ESTUDO DOS FATORES DE RISCO DEVIDO A ALTA PREVALÊNCIA DE COLECISTITE

Heytor dos Santos Flora, Juliana Santiago Silva

Resumo


A colecistite é uma inflamação da parede da vesícula biliar que, em 95% dos casos, ocorre como consequência de um cálculo, chamado assim, colelitíase. O primeiro sintoma é a cólica biliar, que é resultado de uma impactação temporária de um cálculo. Com o decorrer da patologia, poderá ocorrer inflamação, que ocasionará na chamada colecistite. Estima-se que mais de 259 mil pacientes foram internados em hospitais por colecistite no ano de 2017, causando uma taxa de prevalência de 125 internações para cada 100 mil habitantes. Em Minas Gerais, os valores, ultrapassam a prevalência do país, chegando a uma taxa de 128 internações para cada 100 mil habitantes no ano de 2017. Este, é um estudo observacional transversal, o qual foi realizado durante o segundo semestre de 2018. Foram entrevistados um total de 48 adultos. Nesse sentido, considerando Manhuaçu uma Região de Saúde, a qual atende à 23 municípios, incluindo Manhumirim, torna-se necessário investigar fatores de risco que estejam relacionados com o aumento da prevalência da colecistite. A coleta de dados foi realizada a partir da aplicação de um questionário, com 15 perguntas de múltipla escolha. Os resultados mostram um predomínio da prevalência na faixa etária superior aos 40 anos. A atividade física pouco frequente, e alimentação a base de carboidratos e gordura sugerem uma predisposição a colecistite; e quanto as doenças, as mais frequentes foram as associações de diabetes, hipertrigliceridemia e hipertensão. Não foi constatada nenhum fator de risco diferente da literatura. Entretanto, a alta prevalência na região de saúde de Manhuaçu é notória.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério da Saúde. Informações de saúde. Informações epidemiológicas e morbidade. Brasília: Ministério da Saúde, 2018. Disponível em: < http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?sih/cnv/niMG.def>. Acesso em: 24 março. 2018.

CHANDRAM, A.P, et al. Risk factors for choledocholithiasis in a South Indian population: A case-control study. Indian J Gastroenterol, v.6, p. 381-385, 2013. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24068510> Acesso em: 24 março. 2018.

FRIEDRICH, N., et al . Known risk factors do not explain disparities in gallstone prevalence between Dennmark and northeast Germany. The American Journal of Gastroenterology, v. 104, p 89-85, 2009. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19098855. Acesso em 04 maio. 2018.

GANGEMI, A, et al. Risk fators for open conversion in minimally invasive cholecystectomy. Journal of the Society of laparoendoscopic surgeons, v 4, 2017. Disponivel em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5714218/. Acesso em: 24 março 2018.

NUNES, E. C et al. Internações por colecistite e colelitiase no Rio Grande do Sul, Brasil. ABCD Arq Bras Cir Dig, v.29, p.77-80, 2016. Disponível em: Acesso em: 24 março. 2018.

LI, X, et al. Gallstones in patients with chronic liver diseases. BioMed Research International, 2017. Disponível em:

MINAS GERAIS. Secretaria de Saúde. Superintendências Regionais de Saúde (SRS) e Gerências Regionais de Saúde (GRS). Belo Horizonte: SES, 2018. Disponível em: Acesso em: 24 março. 2018.

SANKARANKUTTY, A, et al. Colecistite aguda não complicada: colecistectomia laparoscópica precoce ou tardia? Rev. Col. Bras. Cir, v.5, p.436-440, 2012. Disponível em:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-69912012000500017> Acesso em: 24 março. 2018

SHAFFER, E. A. Epidemiology of gallbladder stone disease. Best Practice & Research Clinical Gastroenterology, v.20, p. 981-996, 2006. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17127183> Acesso em: 24 março. 2018

TOWNSEND, C. M, et al. Sabiston: Tratado de Cirurgia: A Base da Prática Cirúrgica Moderna. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.


Apontamentos