ACOMPANHAMENTO SOCIOFAMILIAR DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES EGRESSOS DA INSTITUIÇÃO DE ACOLHIMENTO CONCRIAD

Gustavo Thayllon Franca Silva, Priscylla de Oliveira Vieira Ferreira, André Gomes de Souza, Márcia Helena de Carvalho

Resumo


Este estudo teve como principal objetivo demonstrar como a equipe técnica dos equipamentos públicos estatais Centro de Referência Especializado de Assistência Social e Centro de Referência de Assistência Social realiza o acompanhamento sociofamiliar. Para tal foi desenvolvida pesquisa bibliográfica com os principais autores que discutem a temática no Brasil e entrevistas com uma profissional que atua no Consórcio Intermunicipal de Atenção à Criança e ao Adolescente, responsável pelo abrigamento institucional na Comarca de Tarumirim, além de entrevistas com as 04 profissionais dos equipamentos públicos de proteção social conveniados A pesquisa realizada foi do tipo quali/quantitativa e os dados representados através de gráficos com estatística simples, a análise realizada utilizou-se como método o crítico dialético. Os resultados obtidos demonstram que embora na maior parte dos casos de abrigamento as famílias tenham sido acompanhadas realizando um desligamento responsável.


Palavras-chave


Medida Protetiva, Abrigamento, Acompanhamento Sociofamiliar,

Texto completo:

PDF

Referências


AZOR, A. M. G. C., & Vectore, C. (2008). Abrigar/desabrigar: Conhecendo o papel das famílias nesse processo. Estudos de Psicologia, 25 (1), 77-89.

BERNAL, Elaine Marina Bueno. Arquivos do abandono: experiências de crianças e adolescentes internados em instituições do Serviço Social de Menores de São Paulo (1938-1960). São Paulo: Cortez, 2004.

BRASIL. CONANDA, C. N., & CNAS, C. N. (2009). Orientações Técnicas Serviço de Acolhimento para Crianças e Adolescentes. Brasília.Presidência da República. Secretaria Especial dos Direitos Humanos. Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente. Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária. Brasília, DF: CONANDA, 2006.

BRASIL. CONSELHO Nacional de Assistência Social; CONSELHO Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente; SECRETARIA Especial de Direitos Humanos. Plano Nacional de Convivência Familiar e Comunitária. Brasília: CNAS/CONANDA/SEDH, 2006.

BRASIL. Constituição (1998). Constituição da República Federativa do Brasil, DF. Senado Federal: Centro Gráfico, 1988. 292p.

BRASIL. Estatuto da criança e do adolescente, lei n.8069/90 de 13 de junho de 1990 Brasília, congresso Nacional.

Disponível em: .Acesso 20 de maio de 2017.

BRASIL. Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais. Texto da Resolução Nº 109, nov. 2009. Diário Oficial da União.

Disponível em: . Acesso em 02 de março de 2017.

CARVALHO. Márcia Helena de Carvalho. Sinapse: uma análise crítica da socioeducação. Dissertação de Mestrado em Serviço Social na Universidade Estadual do Rio de Janeiro. UERJ. 2015. Rio de Janeiro-RJ.

CARVALHO. M.do C. B. de (org.). A família Contemporânea em debate. 3. Ed. São Paulo: EDUC: Cortez, 2000.

CARVALHO. M.do C. B. de (org.). Trabalhando Abrigos. São Paulo: IEE/CBIA. 1993. (Cadernos de Ação, 3).

CARVALHO. M.do C. B. Famílias e politicas públicas. In: Acosta. A, E ; VITALE, M. A. F. ( org.). Famílias: Redes, laços e politicas publicas. 3. Ed. São Paulo: Cortez, 2007.

ENGENHEIRO CALDAS – MG. Consórcio Intermunicipal de Atenção à Criança e o Adolescente em Situação de Risco Familiar e Social da Comarca de Tarumirim, G – CONCRIAD. Disponível em: . Acesso em 02 de maio de 2017.

FUNABEM. Revista da Funabem nº 36- Ano X- 3º quadrimestre. Dez Anos Depois: no lugar do SAM a FUNABEM. O Amor ao invés do Crime. 1976.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

HINTZE, Gisele. Evolução da legislação voltada à criança e ao adolescente no brasil. Disponível em: . Acesso em: 26 de maio 2017.

IAMAMOTO, M. V. O Serviço Social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional.São Paulo, 20 ed., Cortez, 2011.

IBGE. Anuário Estatístico 95. Rio de Janeiro, 2010.

IPEA. Instituto de pesquisa econômica aplicada. Levantamento Nacional de Abrigos para Crianças e Adolescentes da Rede SAC. Dísponível em: http://www.mp.sp.gov.br/portal/infanciahome_c/acolhiemento_institucional/doutrina_aabrigos/IPEA._levantamento_nacional_de_abrigos_para_crianças_e_adolescentes_da_Rede_sac.pdf. Acesso em:01 Out. 2017.

JOSÉ FILHO, M. A família como espaço privilegiado para a construção da cidadania. 1998. 295 f. Tese ( Doutorado rm Serviço Social) França, UNESP- Universidade Estadual Paulista, França 1998.

MARCÍLIO, Maria Luisa. A roda dos expostos e a criança abandonada na história do Brasil (1726-1950). In:

FREITAS, Marcos Cezar de. (Org). História social da infância no Brasil. São Paulo: Ed. Cortez, 1999.

MCGOLDRICK, M., Gerson, R., & Shellenberger, S. (1999). Genograms: Assessment and Intervention. New York: W. W. Norton.

MIOTO. Regina Célia . CAMPOS. Marta. Familismo nas Políticas Públicas. Anais do III Simpósio Gênero e Políticas Públicas, ISSN 2177-8248 Universidade Estadual de Londrina, 27 a 29 de maio de 2014.

NERY. Maria Aparecida. A convivência familiar e comunitária é direito da criança e do adolescente e uma realidade a ser repensada pela escola. Cad. Cedes, Campinas, vol. 30, n. 81, p. 189-207, mai.-ago. 2010.

PASSETTI, E. Crianças carentes e políticas públicas.In: PRIORE, M. D. (Org.). História das crianças no Brasil. São Paulo: Contexto, 2000.

PEREIRA, P. A. P. Política social: temas e questões. São Paulo: Cortez, 2008.

PRADO, D. O que é família. 8. ed. São Paulo: Brasiliense, 1982.

PRIORE, Mary Del (org.) História das crianças no Brasil - 2a ed. São Paulo: Contexto, 2000.

RESOLUÇÃO Nº 23, DE 27 DE SETEMBRO DE 2013. DOU 30/09/2013. Disponível:file:///C:/Users/Cliente/Downloads/Resolucao%20CNAS%2023%20de%202013.pdf

RIZZINI, Irene. A institucionalização da criança e do adolescente no Brasil: percurso histórico e desafios do presente/Irene Rizzini, Irma Rizzini. Rio de Janeiro: Ed.PUC Rio, 2004.

RIZZINI, Irene. O século perdido: raízes históricas das políticas publicas para a infância no Brasil. Rio de Janeiro: Petrobrás-BR; Ministério da Cultura; USU Ed. Universitária; Amais, 1997.

RIZZINI, Irene; PILOTTI, F. (Orgs.). A arte de governar crianças: a história das políticas sociais, da legislação e da assistência à infância no Brasil. São Paulo: Ed. Cortez. Terceira edição: 2011

ROSA, Alexandre Morais de; LOPES, Ana Maria Brito. Introdução crítica ao ato infracional: princípios e garantias constitucionais. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2011.

SARTI, Cynthia Andersen. A Famila Como Espelho: Um Estudo Sobre a Moral dos Pobres. 4. Ed. São Paulo: Cortez, 2005

SILVA, E. R. A. (Coord.). (2016). O direito à convivência familiar e comunitária: Os abrigos para crianças e adolescentes no Brasil. Brasília, DF: IPEA/CONANDA.

SILVA. E.R.A. Os filhos do governo: a formação da identidade criminosa entre crianças órfãs e abandonadas. São Paulo: Ática, 1997.

SILVA, José Fernando Siqueira. O recrudescimento da violência nos espaços urbanos: desafios para o Serviço Social. Revista Serviço Social e Sociedade n. 89. São Paulo: Cortez, 2006.

SILVA, M. R. S., & Nunes, K. S. (2016). Avaliação e diagnóstico do processo de reinserção familiar e social de crianças e adolescentes egressos de uma casa de passagem. Cogitare Enfermagem, 9(1), 42-49

SIQUEIRA, A. C., & Dell'Aglio, D. D. (2006). O impacto da institucionalização na infância e na adolescência: Uma revisão da literatura. Psicologia e Sociedade 18, 71-80.




DOI: https://doi.org/10.21576/rpa.2019v17i1.526

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 GUSTAVO THAYLLON FRANCA SILVA, PRISCYLLA DE OLIVEIRA VIEIRA FERREIRA, ANDRÉ GOMES DE SOUZA

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.