VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: UMA PROBLEMÁTICA DE SAÚDE PÚBLICA

Iara Duarte Moreira, Thiara Guimarães Heleno de Oliveira Pôncio, Márcio Rocha Damasceno

Resumo


O presente trabalho abordou uma temática de extrema relevância, dissertando a respeito da violência doméstica ou intrafamiliar, que se especifica em “violência física”, “violência psicológica”, “violência patrimonial”, “violência moral” e “violência sexual”. Entendendo que um número considerável de mulheres no contexto nacional são vítimas das variadas manifestações de violência doméstica, o que se configura como um problema de saúde pública. O presente estudo pretendeu evidenciar mais especificamente a violência psicológica ou emocional, que se encontra em primeiro ou em segundo lugar entre as violências mais preponderantes em algumas pesquisas, sendo muito disseminada entre os casais, através de agressões verbais, ameaças e humilhações que são prejudiciais para a autoestima e a saúde mental da mulher, mas também muito silenciada e de difícil identificação, a ponto de muitas das vítimas permanecerem nesses relacionamentos, caracterizados como abusivos.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, A., LORENÇO, L, M. Como a violência doméstica/intrafamiliar foi vista ao longo do tempo no Brasil: breve contextualização. Perspectivas en Psicología: Revista de Psicología y Ciencias Afines [en linea] 2012 Disponível em: http://www.redalyc.org/html/4835/483549016003/index.html

BARROS, E, N., et al. Prevalência e fatores associados à violência por parceiro íntimo em mulheres de uma comunidade em Recife/Pernambuco, Brasil. Ciênc. saúde coletiva [online]. 2016, vol.21, n.2, pp.591-598. ISSN 1413-8123. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/?term=Prevalence+and+factors+associated+with+intimate+partner+violence+among+women+in+Recife%2FPernambuco%2C+Brazil

BARUFALDI, L, A., et al. Violência de gênero: comparação da mortalidade por agressão em mulheres com e sem notificação prévia de violência. Ciênc. saúde coletiva vol.22 no.9 Rio de Janeiro Sept. 2017 Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/?term=Gender+violence%3A+a+comparison+of+mortality+from+aggression+against+women+who+have+and+have+not+previously+reported+viol%C3%AAncia

BRASIL. Código Penal Brasileiro. Lei nº 13.104/2015. Março. 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13104.htm

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm

BRASIL. Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. Secretaria Nacional de Políticas para Mulheres (SNPM). c 2019. Disponível em:

https://www.mdh.gov.br/navegue-por-temas/politicas-para-mulheres

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Violência intrafamiliar: orientações para a prática em serviço. Brasília: Ministério da Saúde, 2001. (Caderno de Atenção Básica, 8) Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cd05_19.pdf

BRASIL. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. Balanço 1º Semestre 2016. Brasília, DF, 2016. Disponível em:

https://assetscompromissoeatitudeipg.sfo2.digitaloceanspaces.com/2016/08/SPM_Ligue180_balanco1osemestre2016.pdf

CASIQUE CASIQUE L, FUREGATO ARF. Violence against women: theoretical reflections. Rev Latino-am Enfermagem 2006 novembro-dezembro Disponível em: www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17294031

DATASENADO. Violência doméstica e familiar contra a mulher. Pesquisa DataSenado Brasília – DF, Junho, 2017. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/institucional/datasenado/arquivos/aumenta-numero-de-mulheres-que-declaram-ter-sofrido-violencia

DANTAS-BERGER, S., GIFFIN, K. A violência nas relações de conjugalidade: invisibilidade e banalização da violência sexual? Cad. Saúde Pública vol.21 no.2 Rio de Janeiro Mar./Apr. 2005 Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/?term=Violence+in+conjugal+relations%3A+concealing+and+taking+sexual+violence+for+granted

DAY, V, P., et al. Violência doméstica e suas diferentes manifestações. Rev. psiquiatr. Rio Gd. Sul [online]. 2003, vol.25, suppl.1, pp.9-21. ISSN 0101-8108. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-81082003000400003

GIFFIN, Karen. Violência de gênero, sexualidade e saúde. Cad. Saúde Pública [online]. 1994, vol.10, suppl.1, pp.S146-S155. ISSN 0102-311X. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X1994000500010

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Estatísticas de Gênero Indicadores sociais das mulheres no Brasil. Estudos e Pesquisas Informação Demográfica e Socioeconômica, nº 38, 2018. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101551_informativo.pdf

JEWKES, R. Intimate partner violence: causes and prevention. The Lancet, 359(9315), 1423–1429. ABRIL 2002 Disponível em:

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11978358

KARAKURT, G., et al. Impact of Intimate Partner Violence on Women’s Mental Health. Author manuscript; available in PMC 2015 Oct 1 Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4193378/

LEITE, F, M, C., et al. Violência contra a mulher em Vitória, Espírito Santo, Brasil. Rev Saúde Pública 2017;51:33c.

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5396495/

LEVY, L., GOMES, I. C. Relação Conjugal, Violência Psicológica E Complementaridade Fusional. Psic. Clin., Rio De Janeiro, Vol.20, N.2, P.163 – 172, 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pc/v20n2/a12v20n2.pdf

MARQUES, S, S., et al. Strategies for identification and coping with the violence situation by intimate partners of pregnant women. Rev. Gaúcha Enferm. [online]. 2017, vol.38, n.3, e67593. Epub Apr 05, 2018. ISSN 1983-1447. Disponível em:

http://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2017.03.67593

MENDONÇA, M, F, S., LUDERMIR, A, B. Intimate partner violence and incidence of common mental disorder. Rev Saúde Pública 2017;51:32. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5396502/

NETTO, L, A., et al. Mulheres em situação de violência pelo parceiro íntimo: tomada de decisão por apoio institucional especializado. Rev. Gaúcha Enferm. vol.36 no.spe Porto Alegre 2015. Disponível em:

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S198314472015000500135&lng=en&nrm=iso&tlng=en

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Prevenção da violência sexual e da violência pelo parceiro íntimo contra a mulher: ação e produção de evidência. Washington: OMS; 2010. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/44350/9789275716359_por.pdf?sequence=3

RIBEIRO, Celina Marques. Intervenção psicológica em mulheres vítimas de violência doméstica. Revista Brasileira de Psicologia, 04(01), Salvador, Bahia, 2017 Disponível em: http://revpsi.org/wp-content/uploads/2018/02/Ribeiro-2017-Interven%C3%A7%C3%A3o-psicol%C3%B3gica-em-mulheres-v%C3%ADtimas-de-viol%C3%AAncia-dom%C3%A9stica.pdf

ROSA et al. A Violência Conjugal Contra a Mulher a Partir da Ótica do Homem Autor da Violência. Saúde Soc. São Paulo, v.17, n.3, p.152-160, 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902008000300015〈=pt

SILVA, L.L. et al. Violência silenciosa: violência psicológica como condição da violência física doméstica. Interface -Comunic., Saúde, Educ., v.11, n.21, p.93-103, jan/abr 2007.

Disponível em:

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832007000100009

VALE, S, L, L., et al. Repercussões Psicoemocionais da Violência Doméstica: Perfil de Mulheres na Atenção Básica. Rev Rene. 2013; 14(4):683-93 http://www.redalyc.org/pdf/3240/324028459004.pdf


Apontamentos

  • Não há apontamentos.