USO INAPROPRIADO DE MEDICAMENTOS PELO IDOSO: POLIFARMÁCIA E SEUS EFEITOS.

Dayana Matos de Souza, Lysandra Barbosa de Souza, Giovanni Guimarães Lana, Shiara Martins de Souza, Naidilene Chaves Aguilar

Resumo


A polifarmácia é uma conduta terapêutica muito comum em idosos. Trata-se da utilização concomitante de vários medicamentos. Essa prática possibilita o aparecimento de Problemas Relacionados a Medicamentos (PRMs), dificultando a eficácia do tratamento. Outra atenção a se ter em terapêutica de idosos é a utilização de medicamentos potencialmente perigosos para essa faixa etária. O presente trabalho tem o objetivo de identificar a presença da polifarmácia e o uso de medicamentos potencialmente inapropriados para idosos. Foram entrevistados 40 idosos, acima de 65 anos, participantes das atividades de um Centro de Convivência e que fazem ou não uso de medicamento contínuo. Observou-se que 17,5% dos entrevistados não eram polimedicados, 42,5% dos idosos foram classificados como polifarmácia menor (2 a 4 medicamentos) e 40% como polifarmácia maior (mais do que 4 medicamentos). As classes de medicamentos que mais contribuíram para a polifarmácia foram os anti-hipertensivos, anti-inflamatórios não esteroidais, estatinas, antivertiginosos, suplementos minerais e inibidores da bomba de prótons. Ao avaliar as prescrições constatou-se que 62,5% das farmacoterapias continham pelo menos uma interação medicamentosa e a prevalência do uso de medicamentos inapropriados em idosos foi de 40%. Verificou-se que o número elevado de fármacos prescritos aos idosos está associado ao risco do emprego de medicamentos inapropriados e a ocorrência de interações medicamentosas. Diante dos resultados, destaca-se a importância do acompanhamento farmacoterapêutico, através da atenção farmacêutica, para garantir o uso racional de medicamentos em idosos e obter uma farmacoterapia adequada.


Palavras-chave


Atenção Farmacêutica; Idosos; Interação Medicamentosa; Medicamentos Inapropriados; Polifarmácia

Texto completo:

PDF

Referências


ALHAWASSI, T. M. et al. A systematicreviewoftheprevalenceandriskfactors for adersedrugreactions in theelderly in theacutecare setting. ClínicalIntervetions in Aging, v.9, 2014.

ALVES, A. J.; et al. Atuação do Farmacêutico na produção e restauração da saúde de pacientes idosos que fazem uso de polimedicação. Revista Científica ITPAC, v.3, n.2, 2010.

ANDRADE, A. R.; PINHO, L. B. Fatores socioculturais associados à prática da automedicação em uma cidade do interior do estado de Mato Grosso, Brasil. Revista enfermagem UFPE, v. 2, n.2, 2008.

CAMPELLI C. M. American GeriatricsSocietyupdatebeerscriteria for potentiallyinappropriatemadication use in olderadults: The American GeriatricSociety 2012 BeerscriteriaCriteria Expert Panel. Journal American GeriatricsSociety, v.60, n.4, 2012.

CARVALHO, M. F. C.; et al.Polifarmácia entre idosos do município de São Paulo - Estudo SABE. Revista Brasileira de Epidemiologia, v.14, n.4, 2012.

CASTRO, C. G. S. O. Interações medicamentosas. In: FUCHS, F. D.; WANNMACHER, L. Farmacologia Clínica e Terapêutica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan LTDA, 5° ed., 2017.

COUTO, C. A.; CHRISTOFF, A. O. Acompanhamento farmacoterapêutico em idosos de uma casa de longa permanência em Curitiba-PR. Cadernos da Escola de Saúde, v.8, n.1, 2012.

CUENTRO, V. S., et al. Prevalência e fatores associados à polifarmácia entre idosos de um hospital público. Revista Contexto & Saúde Ijuí, v.16, n.30, 2016.

FLORES, F. B.; BENVEGNÚ, L. A. Perfil de utilização de medicamentos em idosos da zona urbana de Santa Rosa, Rio Grande do Sul, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v.24, n.6, 2008.

FUCHS, F. D. Capítulo 41: Hipertensão Arterial Sistêmica. In: In: FUCHS, F. D.; WANNMACHER, L. Farmacologia Clínica e Terapêutica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan LTDA, 5° ed., 2017.

GORZONI, M. L., et al. Critérios de Beers-Fick e medicamentos genéricos no Brasil. Revista Associação Médica Brasileira, v.54, n.4, 2008.

JÚLIO, C. S.; et al. Potenciais interações medicamentosas identificadas em prescrições a pacientes hipertensos. Revista da Sociedade Brasileira de Clínica Médica, v.10, n.4, 2012.

KONJKAV C., et al. Hospital admissionsassociatedwithadversdrugreaction: a sistematicreviewofprospectiveobservationstudies. Ann Pharmacother, v.42, n.7, 2008.

LOPES, L. M.; et al. Utilização de medicamentos potencialmente inapropriados por idosos em domicílio. Ciência & Saúde Coletiva,v.21, n. 11, 2016.

LUTZ B. H., et al. Inadequação do uso de medicamentos entre idosos em Pelotas, RS. Revista de Saúde Publica. v. 51, n.52, 2017.

MEDEIROS, E. F. F.; et al.Intervenção interdisciplinar enquanto estratégia para o Uso Racional de Medicamentos em idosos. Ciência & Saúde Coletiva, v.16, n.7, 2011.

MELGAÇO, T. B.; et al. Polifarmácia e ocorrências de possíveis interações medicamentosas. Revista Paraense de Medicina, v.25, n.1, 2011.

MONTEIRO, S. C. M.; et al. Estudo de potenciais interações medicamentosas em pacientes hipertensos. Infarma Ciências Farmacêuticas, v.27, n.2, 2015.

NASCIMENTO, R. C.R.M.; et al.Polifarmácia: uma realidade na atenção primária do Sistema Único de Saúde. Revista de Saúde Publica, v.51, n.19, 2017.

NOVAES, M. R. C. G; et al. Aspectos demográficos e epidemiológicos do envelhecimento no Brasil. In: NOVAES, M. R. C. G. Assistência farmacêutica ao idoso: uma abordagem multiprofissional. Brasília: Thesaurus, 2007.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Uso racional de medicamentos. Brasília, 2012. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/uso_racional_medicamentos_temas_selecionados.pdf. Acesso em: 02/10/2017.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE (Opas). Consenso Brasileiro de Atenção Farmacêutica: proposta. Brasília: 2002. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/PropostaConsensoAtenfar.pdf. Acesso em: 02/10/2017.

PENTEADO, P. T. P.; et al. O uso de medicamentos por idosos. Visão Acadêmica, v. 3, n. 1, 2002.

RAMOS, L.R.; GARCIA, J. T. Terapêutica medicamentosa no idoso. In: PRADO, F. C.; et al. Atualização terapêutica 2007: manual prático de diagnóstico e tratamento. São Paulo: Artes Médicas, 2007.

REIS, A. M. M. Automedicação por idosos. In: NOVAES, M. R. C. G. Assistência farmacêutica ao idoso: uma abordagem multiprofissional. Brasília: Thesaurus, 2007.

SECOLI, S. R. Polifarmácia: interações e reações adversas no uso de medicamentos por idosos. Revista Brasileira de Enfermagem, v.63, n.1, 2010.

______Interações medicamentosas: fundamentos para a pratica clínica da enfermagem. Revista Escola de Enfermagem USP, v.35, n.1, 2001.

SEGUNDO CONSENSO DE GRANADA. Panel de Consenso. Problemas Relacionados com Medicamentos.ArsPharmaceutica, v.43, n.3-4, 2002.

SILVA, P. A.; et al. Aspectos relevantes da farmacoterapia do idoso e os fármacos inadequados. RevistaInterScientia, v.3, n.1, 2015.




DOI: https://doi.org/10.21576/rpa.2018v16i2.361

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 naidilene Chaves Aguilar

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.