A NEUROARQUITETURA APLICADA A INSTITUIÇÕES DE LONGA PARMANÊNCIA PARA IDOSOS: ESTUDO DE CASO EM CHALÉ-MG

Lays Emerich Oliveira Goulart, Lidiane Espindula, Mariana de Castro Pereira Pontes Papa

Resumo


Como resultado do aumento na expectativa de vida, o número de idosos cresce ano após ano no Brasil. Consequentemente, nota-se uma demanda maior pelas Instituições de Longa Permanência, popularmente conhecidas como “Asilos”. Logo, com base nas pesquisas de Neuroarquitetura, que é o estudo e a utilização estratégica do impacto do ambiente no comportamento das pessoas, o presente trabalho analisa de que maneira a arquitetura pode contribuir com as necessidades físicas e mentais dos idosos durante o envelhecimento. A pesquisa possui natureza qualitativa, na concepção das informações, lindando com análises de estudos bibliográficos e estudos de casos e foi realizado em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos na cidade de Chalé/MG. O resultado das pesquisas expôs inúmeros problemas decorrentes de falhas arquitetônicas que possibilitaram contribuir de uma forma geral para concepção e melhoria dos futuros projetos de arquitetura de Instituições de Longa Permanência para Idosos. 

Texto completo:

PDF

Referências


Com o presente artigo foi possível observar a importância dos espaços na arquitetura direcionada a Instituições de Longa Permanência para idosos. De acordo com as ideias dos autores citados ao longo da pesquisa, essa qualidade retrata a contribuição para a melhor qualidade de vida dos idosos, tal como a apropriação do espaço e o enlace afetuoso com o ambiente.

Com base nessas ideias, é possível compreender que alguns elementos são determinantes na construção da edificação, por exemplo, as dimensões dos ambientes, a localidade dos banheiros, as demais dependências das fundações sendo acessíveis, a iluminação e a ventilação. Também é possível citar três fatores importantes que contribuem para o planejamento de espaços, são eles: a possibilidade de interação entre os idosos, possibilidade de transformação dos espaços para adequação às necessidades com seus costumes com objetos pessoais e a privacidade.

Com base no que foi estudado, observado e pesquisado durante a elaboração deste artigo, nota-se que há uma preocupação com o conforto, criando espaços que despertam a criatividade e o interesse dos idosos. Os resultados obtidos com esta pesquisa permitem inferir que o ambiente, por meio da ergonomia, do conforto ambiental, térmico e acústico, da luminotécnica, além de outros fatores arquitetônicos, pode melhorar a qualidade de vida dos idosos, promovendo assimilação do espaço.

Ao analisar as instituições citadas em estudos de casos, lar de idosos em Perafita, Lar de Idosos Peter Rosegger, Fundação de Assistência ao Idoso Carente Cristiano Alexandre Garonci Fulanette, é possível observar que é uma boa opção trazer inovação e buscar um diferencial para valorizar esse tipo de projeto, que ainda não é visto como algo importante para a população. Portanto, leva a entender que é possível fazer um bom trabalho independente do espaço que será usado, desenvolvendo soluções que se adaptam a cada tipo de problema.

REFERÊNCIAS

ALENCAR M. A.; ALMEIDA R. D. S.; BRUCK, N. N. S.; CÂMARA, T. M. M.; PEREIRA, B.C. Perfil dos idosos residentes em uma instituição de longa permanência. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v.15, n.4, p.785-796, 2012.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9050: Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Rio de Janeiro, 2015. Disponível em: < http://www.ufpb.br/cia/contents/manuais/abnt-nbr9050-edicao-2015.pdf>. Acesso em 01/04/2019

BERTOLETTI, Roberta. Uma Contribuição da arquitetura para a reforma psiquiátrica: estudo no Residencial Terapêutico Morada São Pedro em Porto Alegre. Florianópolis, SC, 2011. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Tecnológico, Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Florianópolis, 2010.

BINS ELY, Vera Helena Moro. A Moradia está Adequada às Necessidades do Idoso? In: IV WORSHOP DE ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO – 2009, jul, 2009.

BRASIL. Resolução RDC n.º 283, de 26 de setembro de 2005. Art. 1° - Aprovar o Regulamento Técnico que define normas de funcionamento para as Instituições de Longa Permanência para Idosos – de caráter residencial– na forma do Anexo desta Resolução. Diário Ofcial daUnião, Brasília, 2005.

BRASIL. Leis. Lei n° 8.842 jan. 1994. Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências. Diário Oficial, Brasília, 5 jan. 1994.

BRASIL. Leis. Lei n° 10.741 out. 2003. Dispõe sobre o Estatuto do Idoso e dá outras providências. Diário Oficial, Brasília, 3 out. 2003.

CAMARANO, A. A.; CHRISTOPHE, M. Dos asilos às instituições de longa permanência: uma história de mitos e preconceitos. In: CAMARANO, Ana Amélia. Cuidados de longa duração para idosos: um risco a ser assumido? Rio de Janeiro: Ipea, 2010.

CARLI, Sandra M. M. P. Habitação adaptável ao idoso: um método para projetos residenciais. 2004. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, Centro Tecnológico, São Paulo, 2004.

CHALÉ, Prefeitura de Chalé. A História de Chalé. Chalé-MG, 2015. Disponível em:< https://www.chale.mg.gov.br/copia-historia >. Acesso em: 12/04/19

CUNHA, Angélica Rangel do Nascimento. Creche Para Idosos: Creche Para Idosos: Um Novo Campo de Atuação para Pedagogos.Um Novo Campo de Atuação para Pedagogos. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 03, Ed. 04, Vol. 05, pp. 107-118, 2018.

FLORES, Angela Rossane Benedetto. Interferência da afetividade no projeto de habitação da terceira idade. Florianópolis, SC, 2010. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Tecnológico, Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Florianópolis, 2010.

GIFFORD, Robert. Environmental psychology: principles and practice. Massachusetts: Allynand Bacon Inc., 1987.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Síntese e Indicadores Sociais. 2017. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/condicaodevida/indicadoresminimos/sinteseindicsociais2017/SIS_2017.pdf. Acesso em:10/03/2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Síntese e Indicadores Sociais. 2018. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/condicaodevida/indicadoresminimos/sinteseindicsociais2018/SIS_2018.pdf. Acesso em:10/03/2019.

LEITÃO, Lúcia. Espaço do abrigo? Espaço do afeto! In: PROJETO DO LUGAR: COLABORAÇÃO ENTRE PSICOLOGIA, ARQUITETURA E URBANISMO, 2002, Rio de Janeiro: Contra Capa, 2002. p. 365-369.

MILANEZE, G. L. S.; VAZIN, T. Acessibilidade em instituições de longa permanência para idosos (ILPI’s), com base na análise de instituições em criciúma – SC. In: ENCONTRO NACIONAL DE ERGONOMIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 2016, Recife. Anais eletrônicos Recife: ENEAC, 2016.

MILANEZE, Giovana Letícia Schindler. Contribuições para projetos de arquitetura das instituições de longa permanência para idosos (ILPI), com base na análise de instituições em Criciúma - SC. 2013. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Tecnológico, Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Florianópolis, 2013.

NERI, A. L. Feminização da velhice. In: NERI, A. L. (Org.). Idosos no Brasil. Vivências, desafios e expectativas na terceira idade. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, SESCSP, 2007, p. 47-64.

NERI, Anita Liberalesso. Palavras Chaves em Gerontologia. Campinas: Alínea, 2001.

SOMMER, Robert. Espaço pessoal: as bases comportamentais de projetos e planejamentos. São Paulo (SP): Ed. da Universidade de São Paulo, 1973.

VASCONCELOS, Renata Thaís Bomm. Humanização de ambientes hospitalares: características arquitetônicas responsáveis pela integração interior/exterior. 2004. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) - Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2004.

VILELA, Renata S. Envelhecimento ativo: moradia para o idoso. 2016. Artigo (Bacharel em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo do Centro Universitário Moura Lacerda, Centro Tecnológico, São Paulo, 2016


Apontamentos

  • Não há apontamentos.