“SÓ PODIA SER MULHER!” UMA ANÁLISE SOB A ÓTICA FEMININA A RESPEITO DE PROFISSÕES MASCULINAS

Maria Rita Louzano de Souza

Resumo


Desde a revolução industrial a mulher deixou de ser apenas dona de casa ingressando no mercado de trabalho. Isso se intensificou com a revolução feminina em 1968, conquistando ainda mais seu espaço e passando a ocupar também áreas antes dominadas pela cultura masculina. Diante disso, o principal objetivo deste estudo consistiu em analisar como se configura o cotidiano de trabalho das mulheres que exercem profissões culturalmente realizadas por homens, identificando as limitações e preconceito decorrente de sua ocupação, e como são percebidas essas relações no contexto social. A pesquisa foi realizada por meio de um estudo de caso descritivo, em uma abordagem qualitativa. Utilizou-se como instrumento de coleta de dados, a entrevista semiestruturada e como técnica de análise, a análise de conteúdo. O estudo mostra que mesmo sendo cada dia mais comum mulheres em profissões masculinas, elas ainda sofrem preconceitos, são tratadas de modo diferenciado em relação aos homens, e recebem ofensas e comentários críticos. O gênero masculino duvida de suas habilidades e competências, não acreditando em sua capacidade, o que contribui para que não tenham as mesmas oportunidades no mercado de trabalho. Em algumas situações, mesmo possuindo escolaridade de nível superior e gozarem de maior experiência profissional, são trocadas pelos profissionais do sexo masculino. Entretanto, mesmo diante desse contexto, as mulheres alegaram sentirem-se realizadas e satisfeitas com suas profissões.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.