447-453, 2014 Disponível em: http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/938. Acessado em 22/11/2019.

SILVEIRA, M. As repercussões do trabalho noturno para os trabalhadores de enfermagem de unidades de cuidados intensivos. Dissertação de

Mestrado, Universidade Federal de Santa Maria. 2014. Disponível em: https://www.google.com/url?sa=t&source=web&rct=j&url=http://coral.ufsm.br/ppg enf/images/Mestrado/Dissertacoes/2014_2015/Dissertacao_Marlusse_da_Silveira.pd f&ved=2ahUKEwjrzobC- qTfAhVHQpAKHVgWAwwQFjAAegQIBRAB&usg=AOvVaw15drvOuDwwTdo62tkHA LRl. Acesso 16/12/18.

SARTORETO, I. S.; KURCGANT, P. Satisfação e Insatisfação no trabalho do Enfermeiro. Brasileira de Ciências da Saúde. v. 21, n. 2, p. 181-188, 2017. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/rbcs/article/view/23408/17232. Acesso16/12/18.

SOUSA, C. V.; CABRAL, J. M. S.; BATISTA, N. K. A Síndrome de Burnout e o Trabalho de Técnicos de Enfermagem em um Hospital Privado. Revista Alcance. v. 26, n. 1, p. 61-76, 2018. Disponível em: https://siaiap32.univali.br/seer/index.php/ra/article/view/13370/pdf. Acessado em 22/11/2019.

SOUZA, A. M. J. et al. SÍNDROME DE BURNOUT: Fatores de risco em enfermeiros de unidades de terapia intensiva. Revista Eletrônica da FAINOR. v. 11, n. 2, p. 304-315, 2018. Disponível em: http://srv02.fainor.com.br/revista/index.php/memorias/article/view/750. Acessado 22/11/2019.

SOUZA, L. L. et al. Representações de gênero na prática de enfermagem na perspectiva de estudantes Publicado online em 01/07/2014 Disponível em: http://www.cienciasecognicao.org/revista/index.php/cec/article/view/908/pdf_13 Acessado em 22/11/2019

VASCONCELOS, E. M.; MARTINO, M. M. F.; FRANÇA, S. P. S. Burnout e sintomatologia depressiva em enfermeiros de terapia intensiva: análise de relação. Rev. Bras. Enferm. v. 71, n. 1, 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-71672018000100135&script=sci_arttext&tlng=pt Acesso em 19/12/2019

VIEIRA, I. Conceitos de burnout: questões atuais da pesquisa e a contribuição da clínica. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional. v. 35, n. 1, p. 122-127, 2010. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=100515726009. Acesso 15/12/2018




DOI: https://doi.org/10.21576/pa.2021v19i1.1925

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Vanessa Dias da Silva, Sirley Santos Rocha de Matos, Renato Novaes Chaves

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.