METODOLOGIA ATIVA COMO ESTRATÉGIA PARA ESTIMULAR O APRENDIZADO NO ENSINO DE CIÊNCIA

Jousimara dos Reis Freire

Resumo


O ensino de ciências, nos anos iniciais, prende-se muito a conceitos teóricos deixando de lado um pouco da construção do saber investigativo e o conhecimento de caso. Esse padrão é seguido nos anos iniciais do ensino fundamental I e acaba chegando ao final do Ensino Fundamental II com uma carga excessiva de alunos fadados a decorar situações e impossibilitando-os de realizarem seus próprios questionamentos, hipóteses e por que não suas adequações visionárias. Chegando nesta etapa do ensino fundamental II, os docentes se deparam com um grande entrave que é o ensino de ciência introdutório em físico-química. Como iniciar um ensino aprendizagem a alunos com rotinas teóricas com conteúdo de base com informações soltas sobre o que é matéria? Para que serve? O que são elementos químicos, qual sua utilização na vida do homem? E por que os elementos tiveram que ser organizados? Eis que surge uma problemática no ensino introdutório da tabela periódica. Um conteúdo com leitura difícil, rico em termos técnicos com um histórico introdutório nas etapas anteriores sem embasamento algum. Diante da problemática, a estratégia didática utilizada objetiva a forma investigativa e dinâmica para a construção de novos conhecimentos que circundam o assunto; com uma metodologia voltada para a inspiração e curiosidade para a construção de respostas encontradas pelos próprios discentes. Findando as buscas pelo desenvolvimento histórico e teórico dos segredos da tabela periódica, evidenciando os resultados obtidos concluídos com o conhecimento da tabela completa com todos os elementos e suas divisões. Mediante o uso de recursos que favorecem o ensino por investigação, proporcionando assim uma metodologia que visa a autonomia e a participação dos discentes de maneira integral, contribuindo com inúmeros benefícios para a prática docente e, ao mesmo tempo, oportunizando melhorias ao processo educativo.

Texto completo:

PDF

Referências


AUSUBEL, D. P.; NOVAK, J. D. e HANESIAN, H. Psicologia educacional. Rio de Janeiro: Interamericana, 1980.

MOREIRA, M. A.; MASSONI, N. Noções Básicas de Epistemologia e Teorias de Aprendizagem: como subsídios para a organização de sequência de Ensino – Aprendizagem em Ciências/Física. São Paulo: Livraria da Física, 2016.

PRADO, A. ENTENDENDO O ALUNO DO SECULO 21 – E COMO ENSINAR A ESSA NOVA GERAÇÃO. Brasil: Plataforma Geekie One, junho de 2015. Disponível em:< www.geekie.com.br> Acesso em: 19 de maio de 2019.

SILVA, A. F. et al. O ENSINO DE CIÊNCIAS NO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO: reflexões e perspectivas sobre a educação transformadora. Santarém/PA: Revista Exitus, Vol. 7, n° 2, p. 283-304, maio/agosto 2017.

SILVA, D. B. TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS NA PRÁTICA ESCOLAR: as principais tendências pedagógicas na prática escolar brasileira e seus pressupostos de aprendizagem. Fevereiro de 2018. Disponível em:< http://coral.ufsm.br/lec/01_00/Delcio&C3.htm[11/03/2018 17:48:43>.Acesso em 09 junho 2019.




DOI: https://doi.org/10.21576/pa.2021v19i4.2766

DOI (PDF): https://doi.org/10.21576/pa.v19i4.2766.g2101

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Jousimara dos Reis Freire

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.