FATORES AMBIENTAIS E COMPORTAMENTAIS DO HOMEM RELACIONADOS À INCIDÊNCIA DE CASOS DE LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA.

Hellen Daianny de Freitas Serpa, Cyntia Dias Donato, Maria Rosa Pim Moreno, Ríudo Paiva Ferreira, Juliana Santiago da Silva

Resumo


Sabe-se que a Leishmaniose é pertencente a um complexo de doenças e variedades epidemiológicas. É também considerada um grande problema na saúde pública. Em média, no país, é predominante no sexo masculino (74% no ano de 2014) e em indivíduos maiores de 10 anos (92,5% do total de casos). Entretanto, a doença pode atingir ambos os sexos e todas as idades. O objetivo geral é analisar os fatores ambientais e comportamentais que podem estar relacionados ao aparecimento de casos de Leishmaniose Tegumentar na área rural de São José do Meriti, pertencente à Ibatiba – ES. Trata-se de uma pesquisa de caso controle, explorando o assunto epidemiológico de determinada doença e região, procurando identificar e analisar as fontes associadas à manifestação incomum, no número de casos registrados em um curto período de tempo. A análise dos resultados permite reconhecer que o comportamento humano está relacionado ao acometimento da LTA. Os dados mostram a prevalência no número de casos em indivíduos que tem ocupação agrícola e que adentram em matas, e até mesmo àqueles que residem em locais próximos às matas e vegetações fechadas.

Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, Gelcilio Coutinho et al. Foco de leishmaniose tegumentar americana nos municípios de Viana e Cariacica, Estado do Espírito Santo, Brasil. Revista de Saúde Pública, v. 19, p. 146-153, 1985.

BASANO, Sergio de Almeida; CAMARGO, Luís Marcelo Aranha. Leishmaniose tegumentar americana: histórico, epidemiologia e perspectivas de controle. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 7, p. 328-337, 2004.

BRASIL. Ministério da Saúde. Diagnóstico Clínico. In:__. Manual de Vigilância da Leishmaniose Tegumentar. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde 2017. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_vigilancia_leishmaniose_tegumentar.pdf. Acesso em: 03 Set. 2018.

CIDADES, IBGE. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/es/ibatiba/panorama. Acesso em: setembro, 2018.

COSTA, J. M. L. Epidemiologia das Leishmanioses no Brasil. Gazeta Médica da Bahia, v. 75, n.1, p.3-17, 2005.

FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE (BRAZIL); CENTRO NACIONAL DE EPIDEMIOLOGIA (BRAZIL). UNIDADE DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA. Manual de controle da leishmaniose tegumentar americana. Ministério da Saúde, 2000.

GONTIJO, Célia Maria Ferreira; MELO, Maria Norma. Leishmaniose visceral no Brasil: quadro atual, desafios e perspectivas. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 7, p. 338-349, 2004.

LESSA, Marcus Miranda et al. Leishmaniose mucosa: aspectos clínicos e epidemiológicos. Brazilian Journal of Otorhinolaryngology, v. 73, n. 6, p. 843-847, 2007.

LIMA, Airton Pereira et al. Distribuição da leishmaniose tegumentar por imagens de sensoreamento remoto orbital, no Estado do Paraná, Brasil Tegumentary leishmaniasis distribution by satellite remote sensing imagery, in Paraná State, Brazil. An Bras Dermatol, v. 77, n. 7, p. 681-692, 2002.

MENEZES, Júlia Alves et al. Fatores de risco peridomiciliares e conhecimento sobre leishmaniose visceral da população de Formiga, Minas Gerais. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 19, p. 362-374, 2016.

MUNIZ, Luís Henrique Garcia et al. Estudo dos hábitos alimentares de flebotomíneos em área rural no sul do Brasil. Revista de Saúde Pública, v. 40, p. 1087-1093, 2006.

OLIVEIRA, et al. Leishmaniose tegumentar americana no município de Jussara, estado do Paraná, Brasil: série histórica de 21 anos. Revista de Saúde Pública do Paraná, Londrina, v.17, n.2, p. 59-65, dez. 2016.

REIS, Cassia Barbosa; ANDRADE, Sonia Maria Oliveira; CUNHA, Rivaldo Venâncio da. Responsabilização do outro: discursos de enfermeiros da Estratégia Saúde da Família sobre ocorrência de dengue. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 66, n. 1, p. 74-78, 2013.

RIBEIRO, Dhener Hebart; DE MORAES, Sinara Cristina; KATAGIRI, Satie. Fatores de risco, controle e profilaxia da leishmaniose tegumentar americana no município de Nobres–Mato Grosso/Risk factors, control and prophylaxis of american cutaneous leishmaniasis in the municipality of Nobres–Mato Grosso. Brazilian Journal of Health Review, v. 1, n. 1, p. 81-95, 2018.

SANTOS, Juliana Lúcia Costa et al. American cutaneous leishmaniasis among Xakriabá indians: images, ideas, conceptions, and strategies for prevention and control. Saúde e Sociedade, v. 23, n. 3, p. 1033-1048, 2014.

TEODORO, Ueslei et al. Observações sobre o comportamento de flebotomíneos em ecótopos florestais e extraflorestais, em área endêmica de leishmaniose tegumentar americana, no norte do Estado do Paraná, sul do Brasil. Revista de Saúde Pública, v. 27, p. 242-249, 1993.

VIANA, Agostinho Gonçalves et al. Aspectos clínico-epidemiológicos da leishmaniose tegumentar americana em Montes Claros, Minas Gerais. REVISTA MÉDICA DE MINAS GERAIS-RMMG, v. 22, n. 1, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.