EDUCAÇÃO PROFISSIONALIZANTE: ESTUDO SOBRE A GESTÃO DA ARQUITETURA INSTITUCIONAL NO BRASIL

Kéthuly Arbuíni Souza

Resumo


O artigo possui como objetivo investigar acerca da produção de arquitetura institucional no Brasil, especificamente sobre os centros de educação profissionalizante. A educação superior nacional passou a ser tema de discussão em nas relações políticas a partir de 1929, após a crise, quando o governo se viu obrigado a criar uma política de produção nacional, a fim de diminuir os investimentos com importação, culminando para a criação das primeiras universidades e centros profissionalizantes brasileiros com o objetivo de criar uma nova tipologia de trabalhador, mais instruído e qualificado para se adaptar a indústria e comércio que estavam em desenvolvimento no país. A partir de pesquisas em referenciais bibliográficos e estudos de casos da rede de instituições de ensino e profissionalização conhecida como “Sistema S”, pode-se concluir que a mesma se constitui, atualmente, como uma das principais e mais acessíveis formas de jovens e adultos ingressarem em instituições de ensino superior. A preocupação com a situação econômica do país e a inclusão social também se faz presente nas instalações das unidades do “Sistema S”, uma vez que, segundo os estudos de caso realizados, as instituições proporcionam o acesso público a programas culturais áreas de lazer como praças e áreas de convivência e possuem em suas unidades, a preocupação com o projeto arquitetônico, se destacando a percepção ambiental, o programa de necessidades e funcionalidade dos edifícios e, principalmente, o bem-estar e a satisfação dos usuários.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.