INTELIGÊNCIA PRODUTIVA: CONSTRUÇÃO DE UMA ESCALA PSICOMÉTRICA

Luciana Fighera Marzall, Vânia Medianeira Flores Costa, Carla Binsfeld

Resumo


O cenário da pesquisa retrata a interligação da inteligência humana com a performance no trabalho, tendo como foco a prospecção e análise dos fatores que impactam no desempenho de excelência (DAHLGAARD; DALGAARD, 2007). A este conjunto de fatores que afetam o desempenho no trabalho gerou-se um conceito denominado de Inteligência Produtiva. Com base neste conceito surgiu a seguinte problemática: É possível medir a Inteligência Produtiva de um indivíduo? Para responder ao problema formulou-se como objetivo do estudo “Construir uma escala psicométrica de Inteligência Produtiva. A pesquisa é de natureza exploratório-descritiva, caráter qualitativo. Para tal processo adotou-se a metodologia de construção de instrumentos psicométricos proposta por Pasquali (1999). Como resultado obteve-se um instrumento que mede a inteligência Produtiva em trabalhadores.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRIOLA, W. B. Inteligência, aprendizagem e rendimento escolar segundo a Teoria Triárquica da Inteligencia (TTI). Revista Educação em Debate, v. 20, n. 35, 2017.

BASTOS, A. V. B.; AGUIAR, C. V. N. Comprometimento Organizacional.

PUENTE-PALACIOS, K.; PEIXOTO, A. L. A, organizadores. Ferramentas de

Diagnóstico para Organizações e Trabalho: Um Olhar a partir da Psicologia.

Artmed Editora, 2015.

BEATON, D. E.; BOMBARDIER, C.; GUILLEMIN, F.; FERRAZ, M. B. Guidelines

for theprocess of cross-cultural adaptation of self-report measures. Spine, v. 25,n. 24, p. 3186- 3191, 2000.

BORSA, J. C. Adaptação e validação transcultural do questionário de

comportamentos agressivos e reativos entre pares (Q-CARP). 2012. 164 p. Tesede Doutorado em Psicologia. Universidade Federal do Rio Grande do Sul,Porto Alegre, 2012.

BRANDÃO, H. P.; ANDRADE, J. E. B. Estratégias de Aprendizagem no

Trabalho. PUENTE-PALACIOS, K.; PEIXOTO, A. L. A, organizadores.

Ferramentas de Diagnóstico para Organizações e Trabalho: Um Olhar a

partir da Psicologia. Artmed Editora, 2015.

BUENO, J.,M.,H.; PRIMI, R. Inteligência emocional: um estudo de validade sobrea capacidade de perceber emoções. Psicologia: reflexão e crítica, v. 16, n. 2,p. 279-291, 2003.

COSTA, L. Sucesso na Carreira. SIQUEIRA, M. M. M. Novas medidas do

comportamento organizacional: ferramentas de diagnóstico e de gestão.

Artmed Editora, 2014.

COOPER, D. R.; SCHINDLER, P. S. Métodos de pesquisa em administração.

Porto Alegre: AMGH, 2016.

CRONBACH, L. Fundamentos da testagem psicológica. Porto Alegre: Artes

Médicas. 1996.

DA SILVA, J. A. Inteligência humana: abordagens biológicas e cognitivas.

Lovise, 2003.

DAHLGAARD-PARK, S. M ; DAHLGAARD, J. J. Excellence–25 years

evolution. Journal of Management History, v. 13, n. 4, p. 371-393, 2007.

ERTHAL, T. C. Manual de psicometria. 7. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar,

FARIA, L. Inteligência humana: abordagens biológicas e cognitivas. Paidéia,

vol.13, n.25. p. 119-121, 2003.

FERREIRA, M. C.; MENDES, A.M.B. Contexto no Trabalho. SIQUEIRA, M. M.

M. Novas medidas do comportamento organizacional: ferramentas de

diagnóstico e de gestão. Artmed Editora, 2014.

FERREIRA, M. C.; ASSMAR, E. M. L. Cultura Organizacional. SIQUEIRA, M. M.M. Novas medidas do comportamento organizacional: ferramentas de

diagnóstico e de gestão. Artmed Editora, 2014.

GARDNER, H. Frames of Mind: The Theory of Multiple Intelligences, Basic

Books, 1983a.

______. Multiple Intelligences: The Theory in Practice, Basic Books, 1983b.

______. Intelligence Reframed: Multiple Intelligences for the 21st Century,

Basic Books, 1999.

GOLEMAN, D. Emotional intelligence. New York: Bantam Books, 1995.

______. Inteligência emocional: a teoria revolucionária que define o que é

ser inteligente. 2.ed. Rio de Janeiro: Objetiva, 2012.

GOTTFREDSON, L. Mainstream Science on Intelligence. Wall Street Journal,

p. 18. Dec. 13, 1994.

______. Mainstream science on intelligence: An editorial with 52 signatories,

history, and bibliography.Journal of Intelligence, v.24, 01, 1997.

GUILLEMIN, F.; BOMBARDIER, C.; BEATON, D. Cross-cultural adaptation of

health-related quality of life measures: literature review and proposed guidelines.

Journal of clinical epidemiology, v. 46, n. 12, p. 1417-1432, 1993.

HAIR, J. F.; BLACK, W. C.; BABIN, B. J.; ANDERSON, R. E.; TATHAM, R. L.

Análise Multivariada de Dados. 6. ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.

LUGER, G. F. Inteligência Artificial. Estruturas e Estratégias para a Solução

de Problemas Complexos. 4ª ed. Porto Alegre: Bookman. p. 23, 2004.

MARTINS, G. A.; THEÓPHILO, C. R. Metodologia de investigação científica

para ciências sociais aplicadas. São Paulo: Atlas, 2009.

MAYER, John D. et al. Emotional development and emotional intelligence:

Implications for educators. What is emotional intelligence, v. 5, 1997

McCARTHY, J. Epistemological problems of artificial intelligence. In IJCAI, 1038-1044, 1977.

______. Generality in artificial intelligence. In Lifschitz, V., ed., Formalizing

Common Sense. Ablex. 226-236, 1990.

MELO, E. A. A. SIQUEIRA, M. M. M. Novas medidas do comportamento

organizacional: ferramentas de diagnóstico e de gestão. Artmed Editora,

MOURÃO, L.; PUENTES-PALACIOS, K.; PORTO, J. B.; MONTEIRO, A. C.

Percepção de Desenvolvimento Profissional .PUENTE-PALACIOS, K.;

PEIXOTO, A. L. A, organizadores. Ferramentas de Diagnóstico para

Organizações e Trabalho: Um Olhar a partir da Psicologia. Artmed Editora,

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento. Pesquisa qualitativa em

saúde. São Paulo: HUCITEC, 2007.

PASQUALI, L. Instrumentos Psicológicos: Manual Prático de Elaboração.

Brasília: LabPAM/ IBAPP, 1999.

______.Técnicas de exames Psicológicos –TEP. Fundamentos das Técnicas de Exame Psicológico. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2001.

______. Fundamentos da Teoria da Resposta ao Item - TRI. Avaliação

Psicológica.v.2, n. 2, p. 99-110, 2003.

PÉREZ, E.; MEDRANO, L. A. Teorías contemporáneas de la inteligencia: Una

revisión crítica de la literatura. PSIENCIA: Revista Latinoamericana de CienciaPsicológica, v. 5, n. 2, p. 6, 2013.

PORTO, J. B.; TAMAYO, A. Valores do Trabalho. SIQUEIRA, M. M. M. Novas

medidas do comportamento organizacional: ferramentas de diagnóstico e

de gestão. Artmed Editora, 2014.

PRIMI, R.; MUNIZ, M.; NUNES, C. H. S. S. Definições contemporâneas de

validade de testes psicológicos. Em C. S. Hutz (Org.), Avanços e polêmicas em avaliação psicológica (pp. 243-265). São Paulo: Casa do Psicólogo, 2009.

PUENTES-PALACIOS, K.; SILVA, R. D.; BORBA, A. C. P. Potência de Equipes no Trabalho. PUENTE-PALACIOS, K.; PEIXOTO, A. L. A, organizadores.

Ferramentas de Diagnóstico para Organizações e Trabalho: Um Olhar a

partir da Psicologia. Artmed Editora, 2015.

QUEIROGA, F.; ANDRADE, J. E. B.; JUNIOR, F. A. C. Desempenho no

Trabalho: Escala de Avaliação Geral por meio de Autopercepções. PUENTEPALACIOS,K.; PEIXOTO, A. L. A, organizadores. Ferramentas de Diagnóstico para Organizações e Trabalho: Um Olhar a partir da Psicologia. Artmed Editora, 2015.

QUEIROGA, F.; ANDRADE, J. E. B. Motivação para Trabalhar. PUENTEPALACIOS, K.; PEIXOTO, A. L. A, organizadores. Ferramentas de Diagnóstico para Organizações e Trabalho: Um Olhar a partir da Psicologia. Artmed Editora, 2015.

SALOVEY, P.; MAYER, J. D. Emotional intelligence. Imagination, Cognition

and Personality, 9, 185-211, 1990.

SAMPIERI, R. H. et al. Metodologia de pesquisa, 2006.

SIQUEIRA, M. M. M. Satisfação no Trabalho. SIQUEIRA, M. M. M. Novas

medidas do comportamento organizacional: ferramentas de diagnóstico e

de gestão. Artmed Editora, 2014.

SIQUEIRA, M. M. M; MARTINS, M. C. F.; ORENGO, V.; SOUZA, W.S.

Engajamento no Trabalho. SIQUEIRA, M. M. M. Novas medidas do

comportamento organizacional: ferramentas de diagnóstico e de gestão.

Artmed Editora, 2014.

SODRÉ, M. C. As teorias de Gardner e de Sternberg na Educação de

Superdotados. Revista Educação Especial, v. 27, n. 50, 2014.

______. Educação de Superdotados: Teoria e Prática. São Paulo: EPU,

SPEARMAN, C. The nature of “intelligence” and the principles of

cognition. Londres: MacMillan, 1927.

STERNBERG, Robert J. Intelligence, information processing, and analogical

reasoning: The componential analysis of human abilities. Lawrence

Erlbaum, 1977a.

STERNBERG, Robert J. Component processes in analogical

reasoning. Psychological Review, v. 84, n. 4, p. 353, 1977b.

STERNBERG, Robert J. As capacidades intelectuais humanas: uma abordagem em processamento de informações. Tradução de Dayse Batista. Porto Alegre:Artes Médicas, 1992.

TOZZI, R. C.; GONÇALVES, G. L.; HUTZ, C. S. O processo de construção de escalas psicométricas. Avaliação Psicológica, v. 13, n. 2, 2014.

WALLIMAN, N. Métodos de pesquisa. Revisão técnica de Patricia Viveiros

de Castro Krakauer; tradução de Arlete Simille Marques. São Paulo: Saraiva, 2015.




DOI: https://doi.org/10.21576/pa.2021v19i2.1973

DOI (PDF): https://doi.org/10.21576/pa.v19i2.1973.g1989

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Luciana Fighera Marzall, Vânia Medianeira Flores Costa, Carla Binsfeld

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.