SÍNDROME DO ANTICORPO ANTIFOSFOLIPÍDEO (SAF): RELATO DE CASO

Arthur Oliveira Pinheiro, Juliana Caroline de Araújo, Lara Alves Paiva, Ana Carolina Dondoni Fávero, Fernanda Caldeira Ferraz Batista, Vinícius Pedro Almeida Valentim

Resumo


A SAF (Síndrome do Anticorpo Antifosfolípide) está intimamente ligada à eventos trombóticos em seus portadores, gerando manifestações de acordo com o órgão ou região acometida. Seu diagnóstico é de grande importância e é realizado de acordo com um critério clínico e um laboratorial. Ao ser diagnosticado, o médico deve prosseguir com uma conduta terapêutica de acordo com a história clínica do paciente e com uma avaliação de risco para trombose. No presente artigo, é relatado o caso de uma paciente diagnosticada com SAF em 2014, sem adesão ao tratamento proposto. Evoluiu com trombose venosa profunda dos membros inferiores, hipertensão pulmonar e amaurose. Sendo diagnosticada com Lúpus Eritrematoso Sistêmico em sua última internação hospitalar.


Texto completo:

PDF

Referências


Danowski A. et al., Diretrizes para o tratamento da síndrome do anticorpo antifosfolipídeo. Ver. Bras. Reumatol. v.53, n.2, p.184-192, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbr/v53n2/v53n2a05.pdf Acesso em: 30 de outubro. 2018.

Santamaria J.R. et al., Antiphospholipid syndrome. An. Bras. Dermatol. v.80, n.3, p.225-239, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/%0D/abd/v80n3/en_v80n3a02.pdf Acesso em: 30 de outubro. 2018.

Funke A. et al., A importância de reconhecer a síndrome antifosfolípide na medicina vascular. J. Vasc. Bras. v.16, n.2, p.140-149, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/jvb/v16n2/1677-5449-jvb-16-2-140.pdf Acesso em: 30 de outubro. 2018.

Miranda CH.. Trombose coronariana como primeira complicação da síndrome antifosfolípide. Arq. Bras. Cardiol. v.98, p.66-69, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/abc/v98n4/v98n4a14.pdf Acesso em: 30 de outubro. 2018.

Louzada-Júnior P. et al., Síndrome do anticorpo antifosfolípide. Rev. Med. Ribeirão Preto. v.31, p.305-315, 1998. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbr/v43n3/a05v43n3.pdf Acesso em: 30 de outubro. 2018.

Souza EJR, et al., Sildenafil no tratamento da hipertensão pulmonar associada a Lúpus Eritematoso Sistêmico e Síndrome Antifosfolipídeo. J. Pneumol. v.29, n.5, p.302-304, 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/jpneu/v29n5/v29n5a09.pdf Acesso em: 30 de outubro. 2018.

Hoette S., Jardim C., Souza R. Diagnóstico e tratamento da hipertensão pulmonar: uma atualização. J. Bras. Pneumol. v.36, p.795-811, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/jbpneu/v36n6/v36n6a18.pdf Acesso em: 30 de outubro. 2018.

Amarante MV, Batista OP, Rodrigues A. Paciente com Síndrome Antifosfolipídeo Secundária a Febre Reumática e a Lúpus Eritematoso Sistêmico. An. Congresso Capixaba de Medicina de Família e Comunidade. v.1, p.48-48, 2017. Disponível em: https://ojs.acmfccapixaba.org.br/index.php/accmfc/article/view/63/38 Acesso em: 30 de outubro. 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.