IMPORTÂNCIA DA CRIAÇÃO DE UMA COLEÇÃO MINERALÓGICA E PETROGRÁFICA PARA USO DIDÁTICO

Júlia Cássia da Silva Kunsch, Katrine Setfânia Couto, Helbert Rezende de Oliveira Silveira

Resumo


As especificidades das coleções mineralógicas – petrográficas, compostas por minerais e rochas que apresentam uma variedade de formas, tamanhos e cores, promovem maneiras próprias de exposição que chamam a atenção, logo de mediação com o público. É indiscutível, nos dias de hoje, a importância dos museus de ciência naturais no que diz respeito à educação e a popularização da ciência para os cidadãos. Tal fato pode ser evidenciado, entre outros exemplos, por meio das políticas internacionais e nacionais que colocam cada vez mais ênfase nos museus enquanto espaços educativos, tanto por meio de financiamentos quanto na perspectiva de incorporá-los em projetos de educação nacional. Assim, este estudo objetivou evidenciar a importância e o papel das coleções mineralógicas – petrográficas na formação superior e apresentar a criação inicial de um acervo em instituições de ensino. Para a criação do acervo foram realizadas pesquisas exploratórias na região, direcionadas para a aquisição e verificação de materiais de ocorrência local. A coleção consta também com amostras oriundas de doações de alunos, professores, da comunidade e de outras universidades. Na formação do acervo inicial conseguiu-se levantar, ao todo, mais de 600 amostras, sendo 24 tipos de minerais, com 8 variações entre as classes minerais, e 22 tipos petrográficos diferentes, incluindo as três classes existentes: ígneas ou magmáticas, metamórficas e sedimentares. Este acervo se mostra um material didático que, além de proporcionar uma oportunidade única para discentes terem acesso a materiais físicos no entendimento da geologia, podem desperta maior interesse nos conteúdos geológicos.


Palavras-chave


Coleção Geológica; Mineralogia; Petrologia

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, L. M. 2000. Importância de uma coleção mineralógica – petrográfica – paleontológica e o acervo do laboratório de geociências e geologia da uefs. Sitientibus, Feira de Santana, n.23, p.9-18.

DANA, J. D. & HURLBUT, C. S. 1976. Manual de mineralogia. Rio de

Janeiro: Livros técnicos e científicos, 578p.

DIAS, F. S. 2009. Estudo do Aqüífero Carbonático da Cidade de Barroso (MG): uma Contribuição à Gestão do Manancial Subterrâneo. Belo Horizonte, MG. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Geologia, Universidade Federal de Minas Gerais, 84p.

FERREIRA, G. L. 2014. A interatividade nos museus de ciências: O processo de criação de um artefato museal. Uberlândia, MG. Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Uberlândia, 163p.

FOUCAULT, M. 1999. As palavras e as coisas: uma arqueologia das

ciências humanas. São Paulo: Martins Fontes. 8ª ed., 2ª tiragem, 541p.

GONÇALVES, L. B. 2010. Sistema inteligente de classificação de imagens de rochas macroscópicas para a indústria de petróleo e gás. Niterói, RJ. Tese de Doutorado. Universidade Federal Fluminense.

HEIN, H. 1990. The exploratorium: the museum as laboratory. Washington, D.C.: Smithsonian Institution Press, 256p.

LEINZ, V. 1994. A geologia e a paleontologia no Brasil. In: AZEVEDO, F

(ed.) As ciências no Brasil, São Paulo: Melhoramentos, 2ª ed. 464 p.

LOPES, M. M. 2009. O Brasil descobre a pesquisa científica: os museus e as ciências naturais no século XIX. São Paulo: Hucitec, 2ª ed, 369p.

MARANDINO, M. 2013. Museus de ciências como espaços de educação. In: FIGUEREDO, B. G.; VIDAL, D. G. Museus: dos gabinetes de curiosidades à museologia moderna. Belo Horizonte: Fino Traço, 2ª ed. p. 165-176.

MARANDINO, M. 2009. Museus de Ciências, Coleções e Educação: relações necessárias. MUSEOLOGIA E PATRIMÔNIO - v.2 n.2.

MARANDINO, M. 2001. O conhecimento biológico nas exposições de museus de ciências: análise do processo de construção do discurso expositivo. 2001. Tese de Doutorado em Educação. Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 435 p.

MENDES, M. V. A.; CANANÉIA, H. L. M.; NEIVA, I. B.; MACHADO, L. A.; CORREA, L. A. 2018. Flotação de silicatos. HOLOS, Ano 34, Vol. 03, p. 46-56.

MOTOKI, A.; SICHEL, S. 2006. Avaliação de aspectos texturais e estruturais de corpos vulcânicos e subvulcânicos e sua relação com o ambiente de cristalização, com base em exemplos do Brasil, Argentina e Chile. REM: Revista Escola de Minas, Ouro Preto, 59(1) p. 13-23.

NAVARRO, G. R. B.; ZANARDO A. 2018. TABELAS PARA DETERMINAÇÃO DE MINERAIS. Rio Claro, Museu Heinz Ebert, 220 p.

OPPENHEIMER, F. 1968. A rationale for a science museum. Curator: The Museum Journal, v. 11, n. 3, p. 206-209.

PIRSSON, L. V.; KNOPF, A. 1935. Rocks and Rock Minerals: A Manual of the Elements of Petrology without the Use of the Microscope. Second edition, New York, 504 p.

RIBEIRO, A.; ÁVILA, C. A.; VALENÇA, J, G.; PACIULLO, F. V. P. 2002. Carta Geológica – Folha SF.23- X-C-II – São João Del-Rei – Escala 1:100.000 com texto explicativo. Projeto Sul de Minas – Etapa I. Belo Horizonte, COMIG.

SENA, Í. S. DE; ANDRADE, J. M. DE; ROCHA, L. C.; FIGUEIREDO, M. DO A. 2012. Singularidades Geológicas e Históricas como Atrativo Geoturístico da Gruta Casa da Pedra, Município de São João Del-Rei, MG. Anuário do Instituto de Geociências - UFRJ, Vol. 35 - 1 / p.190-198.

SPERLING, E.; VELOSO, A. A. P. 1997. José Bonifácio: político de alma

e geocientista de coração. A Terra em revista, n. 3, p. 92 – 95.

VAN PRAET, M.; POUCET, B. 1992. Les musées, lieux de contre-éducation et de partenariat avec l’école. Education & Pédagogies: revue du Centre International d’Études Pédagogiques, Sèvres, n. 16, p. 21-29.




DOI: https://doi.org/10.21576/pa.2021v19i2.1984

DOI (PDF): https://doi.org/10.21576/pa.v19i2.1984.g1994

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 JÚLIA CÁSSIA DA SILVA KUNSCH, KATRINE STEFÂNIA COUTO, Helbert Rezende de Oliveira Silveira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.