ESTUDO DOS FATORES DE RISCO DEVIDO A ALTA PREVALÊNCIA DE COLECISTITE

Heytor dos Santos Flora

Resumo


A colecistite é uma inflamação da parede da vesícula biliar, que em 95% dos casos ocorre como consequência de um cálculo, chamado assim, colelitíase. O primeiro sintoma é a cólica biliar, que é resultado de uma impactação temporária de um cálculo. Com o decorrer da patologia, poderá ocorrer inflamação, que ocasionará na chamada colecistite. Estima-se que mais de 259 mil pacientes foram internados em hospitais por colecistite no ano de 2017, causando uma taxa de prevalência de 125 internações para cada 100 mil habitantes. Em Minas Gerais os valares ultrapassam a prevalência do país, chegando a uma taxa de 128 internações para cada 100 mil habitantes no ano de 2017. Foi realizado um estudo observacional transversal. Durante o segundo semestre de 2018, foram entrevistados 48 adultos. Nesse sentido, considerando Manhuaçu uma Região de Saúde, a qual atende à 23 municípios, incluindo Manhumirim, torna-se necessário investigar fatores de risco que estejam relacionados com o aumento da prevalência da colecistite. A coleta de dados foi realizada a partir aplicação de um questionário, com 15 perguntas de múltipla escolha. Os resultados mostram um predomínio da prevalência na faixa etária superior aos 40 anos; Sexo feminino, cor autodeclarada branca e histórico familiar de 1º grau também mostram uma relação; IMC e hábitos de vida inadequados (tabagismo, etilismo, pouca atividade física, alimentação a base de carboidratos e gordura) sugerem uma predisposição a colecistite; e quanto as doenças, as mais frequentes foram as associações de diabetes, hipertrigliceridemia e hipertensão. Não foi constatada nenhum fator de risco diferente da literatura entretanto, a alta prevalência na região de saúde de Manhuaçu é notória

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.