O VALOR CAUSATIVO DO PREFIXO [DES-]: UM ESTUDO LÉXICO-SEMÂNTICO

Chritiane Miranda Buthers

Resumo


O objetivo desta pesquisa é proceder à análise do prefixo [des-], segundo as acepções semânticas que podem ser refletidas nesse morfema. Pretende-se investigar os predicados que figuram com esse prefixo, delineando os valores semânticos específicos atribuídos à base lexical com a qual se conecta. Adicionalmente, implementamos o sentido “causativo” que [des-] impõe sobre os verbos com os quais pode ser combinado, como, por exemplo: desacelerar, desativar, desorganizar, desinquietar, entre outros. Com o sentido causativo, [des-] pressupõe uma estrutura bieventiva, contendo um evento causado (evento 1)  que será modificado  pelo evento da causação (evento 2). O enfoque deste artigo contempla, então, a interface do léxico com a semântica e a sintaxe. Observamos que o prefixo [des-] causativo se conecta a predicados de estado, atividade, processo e criação. Nessas circunstâncias, dois eventos estarão envolvidos, já que o prefixo [des-] seria responsável por introduzir o evento da causação (evento 2). Ressaltamos que esses mesmos predicados podem figurar com o prefixo [des-] não causativo. Quando isso ocorre, apenas um evento estará envolvido na predicação. Utilizando de estratégias de descrição da teoria gerativa e da proposta assumida por Pylkkänen (2002) – espraiamento do núcleo vo com a inserção do núcleo Causeo para as construções causativas –, verificamos que [des-] causativo é a realização morfológica do núcleo Causeo. Dessa maneira, esse prefixo cumpre a função de introduzir o segundo evento na predicação. Adicionalmente, assumimos que o causativo [des-] possui uma contraparte negativa, além do traço estativo, o qual será atribuído ao primeiro evento. Essa combinação motiva a mudança de estado desse evento.

Palavras-chave


prefixo des-, causativo, mudança de estado

Texto completo:

PDF

Referências


BASÍLIO, M. (2007). Competência Lexical. São Paulo: Ática.

COCKELL, M. (2009). Um Estudo Descritivo e Comparativo das Principais Propostas Gerativas. Revista Philologus, ano 15, nº 44. Rio de Janeiro: CiFEFil, maio/ago.

CUNHA, A. G. (1986). Dicionário etimológico Nova Fronteira da língua portuguesa. 2. ed., Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

FERREIRA, A.B.H. (2004). Novo dicionário Aurélio Eletrônico. Curitiba: Positivo.

LARSON, R.K. (1988). “On the Double object construction”. Linguistic Inquiry, p. 335-391.

OLIVEIRA, S.M. (2009). Aspectos da Derivação Prefixal e Sufixal no Português do Brasil. Tese de Doutorado (UFSC). Florianópolis, SC.

PYLKKÄNEN, L. (2002). Introducing arguments. Linguistic Inquiry Monographs. MIT Press, Cambridge, Massachusetts, London, England.

SCHNEIDER, L. (2009). Polissemia e Produtividade Lexical do Prefixo Des-: um estudo sobre as múltiplas facetas semânticas de um morfema presente a partir do Jornal On Line Observatório da Imprensa e da Revista Língua Portuguesa. In: Seminário do GEL, 57. Ribeirão Preto (SP): GEL. Disponível em: . Acesso em: 09/06/2012.

VITRAL, L.; RAMOS, J. (2006) Gramaticalização: uma abordagem formal. 1. ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro; Belo Horizonte: Faculdade de Letras FALE/UFMG.




DOI: http://dx.doi.org/10.21576/rpa.2017v15i1.33

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 CHRISTIANE MIRANDA BUTHERS

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.