A RELAÇÃO ENTRE A GOVERNANÇA CORPORATIVA E A VALORIZAÇÃO E A DESVALORIZAÇÃO DAS AÇÕES

Camila Teresa Martucheli, Antonio Artur de Souza, Gustavo Silva, Leticia Paulino Oliveira

Resumo


Este trabalho faz uma análise da relação entre a governança corporativa e a variação do preço das ações das 10 empresas que mais valorizaram e das 10 empresas que mais desvalorizaram no ano-base de 2018. Por meio do grau de qualidade composto por quatro dimensões e 16 assertivas de respostas binárias, mensurou-se a governança corporativa, com a criação de um índice de governança corporativa (IGC). A análise dos dados foi realizada por meio da análise das médias do IGC e das variáveis complementares das empresas que mais valorizaram e que mais desvalorizaram. Após a análise, pôde-se concluir que as 10 empresas que mais valorizaram apresentaram a média do IGC menor do que as 10 empresas que mais desvalorizaram, o que foi confirmado pelo Teste-t para igualdade de médias, cujo resultado foi negativo e significante. Ao contrário do que apregoa boa parte da fundamentação teórica apresentada, o resultado empírico mostrou que as empresas que mais valorizaram apresentaram menor índice de governança, o que sugere que melhores práticas de governança podem não levar à valorização das ações.


Palavras-chave


Governança Corporativa, Desempenho Financeiro, Novos Mercados

Texto completo:

PDF

Referências


Barth, M. E., Konchitchki, Y., & Landsman, W. R. (2013). Cost of capital and earnings transparency. Journal of Accounting and Economics, 55(2-3), 206-224. Doi: 10.1016/j.jacceco.2013.01.004

Borges, W. G., da Silva, E. C., Rech, I. J., & Carvalho, L. F. (2016). Efeito da divulgação de informações contábeis sobre o desempenho das ações de empresas que migraram para o nível de governança corporativa novo mercado. Revista Eletrônica de Administração e Turismo-ReAT, 8(4), 870-889.

Colombo, J. A., & Galli, O. C. (2010). Governança corporativa no Brasil Níveis de governança e rendimentos anormais. Revista de Gestão dos Países de Língua Portuguesa, 9(4), 26-37.

Cooper, D. R., & Schindler, P. S. (2016). Métodos de Pesquisa em Administração-12ª Edição. McGraw Hill Brasil.

Da Silva, A. L. C., & Leal, R. P. C. (2005). Corporate governance index, firm valuation and performance in Brazil. Brazilian Review of Finance, 3(1), 1-18.

Da Silva Cunha, R., Dos Santos, J. G. C., & Dos Santos, G. P. (2017). Governança corporativa, valor e desempenho econômico: estudo nas maiores empresas de capital aberto da BM&Bovespa. Revista Conhecimento Contábil-UERN/UFERSA-ISSN: 2447-2921, 5(2).

De Carvalho, G. (2003). Efeitos da migração para os níveis de governança da

Bovespa. Working paper USP.

De Carvalho, G. & Pennacchi, G. (2007). Can voluntary market reforms promote efficient corporate governance? Evidence from firms’ migration to premium markets in Brazil. Working paper USP.

De Jesus Lameira, V., & Ness Jr, W. L. (2011). Os determinantes da qualidade da governança praticada pelas companhias abertas brasileiras. Revista de Negócios, 16(3), 33-52.

De Vilhena, F. A. C., & Camargos, M. A. (2015). Governança corporativa, criação de valor e desempenho econômico-financeiro: evidências do mercado brasileiro com dados em painel, 2005-2011. REGE-Revista de Gestão, 22(1), 77-96.

Drobetz, W., Schillhofer, A., & Zimmermann, H. (2004). Corporate governance and expected stock returns: Evidence from Germany. European financial management, 10(2), 267-293.

Fernandes, N. A. C., de Oliveira Dias, W., & da Cunha, J. V. A. (2010). Governança corporativa no contexto brasileiro: um estudo do desempenho das companhias listadas nos níveis da BM & FBOVESPA. Revista organizações em contexto, 6(11), 22-44.

Field, A. (2009). Descobrindo a estatística usando o SPSS-2. Bookman Editora.

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. Pratique ou explique: análise qualitativa dos informes de governança corporativa (2018). SP: IBGC, 2019. 69p.

Jensen, M. C., & Meckling, W. H. (1976). Theory of the firm: Managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of financial economics, 3(4), 305-360.

Leuz, C. & Verrecchia, R. (2000). The economic consequences of increased disclosure. Journal of Accounting Research, 38:91–124.

Da Silva Macedo, M. A., & Corrar, L. J. (2012). Análise comparativa do desempenho contábil-financeiro de empresas com boas práticas de governança corporativa no Brasil. Revista Contabilidade e Controladoria, 4(1).

Maranho, F. S., da Fonseca, M. W., & Frega, J. R. (2016). Governança corporativa e desempenho das empresas diante da crise econômica global de 2008: uma análise de dados em painel. Revista de Administração da Universidade Federal de Santa Maria, 9(2), 293-311.

Myers, S. C., & Majluf, N. S. (1984). Corporate financing and investment decisions when firms have information that investors do not have. Journal of financial economics, 13(2), 187-221.

OECD (1998a) Global Corporate Governance Principles. Paris: OECD.

OECD (1998b) Corporate Governance: Improving Competitiveness and Access to Capital in Global Markets. Paris: OECD.

Procianoy, J. L., & Verdi, R. S. (2009). Adesão aos Novos Mercados da BOVESPA: Novo Mercado, Nível 1 e Nível 2--Determinantes e Consequências. Revista Brasileira de Finanças, 7(1).

Ross, S. A. (1977). The determination of financial structure: the incentive-signalling approach. The bell journal of economics, 23-40.

Vieira, K. M., Velasquez, M. D. P., Losekann, V. L., & Ceretta, P. S. (2011). A influência da governança corporativa no desempenho e na estrutura de capital das empresas listadas na Bovespa. Revista Universo Contábil, 7(1), 49-67.




DOI (PDF): https://doi.org/10.21576/pa.v20i1.2532.g2469

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 Camila Teresa Martucheli, Antonio Artur de Souza, Gustavo Silva, Leticia Paulino Oliveira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.