ACESSIBILIDADE E RESOLUTIVIDADE DOS SERVIÇOS DE SAÚDE: PERSPECTIVAS DE USUÁRIOS E PROFISSIONAIS.

Tatiana Vasques Camelo dos Santos, Cláudia Maria de Mattos Penna

Resumo


Estudo de caso qualitativo fundamentado na Sociologia Compreensiva do Cotidiano, realizado em 3 unidades de ESF e no UPA no município de Manhuaçu – MG, com o objetivo de compreender, na percepção de usuários e profissionais, a resolutividade das ações desenvolvidas no âmbito dos serviços de saúde. Para tanto, foram realizadas entrevistas com 20 profissionais e 17 usuários. Os dados foram submetidos à análise de conteúdo. As questões de baixa resolutividade estão ligadas à acessibilidade organizacional. Já na percepção dos usuários, o serviço resolutivo é o produto do encontro entre as demandas por ele sentidas, a oferta de serviços e o tempo gasto para que sua necessidade seja atendida. Porém, se a demanda apresentada pelo usuário não encontrar a oferta adequada de serviços (tecnologias, pacote de serviços demorados ou inoportunos), as ações não o serão.


Palavras-chave


Acessibilidade; Resolutividade; Necessidades e Demanda de Serviços de Saúde; Atenção Primária à Saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


ROSA RB, PELEGRINI AHW, LIMA MADS. Resolutividade da assistência e satisfação de usuários da Estratégia Saúde da Família. Rev Gaúcha Enferm., Porto Alegre (RS) jun;32(2):345-51, 2011.

TURRINI RNT et al. Resolutividade dos serviços de saúde por inquérito domiciliar: percepção do usuário. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 24(3):663-674, mar, 2008

PENNA, C. M. M.; et all. Equity and resolution: of theory to construction in daily of health professionals. Online Brazilian Journal of Nursing (Embedded image moved to file: pic26962.gif), v. 6, p.1091/283, 2007.

PINHEIRO, S. P. et al. Gênero, morbidade, acesso e utilização de serviço de saúde no Brasil. Ciência e Saúde Coletiva, v. 7, n. 4, p. 689-707, 2002.

GIGLIO-JACQUEMOT, A. Urgências e Emergências em saúde: perspectivas de profissionais e usuários. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2005.

MAFFESOLI, M. O conhecimento comum: introdução à sociologia compreensiva. Porto Alegre: Sulina, 2007.

FONTANELLA, B.J.B; RICAS,J.; TURATO, E.R. Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Caderno de Saúde Pública: 24(1):17-27, jan. 2008.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70 LTDA, março de 2010.

CUNHA, G T. A construção da clínica ampliada na atenção básica. 3ª Ed. São Paulo: Hucitec; 2010.

VIEGAS, S.M.F; PENNA, C.M.M. O Sus É Universal Mas Vivemos De Cotas. Revista Ciência e Saúde Coletiva; 2011: [online] [acesso 2012 Jul 10]. Disponível em: http://www.cienciaesaudecoletiva.com.br/artigos/artigo_int.php?id_artigo=10220

OLIVEIRA, L.H; MATTOS, R.A; SOUZA, A.I.S. Cidadãos peregrinos: os “usuários” do SUS e os significados de sua demanda a pronto-socorros e hospitais no contexto de um processo de reorientação de um modelo assistencial. Ciência e Saúde Coletiva, 14 (5): 1929-1938, 2009.

GOUVEIA, G. C. Avaliação da satisfação dos usuários com o sistema de saúde brasileiro / Recife: 2009. 189 f.: il. Tese (Doutorado em Saúde Pública) - Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães, Fundação Oswaldo Cruz.

VAITSMAN, J; ANDRADE, G.R.B. de. Satisfação e responsividade: formas de medir a qualidade e a humanização da assistência à saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 10(3): 599-613, 2005.

COSTA, E.M.A; CARBONE, M.H. Saúde da Família: uma abordagem interdisciplinar. Rio de Janeiro: Rubio, 2004.

DONABEDIAN, A. The seven pillars of quality. Arch Patrol Lab Med. 114:1115-8, 1990.

GAIOSO, V.P.; MISHIMA, S.M.. USER SATISFACTION FROM THE PERSPECTIVE OF ACCEPTABILITY IN THE FAMILY HEALTH SCENARIO. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, 2007 Out-Dez; 16(4): 617-25.




DOI: https://doi.org/10.21576/rpa.2015v12i1.213

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Tatiana Vasques Camelo dos Santos, Cláudia Maria de Mattos Penna

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.