A CONTRIBUIÇÃO DA SAÚDE PARA O FORTALECIMENTO DAS REDES: O AVANÇO NA GESTÃO PÚBLICA

Juliana Aparecida Fialho Cardoso, Clarice Santana Milagres, Bruno Tavares, Edson Arlindo Silva

Resumo


A administração pública brasileira passou por grandes mudanças ao longo dos séculos, essas mudanças acompanharam uma nova forma de pensar sobre as organizações (racionalidade instrumental e substantiva), isso refletiu em novos formatos de gestão pública. Nesse contexto, o Sistema Único de Saúde (SUS), a partir da Constituição Federal de 1988 (CF/88), contribuiu para uma descentralização da gestão pública e fortaleceu os sistemas de redes. O questionamento necessário se faz. De que forma a reorganização do Governo Federal (através da Constituição de 1988) aconteceu e quais os principais benefícios alcançados no que tange as temáticas SUS e sistemas de rede? Este trabalho propõe que, apesar dos avanços dos modelos de administração pública, o que se observa hoje, é um sistema híbrido em que ainda prevalece um sistema patrimonialista, no qual as prefeituras e os processos de corrupção acabam por impedir a real efetivação do SUS, prejudicando assim um avanço efetivo dos sistemas de redes de saúde, assim como toda economia pertencente a esse sistema. Ademais, a cultura do “jeitinho” brasileiro acaba fortalecendo essa forma de agir.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em 20/06/2014.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Construindo o Estado republicano: democracia e reforma da gestão pública. FGV Editora, 2009.

____________________ e SPINK, P. (Orgs.) Reforma do Estado e administração pública gerencial. 6. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2005.

CANÇADO, A. C. Fundamentos teóricos da gestão social. 2011. Tese (Doutorado em Administração) – Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2011.

CHAUÍ, Marilena. Convite à filosofia. São Paulo: Ática, 1994.

CHILD, J. Organização: princípios e práticas contemporâneas/Tradução Beatriz Sidou. São Paulo: Saraiva. 2012.

COTTA, R. M. M et al. Políticas de saúde: desenhos, modelos e paradigmas. Viçosa-MG: Ed UFV, 2013. 288p.

FIELDER. R. C. P. A Teoria Da Ação Comunicativa de Habermas e uma Nova Proposta de Desenvolvimento e Emancipação do Humano. Revista da Educação. I (1): 93-100, 2006.

FLEURY. OUVERNEY. A. M. Gestão de Redes. A Estratégia de Regionalização da Política de Saúde. Rio de Janeiro. Ed. FGV. 2007. 204p.

MOTTA, F.C.P.; ALCADIPANI, R. Jeitinho Brasileiro, Controle Social e Competição. Revista de Administração de Empresas. São Paulo, v. 39, n. 1, Jan./Mar. 1999.

PAULA, Ana Paula Paes de. Por uma nova gestão pública: limites e potencialidades da experiência contemporânea. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2005.

REZENDE, F.C. Razões da Crise de Implementação do Estado Gerencial: Desempenho Versus Ajuste Fiscal. Revista de Sociologia e Política. nº 19: 111-121, novembro, 2002.

SOUZA, M. M; CARRIERI, A. P. Racionalidades no Fazer Artístico: estudando a perspectiva de um grupo de teatro. ERA-Revista de Administração de Empresas. Nº4, p. 382-395, 2011.

TENÓRIO, F. G. (Re) Visitando o Conceito de Gestão Social. Desenvolvimento em questão. v. 3, n.5. 101-124, 2005.

WEBER, Max. O que é a burocracia? trad. Conselho Federal de Administração. Brasília: CFA, 1977.




DOI: https://doi.org/10.21576/rpa.2016v14i1.6

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Juliana Aparecida Fialho Cardoso, Clarice Santana Milagres, Bruno Tavares, Edson Arlindo Silva

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.