GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA: ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO REALIZADO NA CIDADE DE MANHUAÇU - MG

Humberto Tostes de Faria Sucasas, Guilherme Vieira Borchio Ribeiro, Emanuel Costa Sales, Heytor dos Santos Flora, Juliana Santiago da Silva

Resumo


A gravidez na adolescência é considerada por muitos como um problema de saúde pública. No Brasil os índices de fecundidade, que é o número de crianças nascidas por mulher, vem diminuindo, mas mesmo com o aumento da divulgação dos métodos contraceptivos, o número de registros de adolescentes grávidas é algo que chama atenção. O presente artigo visa mostrar uma nova concepção sobre a temática. Para isso foi realizado um estudo epidemiológico na cidade de Manhuaçu com o objetivo de comparar os dados coletados, relacionados ao tema, nas esferas municipal e nacional, podendo servir de embasamento para futuras pesquisas que visem intervenções neste âmbito. Foram elaborados gráficos que ilustraram uma proximidade entre os dados do município e os do país. Todavia foi observado um número maior de adolescentes grávidas na cidade em estudo.  Algumas concepções não consideram apenas a baixa idade materna como um determinante de adversidades. Deste modo, o que as causariam seriam fatores socioeconômicos e culturais, os quais acometem com maior frequência as jovens, e por isso é feita uma errônea associação.

Texto completo:

PDF

Referências


BONETTO, D. Gravidez na adolescência. In: LIMA, A. M. S. et al. Complexidades: Redes e conexões do ser sustentável. Curitiba: Kairós, 2014.

BRASIL. Lei n° 8.069, de 13 de julho de 1990. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 16 jul. 1990. seção 1, p. 1.

CAPUTO, V.G., BORDIN, I. A. Gravidez na adolescência e uso frequente de álcool e drogas no contexto familiar. Revista de Saúde Pública, 2008;42(3):402-10. Disponível em; Acesso em: 31 ago, 2015.

CAROLAN, M.; DAVEY, M. A.; BIRO, M. A.; KEALY, M. Older maternal age and intervention in labor: a population-based study comparing older and younger first-time mothers in Victoria, Australia. Birth, v. 38, n. 1, p. 24-29, 2011.

CHALEM, E., et al. Gravidez na adolescência: perfil sócio-demográfico e comportamental de uma população da periferia de São Paulo, Brasil. Cad Saude Publica 2007 jan; 23(1): 177-78.

COSTA, E. L.;SENA, M. C. F.; DIAS, A. Gravidez na adolescência: determinante para prematuridade e baixo peso. Com. Ciências Saúde, v. 22, p. 183-187, 2011.

DATASUS. Disponível em: . Acesso em: 26 de ago. de 2015.

FERRARI, R. A. P.; THOMSON, Z.; MELCHIOR, R. Adolescência: ações e percepção dos médicos e enfermeiros do Programa Saúde da Família. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, SP, v. 12, n. 25, p. 387-400, 2008.

FILHO, N. A.; MEDRONHO, R. A. Formação Histórica da Epidemiologia. In: MEDRONHO, R. A. et al. (Org.). Epidemiologia. 2. ed. São Paulo: Atheneu, 2009.

GHELMAN, R. Uma visão fenomenológica do sistema endócrino. Arte Médica Ampliada Ano 30, n.3, 2010, p. 7.

HOGA, L. A. K. et al. Razões e reflexos da gravidez na adolescência: Narrativas dos membros da família, Escuela Anna Nery Revista de Enfermagen 2010 jan-mar; 14 (1): 151-57.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. IBGE, 2009. Disponível em: . Acesso em: 29 de dez. de 2015.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. IBGE, 2010. Disponível em: . Acesso em: 02 de jan. de 2016.

LAWLOR, D. A.; SHAW, Mary. Too much too young? Teenage pregnancy is not a public health problem. International Journal of Epidemiology, v.31, n.3, p.552-553, 2002. Disponível em: < http://ije.oxfordjournals.org/content/31/3/552.full>. Acesso em: 24 ago. 2015.

MONTEIRO, C. F.; COSTA, N. S. S.; NASCIMENTO, P. S. V.; AGUIAR, Y. A. A violência intra-familiar contra adolescentes grávidas. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 60, n. 4, p. 373-376, 2007.

NUSSBAUM, R. L. et al. Thompson & Thompson: Genética Médica. 7ed, Rio de Janeiro: Elsevier, 2008, p. 94.

PEREIRA, M. G. Epidemiologia: Teoria e Prática. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2012.

SALEM, K.B.; MHAMDI, S.E.; AMOR, I.B.; SRIHA, A.; LETAIEF, M.; SOLTANI, M.S. Caracteristiques epidemiologiques et chronologiques des parturientes aux ages extremes dans la región de Monastir entre 1994-2003. La Tunisie Médicale, v. 88, n. 8, p. 563-568, 2010.

SOARES, Maria Isolina de Castro. Leitura e Práticas De Pesquisa. In: Medeiros, Ilalzina Maria da Conceição et al. (Org.). Diálogos sobre a educação profissional e tecnológica: saberes, metodologia e práticas pedagógicas. Colatina: IFES, 2011.

Sociedade Civil Bem-Estar no Brasil - BENFAM. Pesquisa nacional sobre demografia e demografia e saúde 1996. Rio de Janeiro: BENFAM. 1997.

VIELLAS, E. F; . Gravidez recorrente na adolescência e os desfechos negativos no recém-nascido: um estudo no município do Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Epidemiologia, São Paulo, v. 15, n. 3, p. 443-54, maio. 2012.

WHO, WORLD HEALTH ORGANIZATION. Young People's Health - a Challenge for Society. Report of a WHO Study Group on Young People and Health for All. Technical Report Series 731. Geneva: WHO, 1986.




DOI: http://dx.doi.org/10.21576/rpa.2017v15i1.8

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Juliana Santiago da Silva

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.