PROJETANDO O FUTURO”: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DE TRABALHO EM REDE SOCIAL DE APOIO DE TRABALHADORES

Anay Gomes Ferrer, Talita Bonato de Almeida, Cibele Marin Verdi, Angélica Cristina Cordeiro, Maria da Luz Rosário de Sousa

Resumo


A formação de redes sociais pode ser uma estratégia de trabalho para minimizar as iniquidades em saúde de uma determinada comunidade. Objetiva-se relatar a implementação e atuação de uma rede social de apoio de trabalhadores atuante no bairro IAA, no município de Piracicaba/SP. A formação da rede de apoio foi iniciada pela Unidade de Estratégia da Família do bairro IAA 1, em parceria com duas escolas municipais do bairro e o Centro de Referência de Assistência Social. Essa rede se expandiu ao longo do tempo, agregando a escola estadual do bairro, alunos do curso superior de odontologia da Faculdade de Odontologia de Piracicaba e organizações não governamentais atuantes no bairro, as quais juntas realizaram diagnósticos comunitários. Após avaliação destes diagnósticos, a rede focou na formação profissional e projeto de vida das crianças daquela comunidade, como formas de prevenir gravidez na adolescência, dependência química e/ou alcoólica e evasão escolar, criando assim o projeto “Projetando o Futuro”. Pode-se observar que houve uma diminuição no número de registro de violência dentro da escola e eliminação da evasão escolar. Observou-se também que o grupo de criança de risco deixou de existir e que não houve relato ou observação de gravidez na adolescência dos que fizeram parte das atividades desenvolvidas. Houve ainda a avaliação e encaminhamento de 28 crianças com distúrbio de aprendizado para os serviços de saúde e sociais adequados. O desenvolvimento deste projeto causou maior aproximação entre os setores, os quais atuavam de maneira sinérgica e compactuada para resolutividade das questões. A modalidade de trabalho proposto e descrito apresenta um avanço na evolução das redes de apoio social à medida que há uma articulação intersetorial com ações sistemáticas de planejamento.


Palavras-chave


Colaboração Intersetorial; Estratégia Saúde da Família; Iniquidade social; Redes sociais na saúde pública.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal; 1988.

BRASIL. Lei nº 8.080, de 19 de Setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União, 20 Set 1990.

BRASIL. Ministério da Saúde. As causas sociais das iniquidades em saúde no Brasil: relatório final da Comissão Nacional sobre Determinantes Sociais da Saúde (CNDSS). Brasília, 2008. Disponível em: . Acesso em: 13 dez 2020.

BRASIL. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde Departamento de Gestão da Educação na Saúde, Aprender SUS. O SUS e os cursos de graduação da área da saúde. Brasília, 2004. Disponível em: . Acesso em: 15 ago. 2020.

COSTA, A.G.; LUDERMIR, A.B. Transtornos mentais comuns e apoio social: estudo em comunidade rural da Zona da Mata de Pernambuco, Brasil. Cadernos de Saúde Pública 2005; 21:73-9. Disponível em: . Acesso em: 28 jan 2021.

DUARTE, P.C.A.V. Redes Sociais. In: Prevenção ao uso indevido de drogas : Capacitação para Conselheiros e Lideranças Comunitárias. 4. ed. Brasília: Ministério da Justiça. Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas – SENAD, 2011. p 131-154. Disponível em: < https://mppr.mp.br/arquivos/File/Projeto_Semear/Material_Capacitacao/Curso_Prevencao_ao_uso_indevido_de_Drogas_Capacitacao_para_Conselheiros_e_Liderancas_Comunitarias_2011_SENAD.pdf>. Acesso em: 02 fev 2021.

ISHITANI, L.H.; FRANCO, C.G.; PERPÉTUO, I.H.O.; FRANÇA, E. Desigualdade social e mortalidade precoce por doenças cardiovasculares no Brasil. Revista de Saúde Pública 2006; 40(4):684-91. Disponível em: . Acesso em: 02 fev 2021.

LAFER, C. A reconstrução dos direitos humanos. Um diálogo com o pensamento de Hannah Arent. São Paulo. Companhia das letras, 1988.

LIMA, M. Atuação psicológica coletiva: uma trajetória profissional em unidade básica de saúde. Psicologia em estudo [online] 2005; 10(3):431-440. Disponível em: . Acesso em: 14 dez 2020.

MELILLO, A.; OZEDA, E.N.S. Resiliência: descobrindo as próprias fortalezas. Porto Alegre. Artmed, 2005. Tradução: Valério Campos.

PATUSSI, M.P.; HARDY, R.; SHEIHAM, A. The potential impact of neighborhood empowerment on dental caries among adolescents. Community Dent Oral Epidemiol.; 34(5):344-50, 2006. Disponível em: . Acesso em: 17 nov 2020.

SCHIOCHET GF, CHRIST VG, SOARES NL, CARNEIRO TS, WOSGERAU VLL, SILVA JUNIOR MF. Relato de Experiência da Formação de um grupo de promoção de saúde na Estratégia de Saúde da Família. Pensar Acadêmico 2020; 18(3):591-606. Disponível em: . Acesso em: 22 mar 2021.

SCHLITHLER, C.R.B. Redes de desenvolvimento comunitário: iniciativas para a transformação social. São Paulo: Global. 2004.

SILVA, K.L.; RODRIGUES, A.T. Ações intersetoriais para promoção da saúde na Estratégia Saúde da Família: experiências, desafios e possibilidades. Revista Brasileira de Enfermagem 2010;.63(5). Disponível em: . Acesso em: 19 jan 2021.




DOI (PDF): https://doi.org/10.21576/pa.v20i1.2669.g2466

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 Talita Bonato de Almeida

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.