CAPITALISMO VERDE E JUSTIÇA DISTRIBUTIVA NO DESCARTE DE RESÍDUOS ELETROELETRÔNICOS

Diego Henrique Damasceno Coêlho, Camila Braga Correa, Flavio Ribeiro, Andreia Almeida Mendes, Humberto Vinício Altino Filho

Resumo


O presente artigo tem por escopo examinar, em ótica interdisciplinar, o capitalismo verde como mecanismo de gestão no descarte de resíduos eletroeletrônicos, perfazendo uma análise crítica quanto às práticas anticapitalistas e não consumistas como métodos redutores da poluição por obsolescência programada, bem como as legislações brasileiras e os esforços de organizações internacionais voltados para a redução de impactos ecológicos poluidores, ligados à produção industrial, o consumo e má gestão do lixo, face a interesses políticos, econômicos e sociais, no intuito de promover uma abordagem contextualizada em sede da metodologia investigativa empregada, que compreende a revisão qualitativa bibliográfica, através de um viés crítico e comparativo, examinando também informações quantitativas nas produções mais recentes, num diálogo entre árvores científicas, tendo como pano de fundo a justiça distributiva na teoria da justiça como equidade, de John Rawls (1997) e revisitada por Ronald Dworkin (2006), como uma equidade social, aplicada à promoção do direito à cidade, proposta por Henry Lefebvre (2001).

 


Texto completo:

PDF

Referências


ACSELRAD, H. (org.). Conflitos ambientais no Brasil. Rio de Janeiro: Relu-me Dumará; Fundação Heinrich Böll, 2004.

ARAGÃO, M. A. de S. O direito dos resíduos. Coimbra: Almedina, 2003.

ARAÚJO, N. de. Direito internacional privado: teoria e prática brasileira. 5 ed. atualizada e ampliada. Rio de Janeiro: Renovar, 2011.

ASSEMBLEIA GERAL DAS NAÇÕES UNIDAS. Resolução 44/228. Nova York: Assembleia Geral, 1985. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2019.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRO DE NORMAS TÉCNICAS. Norma Técnica da ABNT ISSO/TS 14.071:2018. Rio de Janeiro: ABNT, 2018. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2019.

BALDÉ, C.P., FORTI V., GRAY, V., KUEHR, R., STEGMANN,P. The Global E-waste Monitor – 2017.United Nations University (UNU), International Telecommunication Union (ITU) & International Solid Waste Association (ISWA), Bonn/Geneva/Vienna: 2017. Disponível em: . Acesso em: 05 set. 2019

BAUDRILLARD, J. A sociedade de consumo. Lisboa: Edições 70, 2003.

BAUMAN, Z. Vida para consumo: a transformação das pessoas em mercadoria. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

BRASIL. Constituição de 1988. Constituição da República Federativa do Brasil. 53. ed. Brasília: Câmara dos Deputados: Edições Câmara, 2018.

_______. Lei nº 9.433, de 08 de janeiro de 1997 - Lei de Política de Recursos Hídricos. Brasília: Diário Oficial da União – DOU, de 09 jan. 1997. Disponível em: . Acesso em: 21 set. 2019.

_______. Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999. Brasília: Diário Oficial da União – DOU, de 28 abr. 1999. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2019.

_______. Lei nº 10.257, de 10 de julho de 2001. Brasília: Diário Oficial da União – DOU, de 17 jul. 2001. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/leis_2001/l10257.htm> Acesso em: 20 ago. 2019.

_______. Lei 12.305, de 02 de agosto de 2010 - Lei da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Brasília: Diário Oficial da União – DOU, de 03 ago. 2010. Disponível em: . Acesso em: 21 set. 2019.

_______. Lei nº 12.651, de 12 de maio de 2012 - Código Florestal. Brasília: Diário Oficial da União, de 25 maio 2012. Disponível em: . Acesso em: 21 set. 2019.

BECK, U. Sociedade de Risco: rumo a uma outra modernidade. 2 ed. São Paulo: Editora 34, 2011.

BENJAMIN, A. H. V. Responsabilidade civil pelo dano ambiental. Revista de Direito Ambiental. n 9, jan-mar, 1998.

BENJAMIN, A. H. V.; MARQUES, C. L.; BESSA, L. R. Manual de Direito do Consumidor. 8 ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2017. 560 p.

COMISSÃO MUNDIAL SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO. Nosso futuro comum. 2 ed. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 1992.

CONCEIÇÃO, M. M.; CONCEIÇÃO, J. T. P.; ARAUJO, P. S. L. de A. Obsolescência programada – tecnologia a serviço do capital. In: INOVAE – Journal of Engineering and Technology Innovation. São Paulo. v. 2, n. 1, 2014, jan.-abr., p. 90-105.

COSTA, J. F. O vestígio e a aura: corpo e consumismo na moral do espetáculo. Rio de Janeiro: Garamond, 2004.

DWORKIN, R. Justice in Robes. Cambridge: Harvard University Press, 2006

ELKINGTON, J. Canibais com Garfo e Faca. São Paulo: Makron Books, 2001.

FLORES, M. P.; ARAUJO, L. E. B. de, TYBUSCH, J. S. Sustentabilidade, Globalização Econômica e a Ascensão do Capitalismo Verde. Revista Eletrônica do Curso de Direito – UFSM, v. 8, 2013. Disponível em: Acesso em 24 set. 2019.

FROMM, E. Ter ou ser. Tradução: Nathanael C. Caixeiro. 4 ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos - LTC, 2008

HOBBES, T. Leviatã ou matéria forma e poder de um Estado eclesiástico e civil. Tradução João Paulo Monteiro e Maria Nizza da Silva. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

HOCK, W. Deutscher Antikapitalismus. Der ideologische Kampf gegen die freie Wirtschaft im Zeichen der großen Krise. Frankfurt am Main: Fritz Knapp Verlag, 1960.

JOSSERAND, L. Evolução da responsabilidade civil. Trad. Raul Lima. Revista Forense, n 86, p. 548-559.

LATOUCHE, S. O pequeno tratado do decrescimento sereno. Lisboa: Edições 70, 2012.

LATOUR, B. Políticas da natureza: como fazer ciência na democracia. Tradução de Carlos Aurélio Mota de Souza. Bauru, SP: Edusc, 2004.

LEFEBVRE, H. O Direito à cidade. Tradução de Rubens Eduardo Frias, São Paulo: Centauro, 2001. Disponível em: Acesso em 25 set. 2019.

LÉNA, P.; NASCIMENTO, E. P. do. Enfrentando os limites do crescimento: sustentabilidade, decrescimento e prosperidade. Rio de Janeiro: Garamond, 2012.

LOCKE, J. Coleção Os Pensadores John Locke. São Paulo: Abril Cultual, 1973.

LUTZENBERGER, J.A. Crítica ecológica do pensamento econômico. Porto Alegre: L&PM, 2012.

MADEIRA FILHO, W.; SIMON, A. Tecnologia e conflito socioambientais: o difícil percurso para a consolidação de uma epistemologia ambiental. Em: CARLI, Ana Alice de; SANTOS, Fabiana Soares dos; SEIXAS, Marcus Wagner de. A tecnologia em prol do meio ambiente: a partir de uma análise multidisciplinar. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2016, p. 215-228.

MARX, K.; ENGELS, F. Manifesto of the Communist Party. Disponível em: https://www.marxists.org/archive/marx/works/download/pdf/Manifesto.pdf. Acesso em: 20 jul. 2018.

MILARÉ, É. Direito do Ambiente: a gestão ambiental em foco. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011.

NAÇÕES UNIDAS DO BRASIL. A ONU e o Meio Ambiente. Disponível em Acesso em 25 set. 2018.

NALINI, J. R. Ética Ambiental. Campinas: Millennium Editora, 2010.

NASCIMENTO, I. P. As representações sociais do projeto de vida dos adolescentes: um estudo psicossocial. 380 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Educação, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2002.

NOZICK, R. Anarchy, state and utopia. New York: Basic Books, 1974.

ONU – ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Avaliação Ecossistêmica do Milênio. New York: ONU, 2005. Disponível em: . Acesso em: 20 ago. 2019.

PARLAMENTO EUROPEU. CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Diretiva 2012/19/UE Do Parlamento Europeu e do Conselho, de 4 de julho de 2012 relativa aos resíduos de equipamentos elétricos e eletrônicos (REEE). Estrasburgo: Jornal Oficial da União Europeia, de 24 jul. 2012. p. 38 – 71. Disponível em: . Acesso em: 05 set. 2019.

Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente – PNUMA. Caminhos para o Desenvolvimento Sustentável e a Erradicação da Pobreza – Síntese para Tomadores de Decisão. Brasília: PNUMA, 2011. Disponível em Acesso em 25 ago. 2019.

PEREIRA, C. M. da S. Responsabilidade civil. 9 ed. Rio de Janeiro: Forense, 1999.

PEREIRA, C. M. da S. Direito civil: alguns aspectos da sua evolução: Rio de Janeiro: Forense, 2001.

POLAKOVIC, G. O homem consome e a Terra não consegue repor. O Estado de S. Paulo. Geral/Ambiente, São Paulo. 30 jun. 2002.

PERLINGEIRO, R. Eficácia da jurisdição externa. Niterói: Eduff, 2014.

RAWLS, J. Uma teoria da Justiça. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

RETONDAR, A. M. Sociedade de Consumo, Modernidade e Globalização. São Paulo: Annablume; Campina Grande: EDUFCG, 2007.

SACHS, I. Caminhos para o Desenvolvimento Sustentável. 2 ed. Rio de Janeiro: Garamond, 2002.




DOI: https://doi.org/10.21576/pa.2021v19i3.2374

DOI (PDF): https://doi.org/10.21576/pa.v19i3.2374.g2092

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Diego Henrique Damasceno Coêlho, Camila Braga Correa, Flavio Ribeiro, Andreia Almeida Mendes, Humberto Vinívio Altino Filho

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.