CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA ROTATIVIDADE DE PESSOAS: ESTUDO DE CASO EM UMA MULTINACIONAL DE FAST FOOD

Ana Cristina Marques de Carvalho, Priscila Cristina da Silva, Letícia Maia do Nascimento

Resumo


Este artigo tem como propósito apresentar os resultados do estudo destinado a investigar causas e consequências da rotatividade de pessoal em uma empresa multinacional do setor de alimentos. Adotou-se uma metodologia de pesquisa aplicada, descritiva, quantitativa e qualitativa, utilizando-se o método de estudo de caso. A comparação dos dados coletados junto à gerência de recursos humanos e uma amostra de ex-funcionários permitiu identificar algumas incongruências de opiniões entre os públicos amostrados, referindo-se às diferenças em suas percepções sobre os fatores de motivação para o turnover, principalmente em relação à política salarial e oportunidade de desenvolvimento profissional na empresa.


Palavras-chave


Rotatividade de pessoal; Retenção de Talentos; Insatisfação no trabalho.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Walnice. Captação e seleção de talentos: com foco em competências. São Paulo: Atlas, 2009.

ANSELMI, M. L. A rotatividade dos trabalhadores de enfermagem nos hospitais de Ribeirão Preto. Ribeirão Preto: USP, 1993. Tese (doutorado). Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, 1993.

ANSELMI, M. L.; ANGERAMI, E. L. S.; GOMES, E. L. R. Rotatividade e condições de trabalho em enfermagem nos hospitais do município de Ribeirão Preto. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional. São Paulo, v. 23, n. 85/86, p. 31- 41, nov. 1997.

ASSIS, Marcelino Tadeu de. Indicadores de gestão de recursos humanos: usando indicadores demográficos, financeiros e de processos na gestão do capital humano. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2005.

BUTLER, T.; WALDROOP, J. Job sculpting: the art of retaining your best people. Harvard Business Review, Boston.v. 77, n. 5, p. 146-152. sep./oct. 1999. CAPPI, Mariana Nitz; ARAUJO, Bruno Felix von Borell de. SATISFAÇÃO NO TRABALHO, COMPROMETIMENTO ORGANIZACIONAL E INTENÇÃO DE SAIR: UM ESTUDO ENTRE AS GERAÇÕES XEY. REAd. Revista Eletrônica de Administração (Porto Alegre), v. 21, n. 3, p. 576-600, 2015.

CHIAVENATO, Idalberto. Recursos humanos. 3.ed. São Paulo: Atlas, 1995.

_____________________. Recursos Humanos: 7. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

_____________________. Planejamento, recrutamento e seleção de pessoal. 6.ed. São Paulo: Atlas, 2006.

_____________________. Gestão de pessoas. 3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

_____________________. Gestão de pessoas: O novo papel dos recursos humanos nas organizações. 4. ed. São Paulo: Manole, 2014.

DARÓS, Gislaine Ferreira. Análise dos motivos que geram a rotatividade de pessoal em uma empresa do ramo de tecnologia da informação, em Criciúma–SC. 2012.

DUARTE, Geraldo Garcia et al. Vida média de labor dos enfermeiros egressos da escola de enfermagem de Ribeirão Preto, USP-Brasil. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 8, n. 6, p. 91-95, 2000.

DUTRA, Joel Souza. Gestão por Competências. 6.ed. São Paulo: editora gente, 2001.

EPSTEIN, J. J. Reducing turnover through training. High Volume Printing, v. 17, p. 20-24, Oct. 1999.

FERNANDES, Almir. Administração Inteligente: Novos caminhos para as organizações do século XXI. São Paulo: Futura, 2001.

FERREIRA, M. C.; FREIRE, O. N. Carga de trabalho e rotatividade na função de frentista. Revista de Administração Contemporânea. Brasília, v.5, n.2, p. 175-200, mai./ago. 2001.

FRANÇA, Ana Cristina Limongi. Práticas de recursos humanos PRH: conceitos, ferramentas e procedimentos. São Paulo: Atlas, 2007.

FRUFREK, Guilherme Luiz. Um estudo sobre a rotatividade de pessoal entre profissionais de empresas brasileiras de desenvolvimento de software. 2015. Dissertação de Mestrado. Universidade Tecnológica Federal do Paraná.

GERHARDT, Tatiana Engel, SILVEIRA, Denise Tolfo. Métodos de Pesquisa. Porto Alegre: Editora da URRGS, 2009.

LACOMBE, Francisco. Recursos Humanos: princípios e tendências. São Paulo: Saraiva, 2011. LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

LORGE, S.When turnover isn’t so bad. Sales and Marketing Management. New York: v.151, p. 9-13, september 1999.

LUCENA, Maria Diva T. Boudreau, John W. Administração de recursos humanos. São Paulo: Atlas 2008.

LUNARDI FILHO, W. D. Prazer e sofrimento no trabalho: contribuições à organização do processo de trabalho de enfermagem. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 50, n.1, p. 77-92, jan./mar. 1997.

LUZ, Ricardo. Gestão do clima organizacional. Rio de Janeiro: Qualitymark. 2012.

MARRAS, Jean Pierre. Administração de Recursos Humanos: do operacional ao estratégico. 4. ed. São Paulo: Futura, 2001.

MARRAS, Jean Pierre. Administração de Recursos Humanos: do operacional ao estratégico. 13.ed. São Paulo: Saraiva, 2009.

MARZIALE, Maria Helena Palucci; ROBAZZI, Maria Lúcia do Carmo Cruz. O trabalho de enfermagem e a ergonomia. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 8, n. 6, p. 124-127, 2000.

MEDEIROS, Rochele Kaline Reis de; ALVES, Rafaela da Cunha; RIBEIRO, Sidney Roberto S. Turnover: Uma análise dos fatores que contribuem para a decisão de sair da empresa dos colaboradores da alfa comércio ltda. Revista Connexio, v.2, n.1, p.115-126, 2012.

MEZOMO, J. C. Administração de Recursos Humanos no Hospital. São Paulo: Centro São Camilo de Desenvolvimento em Administração da Saúde, 1991.

OLIVEIRA, Manoela Ziebell de; BERIA, Francielle Machado; GOMES, William Barbosa. Validityevidence for the turnover andattachment motives survey (TAMS) in a brazilian sample. Paidéia (Ribeirão Preto), v. 26, n. 65, p. 333-342, 2016.

PEREIRA, Maria Célia Bastos. RH essencial. São Paulo: Saraiva, 2014.

PEROCHIN, Karina; SILVA, Itacir Alves. Rotatividade e retenção de talentos nas empresas de TI de Caxias do Sul/RS. Anais-Seminário de Iniciação Científica de Ciências Contábeis, v. 6, n. 1, p. 111-131, 2016.

SALIBI NETO, J. O sucesso é ser equilibrado. HSM Management, São Paulo: v.6, n.32, maio/jun.2002.

SANT’ANNA, Anderson de Souza; MORAES, Lúcio Flávio Renault de; KILIMNIK, Zélia Miranda. Competências individuais requeridas, modernidade organizacional e satisfação no trabalho: uma análise de organizações mineiras sob a ótica de profissionais da área de administração, Caderno de Ideias- CIO 208, Fundação Dom Cabral, Minas Gerais, ago. 2002.

SEBRAE NACIONAL, 2016. Saiba o que é turnover e entenda o impacto da rotatividade no negocio.Acesso em: 12 out. 2017.

SILVA, E. M. da S. Os efeitos da liderança na retenção de talentos um estudo sobre comprometimento e rotatividade numa indústria petroquímica. 2006. Dissertação (Mestrado Profissionalizante em Administração) – IBMEC, Rio de Janeiro, 2006.

SILVA, Mônica Lyra Moreira da. Percepção dos trabalhadores de um restaurante da Grande Florianópolis em relação à rotatividade. Psicologia-Pedra Branca, 2009

SILVA, Monike Cristina da. Rotatividade de Funcionários: Um estudo na empresa Autoposto Modesto Ltda. 2011. 90f. Trabalho de Conclusão de Estágio. Universidade do Vale do Itajaí, Tijucas, 2011.

SILVA, Rafael José. Turnover nas indústrias frigoríficas do município de Cacoal/RO. 29f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Administração) - Universidade Federal de Rondônia, Cacoal, 2014. SOUZA, E. B. Motivação para o trabalho: um estudo de caso para operadores da PETROBRAS – Refinaria Presidente Getúlio Vargas. Florianópolis, 2001. 110f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) -Programa de Pós graduação em Engenharia de Produção, UFSC, 2001.

SOUZA, Silvana Regina Rossi Kissula et al. A rotatividade e as condições de trabalho dos profissionais de enfermagem: um enfoque da ergonomia. 2003. 139f. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Tecnológico. Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Florianópolis, 2003.

TORRES, E. F.; OLIVEIRA, J. A. A Influência do Clima Organizacional no Alcance da Efetividade Organizacional em Indústrias do Setor Alimentício utilizando o Modelo ASH (2007). Anais do encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração. Rio de Janeiro–RJ, Brasil, p. 16, 2014.

VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 10.ed. São Paulo: Atlas, 2009.

VROOM, Vítor H. Gestão de Pessoas, não de pessoal: Os melhores métodos de motivação e Avaliação de desempenho. 8.ed. Rio de Janeiro: Campus. 2002. 274 p.

WISNER, A inteligência no trabalho: textos selecionados de ergonomia. São Paulo: Fundacentro, 1994.




DOI: https://doi.org/10.21576/rpa.2019v17i2.607

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Priscila Cristina da Silva, Letícia Maia do Nascimento, Ana Cristina Marques de Carvalho

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.